O que é o reflexo de Babinski?

· 6 de janeiro de 2018

Você já ouviu falar do reflexo de Babinski? Esse tipo de reflexo está relacionado a uma resposta automática que o recém-nascido tem ao sentir algum tipo de contato.

É também conhecido como reflexo plantar extensor e consiste no movimento do dedão do pé para cima, na direção do peito do pé, gerando uma reação dos outros dedos que se abrem num leque quando a sola do pé do bebê é pressionada.

Normalmente, o reflexo de Babinski pode ser notado em crianças de até 2 anos, ainda que algumas vezes possa desaparecer antes dos 12 meses. Ou seja, geralmente desaparece durante o processo de aprendizado do ato de engatinhar e, posteriormente, andar. É importante prestar atenção ao seu desaparecimento antes dos 2 anos, se isso não acontecer, é necessário consultar o pediatra.

O reflexo de Babinski numa criança com mais de 2 anos

Se esse tipo de reflexo não desaparecer depois dos dois anos de idade, pode ser um indício de um possível transtorno no sistema nervoso central. Se notarmos que nosso filho continua a apresentar o reflexo de Babinski, devemos consultar o pediatra para que ele possa indicar os passos que devemos seguir e os exames a serem feitos.

Os médicos podem provocar o reflexo de Babinski através de um exame físico.

As mães também podem realizá-lo, para isso primeiro devem pressionar a parte lateral do pé com um instrumento plano, especialmente desenhado para não causar nenhum tipo de dor ou mal ao pé do bebê.

A pressão suave ou um carinho em qualquer parte da perna também pode causar o reflexo, mas o melhor e mais conhecido método é o estímulo na sola do pé. O instrumento deve passar desde o calcanhar até a parte de cima do pé, na base dos dedos. É possível notar claramente a reação dos bebês recém nascidos ao contato, sendo necessário não estimular muito suavemente porque, nesse caso, o reflexo será de compressão e agarro.

Quais respostas esse estímulo pode desencadear no bebê?

Quais respostas meu bebê pode apresentar com o estímulo do pé

Flexão

O bebê responde ao estímulo com os dedos do pé, que se movem para baixo e para dentro. O pé começa a ficar em posição de eversão (o osso que forma o calcanhar se afasta da linha que passa pelo centro do corpo). Geralmente essa é a resposta que os adultos saudáveis, imunes ao reflexo de Babisnki, apresentam.

Extensão

Outra resposta que o bebê pode apresentar é a extensão. Ocorre uma dorsiflexão do dedão do e os outros dedos se abrem em leque. Esse tipo de reação é denominada como “reflexo de Babisnki positivo”, que é totalmente normal em bebês recém nascidos.

Indiferente

Pode acontecer uma resposta totalmente indiferente, pode haver flexão dos dedos do pé antes da extensão. Também pode ser que o reflexo flexor ocorra de um lado, enquanto o dedo do pé permanece parado do outro. Nesse caso não fica totalmente claro se o bebê apresenta alguma lesão no trato corticoespinhal, por isso é melhor realizar outros exames relacionados ao reflexo de Babinski.

Condições associadas ao reflexo de Babinski

É importante ressaltar que o reflexo de Babinkski deveria ocorrer em crianças menores de 2 anos. A partir dessa idade deveria desaparecer e ser substituído pelo reflexo flexor. Se nos primeiros 6 meses de idade o bebê não apresentar esse reflexo, é possível determinar como reflexo de Babinksi negativo, o que pode indicar a existência de certas anormalidades como paralisia cerebral ou atraso mental; ou menos frequente, atraso motor.

Condições associadas ao reflexo de Babinski

Nas crianças maiores pode indicar a existência de uma anormalidade metabólica ou estrutural no sistema corticoespinhalCom isso podem aparecer diversos sintomas como a falta de coordenação, dificuldade para controlar os movimentos musculares, fragilidade e cansaço. Também é possível apresentar o reflexo de Babinski de uma lado do corpo, sem apresentar no outro. Isso pode indicar qual o lado do cérebro afetado.

É muito importante prestar atenção ao reflexo de Babinski e tentar analisar se o bebê reage corretamente ao estímulo. Além de se certificar se ele ainda continua apresentando depois dos 2 anos de idade ou se seu corpo reage normalmente ao contato. Você também pode consultar seu médico para tirar qualquer tipo de dúvida a respeito disso.