O tédio faz bem para as crianças?

9 de maio de 2019
Você sabia que o tédio ajuda a promover a inventividade e a autossuficiência nas crianças? A seguir, vamos analisar os seus benefícios e a atitude que os pais devem ter.

A definição literal de tédio, de acordo com o dicionário, é “sensação de aborrecimento causada pela falta de diversão e interesse em alguma coisa”. Se partirmos desse significado, é normal nos perguntarmos se o tédio faz bem para as crianças.

A resposta que a maioria dos psicólogos nos dá é que, na verdade, é benéfico para as crianças que elas fiquem entediadas às vezes. A partir desse sentimento negativo, um sentimento de autossuficiência e a necessidade de serem criativas são estimulados nelas.

Se os seus filhos frequentemente te perseguem dizendo que estão entediados, vamos te dar dicas para que você possa lidar com a situação da melhor maneira possível, sempre em benefício do aprendizado dos pequenos.

O tédio realmente faz bem para as crianças?

O tédio surge nas crianças a partir da desmotivação. Quando as crianças deixam de focar a atenção em uma atividade, elas constantemente procuram ocupar o tempo com uma tarefa que atenda às suas expectativas.

Isso acontece por vários motivos. O primeiro, e mais óbvio, está ligado à energia inata das crianças, que faz com que sejam proativas e estejam constantemente investigando.

O segundo, entretanto, são as mudanças nas suas rotinas diárias. As crianças podem passar de ir às aulas, aprender, brincar e interagir com crianças da sua idade para estar em um estado de descanso ou inatividade.

A verdade é que, geralmente, os pais têm sentimentos contraditórios quando as crianças dizem que estão entediadas. Eles sentem que devem corrigir rapidamente essa situação e oferecer aos filhos uma solução imediata. Mas isso é correto?

O tédio realmente faz bem para as crianças

Como enfrentar o tédio nas crianças

O mais importante quando as crianças estão entediadas é que existem três maneiras de mudar essa situação. Uma delas é satisfazer os caprichos da criança e atender aos seus pedidos.

Outra saída é dar a elas algum videogame para ocupar a atenção por algumas horas. A terceira opção, recomendada para estimular a criatividade, é incentivá-las a encontrar uma ocupação proveitosa por seus próprios meios.

Satisfazer os caprichos das crianças

Quando os pais decidem satisfazer os caprichos dos filhos, eles se dedicam por todos os meios a tentar entretê-las, impedindo-as de resolver as suas carências por si mesmas.

Isso cria nelas uma espécie de inutilidade quando se trata de administrar o seu tempo e suas decisões. Além disso, também reduz a capacidade de serem proativas.

“Quando as crianças deixam de focar a sua atenção em uma atividade, elas constantemente procuram ocupar o tempo com uma tarefa que atenda às suas expectativas.”

Dar videogames

Nos tempos em que vivemos, é muito fácil para os pais sentarem os filhos em frente a um console de videogame ou dar a eles um tablet para ‘matar o tempo’ por algumas horas.

Porém, é possível que eles já tenham notado que essas saídas rápidas e simples não são muito eficazes. As crianças perdem o interesse rapidamente e logo manifestam o seu tédio novamente.

Com os videogames, as crianças não conseguem reduzir a sensação de tédio. Repetir comandos ou as mesmas ações de forma passiva não atende à quantidade de estímulos que a sua mente precisa em uma idade precoce. Seus sentidos exigem ação, estímulo e a surpresa da novidade da aprendizagem e da interação não virtual.

Estimular a criatividade das crianças

O tédio nas crianças é positivo porque dá aos pais uma oportunidade muito valiosa de estimular a criatividade delas. Isso significa que o adulto deve agir como um canal ou condutor da atividade que a criança deve escolher para motivar e concentrar a sua atenção.

As melhores opções são as atividades que implicam uma interação social e, também, aquelas que as crianças consideram uma reprodução da vida dos adultos.

Estimular a criatividade das crianças

Com base nisso, as propostas são:

  • Incentivá-las a brincar ao ar livre: isso inclui brincar com areia, explorar as plantas ou praticar esportes.
  • Brincar de banqueiro, secretária, bombeiro ou outras profissões que elas gostarem.
  • Todas as artes despertam a criatividade nas crianças. Você pode pedir que elas representem uma peça para você, cantem uma música, escrevam uma carta, redecorem o quarto, criem uma coreografia de sua música favorita ou façam um desenho, por exemplo.

A ideia é que a criança seja quem decide o que fazer e elabore ela mesma a atividade que a manterá entretida. Tenha em mente também que, muitas vezes, as crianças confundem os termos ou os usam em contextos diferentes.

Se você perceber que o seu filho se refere ao tédio com um tom de tristeza ou medo, então não hesite em perguntar mais sobre o assunto, principalmente para descartar um quadro depressivo.

  • Antón, M. C. (2012). El aburrimiento. Perspectivas en Psicología: Revista de Psicología y Ciencias Afines, 9(3), 104-109. https://www.redalyc.org/pdf/4835/483549016015.pdf
  • Christian, M., & Roldán, P. Aburrimiento y Espacio.
  • Ovalle, J. (1993). Poemas divertidos para niños aburridos. Editorial Universitaria.
  • Salanova Soria, M. (2009). Organizaciones saludables, organizaciones resilientes. http://repositori.uji.es/xmlui/handle/10234/73232
  • VELASCO, J. R. CURA CONTRA EL ABURRIMIENTO. LA FILOSOFÍA COMO RESISTENCIA ALES, 103.