O vírus do papiloma humano e a gravidez

· 2 de março de 2018
Embora muitas pessoas eliminem o vírus do papiloma humano (HPV, da sigla em inglês human papiloma virus) de forma natural e sem maiores complicações, sua presença durante a gravidez requer alguns cuidados e maior atenção.

Calcula-se que existem cerca de 200 tipos de HPV, dos quais aproximadamente 40 são sexualmente transmissíveis, afetando os genitais. A grande maioria das pessoas contaminadas elimina o vírus do papiloma humano sem sofrer consequências em longo prazo.

No entanto, a relação entre o vírus do papiloma humano e a gravidez costuma ser motivo de preocupação. Aprenda mais sobre os aspectos relacionados a essa condição, os possíveis riscos e sua prevenção a seguir.

O que é o vírus do papiloma humano?

É uma doença viral de transmissão sexual muito comum em pessoas sexualmente ativas. Pode ser percebida por meio de verrugas e, em alguns casos, câncer. É um vírus transmitido por meio de relações sexuais orais, vaginais ou anais com uma pessoa infectada.

Em geral, essa patologia não apresenta sinais que indiquem sua presença no organismo da pessoa infectada. No entanto, com o passar do tempo, podem aparecer os seguintes sintomas:

  • Presença de verrugas nas regiões genitais. Ânus, reto, vulva ou virilha, embora também possa se espalhar para outras partes do corpo. As verrugas podem ser achatadas, pequenas ou grandes.
  • Nas mulheres, podem ocorrer alterações nos tecidos do colo do útero, que podem tanto desaparecer quanto trazer consequências como o desenvolvimento de um câncer.
o vírus do papiloma humano

O vírus do papiloma humano e a gravidez: existe algum risco?

A presença do vírus do papiloma humano na gravidez pode aumentar o tamanho ou o número de verrugas já existentes. Isso se deve às alterações hormonais que podem diminuir as defesas do corpo ou devido ao aumento das secreções vaginais.

É improvável que possa afetar o normal desenvolvimento da gravidez. No entanto, sem dúvidas, sempre haverá um pequeno risco de infectar o bebê.

Considerações gerais do vírus do papiloma humano e a gravidez

É imprescindível informar o obstetra se você tem ou já teve verrugas causadas pelo HPV. Dessa forma, você terá a possibilidade de realizar o acompanhamento no progresso da doença a fim de impedir seu desenvolvimento. Além disso, você pode levar em consideração as seguintes sugestões:

  • Realizar um exame para diagnosticar possíveis lesões.
  • Optar pelo parto vaginal, caso não haja grande quantidade de verrugas que possam obstruir o canal do parto. Se este for seu caso, você terá que optar pela cesárea.
  • No caso da presença do vírus do papiloma humano na gravidez, você vai precisar apenas controlar o andamento da doença, pois as verrugas podem desaparecer após o parto.
  • Seu médico pode decidir remover as verrugas com técnicas pouco invasivas que não vão afetar a gravidez. Ou também pode avaliar o progresso por meio de uma colposcopia.
  • Evite utilizar cremes ou produtos usados para a remoção de verrugas.

O que pode acontecer se o bebê for infectado?

Embora seja pouco provável, se um bebê for infectado com o vírus do papiloma humano, seu organismo vai eliminar o vírus de forma natural.

o vírus do papiloma humano

Existem alguns casos muito extremos, nos quais o bebê pode apresentar carnosidades na garganta. Essa condição é conhecida como papilomatose respiratória. Para isso, é indispensável o tratamento com laser, que serve para a eliminação das verrugas e a limpeza das vias respiratórias.

“O vírus do papiloma humano é uma doença viral de transmissão sexual muito comum em pessoas sexualmente ativas”

Prevenção do vírus do papiloma humano

Prevenir é a melhor maneira de cuidar da saúde. Para evitar o contágio dessa patologia, você pode seguir as seguintes recomendações:

  • Manter relações sexuais com apenas um parceiro, desde que este faça o mesmo.
  • Usar camisinhas de látex. Isso reduz consideravelmente o risco de contaminação com doenças sexualmente transmissíveis.
  • Tomar vacina com o consentimento do médico após o parto. Existem dois tipos de vacina contra os HPVs de alto risco mais frequentes, os tipos 16 e 18.

Para concluir, a presença do vírus do papiloma humano na gravidez não envolve nenhum risco para as partes envolvidas. No entanto, há mais chances de contrair o vírus durante a gravidez, sendo que um bom sistema imunológico vai ajudar a eliminar a infecção. Em todo caso, o ideal é manter um bom controle e prevenir eficazmente a doença.