Orelhas de abano, um problema estético frequente na infância

As orelhas de abano são detectadas em bebês quando o pavilhão parece estar mais separado da cabeça. Saiba qual é a causa dessa deformação e como ela é tratada.
Orelhas de abano, um problema estético frequente na infância

Última atualização: 23 junho, 2022

4 em cada 100 crianças nascem com orelhas de abano, o que significa que suas orelhas parecem mais evidentes na cabeça do que o normal. Esse defeito estético ocorre devido a um desenvolvimento atípico da cartilagem auricular e se manifesta em idade precoce.

A seguir, contaremos tudo o que você precisa saber sobre essa característica facial específica. Não perca!

O que são as orelhas de abano?

Chamamos de orelhas de abano uma deformidade auricular que geralmente se manifesta desde a infância. Em 60% dos casos, essa característica já está presente no nascimento, enquanto nos demais é acentuada com o crescimento e fica mais perceptível em idades mais avançadas. Quase sempre ocorre em ambos os lados da cabeça.

Devido à sua aparência, essa condição também é conhecida como orelhas de abano, mas o termo médico correspondente é deformidade em alça do pavilhão auricular.

Como dissemos, é um defeito na formação da orelha causado pela falta de uma das dobras da cartilagem da orelha, chamada anti-hélice. Dessa forma, a profundidade na concha da orelha parece ser maior do que o habitual e provoca uma separação de mais de 2 centímetros em relação à cabeça.

Menino com orelha de abano.
Com o passar dos anos, a aparência física das orelhas muitas vezes fica escondida, seja porque a cabeça da criança cresce ou porque ela usa um corte de cabelo que não as deixa expostas.

As orelhas de abano e a autoestima da criança

Felizmente, as orelhas de abano são um problema apenas estético, que não afeta a audição ou o equilíbrio da criança. No entanto, pode afetar sua esfera emocional e social.

À medida que o pequeno cresce e toma consciência de sua aparência física, essa deformidade facial pode deixar marcas em sua autoestima. De fato, em muitos casos, pode ser motivo de assédio de colegas ou apelidos pejorativos de vários tipos.

Algumas crianças podem até apresentar dificuldades no desempenho escolar e até de concentração devido ao bullying. Nesses casos, é importante corrigir o defeito para melhorar sua qualidade de vida.

Qual é o tratamento para as orelhas de abano?

Existem duas alternativas para tratar essa deformidade auricular: tratamento cirúrgico (otoplastia) ou tratamento não cirúrgico. O primeiro é altamente eficaz na correção do defeito, enquanto o segundo pode não trazer muitos resultados. Vejamos cada um separadamente.

Tratamento não cirúrgico

O tratamento conservador tem demonstrado eficácia em alguns casos, dependendo da idade em que é implantado e da adesão da criança e sua família ao uso de próteses.

Dentre eles, destacam-se:

1. Otostick: baseia-se na colocação de uma prótese de silicone transparente que mantém as orelhas presas à cabeça. Os adesivos utilizados são muito macios, hipoalergênicos e impermeáveis.

Alguns estudos respaldam seu uso e declaram eficácia adequada quando usados por 12 meses. Pode ser implementado a partir de 3 meses.

2. Método auri: idealizado por pesquisadores dinamarqueses, combina o uso de um clipe com uma faixa adesiva. O primeiro é feito para caber na orelha da criança e é colocado durante a noite. O segundo é usado durante o dia.

Esse método busca apertar, dobrar e esticar a cartilagem ao mesmo tempo, de forma a otimizar o efeito. Recomenda-se usá-lo por 6 meses.

3. DisRas: é um corretor que tem o formato da orelha. É feito à base de silicone e corrige parcialmente sua posição.

Tratamento cirúrgico: Otoplastia

Caso os tratamentos não cirúrgicos não alcancem o efeito desejado, a otoplastia deve ser realizada. Essa cirurgia resolve completamente o defeito e é indicada para crianças.

O procedimento é de baixo risco e rápida recuperação, pois requer apenas anestesia local e sedação. Dura aproximadamente 2 horas e não requer internação. Sua realização é recomendada a partir dos 7 anos, quando as orelhas já adotaram sua forma e posição final.

A detecção precoce da perda auditiva é essencial para melhorar a qualidade de vida das crianças com surdez congênita
As orelhas de abano podem ser observadas em bebês pequenos, mas é mais apropriado adiar sua resolução cirúrgica até o momento em que essas estruturas atingem sua posição final.

Orelhas de abano, uma deformidade tratável

É importante ressaltar que alguns métodos caseiros para tratar as orelhas de abano podem ser prejudiciais à criança, principalmente elásticos, adesivos, emplastros ou chapéus. Em primeiro lugar, podem causar irritações e alergias na pele, mas também aumentam o risco de sufocamento devido à ingestão acidental de corpos estranhos (em caso de descolamento).

O ideal é seguir sempre as orientações do pediatra e esperar até que o bebê tenha idade adequada para tratar essa deformidade da orelha de forma efetiva e definitiva.

Pode interessar a você...
Problemas de mordida em crianças e sua pisada: como estão relacionados?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Problemas de mordida em crianças e sua pisada: como estão relacionados?

Problemas de mordida em crianças podem estar relacionados ao formato da pisada. Neste artigo, vamos contar mais detalhes sobre essa conexão.