Paracetamol para crianças: o que é preciso saber

· 19 de novembro de 2017

Seja a marca que for, esse tratamento básico utilizado para tratar a gripe, dificilmente falta em nossa caixa de primeiros socorros em casa. Com frequência, nós, adultos, o consumimos, mas também há versões do paracetamol para crianças.

Pois bem, o fato desse medicamento ser básico, isto é, de uso comum e ter poucas contraindicações não significa que seu uso deva ser indiscriminado, principalmente, quando falamos das crianças. É preciso tomar cuidado com a administração das doses e a automedicação.

A seguir, vamos ver as informações essenciais que todo pai deve saber sobre o paracetamol prescrito para crianças. Com as devidas precauções, ele pode ser um bom remédio para os pequenos.

O que é o paracetamol e para que ele serve?

O paracetamol é um analgésico e antifebril de uso prolongado. Ele é consumido para aliviar o mal-estar geral e as recorrentes dores nas articulações próprias da gripe. Além disso, geralmente, serve para controlar a febre e outras dores.

Diferentemente de outros analgésicos, seu consumo não gera efeitos colaterais no caso de processos virais mais complexos.

paracetamol para crianças

Versões do paracetamol para crianças

Geralmente, as versões do paracetamol para crianças vêm na forma de xarope ou comprimido mastigável. Essas são as mais recomendáveis e são fáceis de de encontrar na farmácia sem a necessidade de prescrição médica para comprar.

Além disso, os pais contam com uma terceira opção no caso de a criança não querer tomar o remédio por via oral: o supositório.

No que se refere ao supositório, existe uma concentração adequada de acordo com a idade e o peso da criança. Por exemplo: as crianças de 6 a 36 meses de idade só podem tomar paracetamol de 80 mg. Um supositório poderá ser administrado a cada 6 horas.

Contraindicações do paracetamol

A principal vantagem desse medicamento é que quase não tem contraindicações. A única população de risco são as crianças com doenças hepáticas ou problemas no desenvolvimento do fígado. Nesse caso, deve-se consultar um médico antes de administrar o remédio.

Os pacientes que possuem antecedentes de reação alérgica pelo uso do medicamento também não podem tomar esse remédio. No entanto, tirando esses dois casos, quase todos os pacientes podem tomar esse medicamento. Até mesmo, os pacientes alérgicos a anti-inflamatórios raramente apresentam alergia ao também conhecido como acetaminofeno.

As crianças que apresentam quadros virais podem tomar sem medo, assim como as mulheres grávidas e as crianças em fase de amamentação. Os bebês com idade inferior a 6 meses não devem tomá-lo, a menos que o médico prescreva o remédio.

Como são calculadas as doses corretas de paracetamol ministradas a crianças?

Basicamente, a concentração do medicamento e as características da criança são as variáveis consideradas na hora de preparar a dose adequada. Além disso, podemos utilizar a idade, se ela nos der a referência aproximada dos quilos que a criança pesa.

paracetamol para crianças

Assim, as crianças que pesam entre 11 e 16 quilos podem tomar uma dose de 5 ml, se o xarope tiver uma concentração de 160 mg. Se o peso da criança variar entre 16 e 21 quilos, a dose vai ser a de 7,5 mg, e vai ser administrada em solução líquida.

As crianças que pesam entre 22 e 27 quilos deverão tomar uma dose de 10 ml, se o medicamento tiver concentração de 160 mg. Como podemos observar, tudo vai depender do tipo de versão do medicamento: comprimido mastigável, xarope ou, até mesmo, supositório.

Uma fórmula que não falha

Contudo, existe uma fórmula muito simples de calcular a dose exata que deve ser ministrada à criança de acordo com seu peso. A mesma se resume em uma fórmula matemática: peso da criança + metade do peso da criança/10.

Dessa forma, se uma criança pesa 10 kg e se somarmos 5 kg, isso dá como resultado um total de 15 kg. Em seguida, dividimos por 10 e chegamos ao resultado final de 1,5 ml. Essa é a quantidade de xarope que deve ser administrada à criança a cada 6 ou 8 horas.

Vale ressaltar que esse medicamento não deve ser dado a crianças maiores de 6 meses, exceto se o pediatra o prescrever. Nesse caso, o correto é consultar um especialista de sua confiança. Sempre devemos evitar a automedicação.

Em suma, esse é um remédio seguro, com poucas contraindicações e muito confiável para ser ministrado a crianças. Talvez sua única desvantagem seja não desempenhar função anti-inflamatória. Contudo, da mesma forma, é muito eficaz no controle do mal-estar geral.