Pedagogia do ócio

8 de novembro de 2019
Atualmente, o ócio e o tempo livre devem ser considerados fundamentais e devem fazer parte da vida de qualquer pessoa. Para isso, é importante ter uma educação do ócio que ensine a aproveitar o tempo livre de uma forma ativa e responsável.

A pedagogia do ócio tem como objetivo educar sobre e para o tempo livre, considerando que nem todo o tempo livre que temos fora dos horários de trabalho é tempo de ócio. Há momentos das nossas vidas que devem ser investidos na satisfação das necessidades fisiológicas, nos deslocamentos, nas tarefas domésticas e familiares ou então administrativas.

Fora desse tempo destinado para o trabalho e outras necessidades e obrigações, o restante do tempo livre disponível para as pessoas deve ser considerado como um momento que tem um valor especial. Para isso, é necessária uma educação que ensine a fazer um uso satisfatório dele.

Pedagogia do ócio: em que consiste?

A pedagogia do ócio consiste em um ramo da pedagogia responsável por estudar o ócio e o tempo livre das pessoas. Ela tem como objetivo ensinar e orientar os indivíduos para que tenham ocupações e atividades proveitosas, frutíferas e benéficas no seu tempo livre.

De acordo com Pérez Serrano (1988), “a educação sobre o tempo livre é um processo de libertação que leva a pessoa a uma atitude aberta, livre e comprometida com a construção de sua realidade.”

A autora argumenta que a finalidade do tempo livre é a liberdade, e o objetivo da educação sobre o tempo livre não é realizar atividades de treinamento que ocupem o nosso tempo, mas sim aprimorar o que for educativo no ócio.

Mais especificamente, a Carta Internacional de Educação para o Lazer (1993), em referência aos contextos educacionais escolares, propõe incluir matérias adequadas e relevantes para o estudo do ócio, bem como promover a inclusão da questão do ócio em todas as atividades educacionais e culturais, tanto dentro quanto fora da escola.

A Pedagogia do ócio

Pedagogia para o ócio como processo de desenvolvimento

Na sociedade atual, graças à tecnologia, uma grande indústria foi construída em torno do ócio e do tempo livre. Muitas ofertas e anúncios têm como objetivo principal o consumo e os benefícios econômicos, e não a consideração do tempo livre como fonte de desenvolvimento.

A pedagogia do ócio busca justamente o contrário: educar para garantir que as pessoas concebam o tempo livre como um tempo válido para apreciar o ócio consciente e com importância para o nosso bem-estar.

Nesse sentido, Westland (1987), citado por Mendo (2000), explica por que existe, além de o que e como deve ser uma educação para o ócio.

  • O porquê: nesse sentido, ‘ser’ é mais importante do que ‘parecer’; ‘criar’ é mais significativo do que ‘consumir’ eparticipar’ é mais importante do que ‘ver’.
  • O que: as pessoas devem aprender o que significa tempo livre e ócio e incluí-lo como um modo de vida.
  • Como: por meio da educação e na escola, com atividades pedagógicas específicas. É necessário educar os indivíduos para que eles entendam o importante papel que o tempo livre desempenha no nosso desenvolvimento pessoal.

Atividades de ócio e tempo livre

Existem certos critérios sobre os quais uma pedagogia do ócio se baseia quanto à consideração e ao planejamento das atividades de ócio e tempo livre.

Em primeiro lugar, essa pedagogia tenta garantir que possamos ser críticos diante da enorme oferta de atividades de ócio, podendo analisar para saber escolher o que realmente nos interessa e nos traz algum benefício.

Pedagogia do ócio

Em segundo lugar, o uso do tempo livre e as atividades que escolhermos fazer devem nos deixar realmente felizes. O tempo livre deve servir como compensação e equilíbrio diante de todas as carências, frustrações, decepções e a exaustão a que estamos sujeitos na nossa vida cotidiana.

Além da oferta do ócio mais prolongado, como as viagens, por exemplo, atualmente há uma grande oferta de lazer. Ela é composta de várias atividades que possuem importantes fatores educacionais e de desenvolvimento pessoal e social.

Por exemplo: festas locais, atividades na natureza, tais como camping ou caminhada, cinema e teatro, esportes ou a associação com componentes lúdicos e recreativos.

Considerações finais

Em suma, aproveitar o tempo livre está diretamente relacionado a cuidar da saúde. É precisamente a pedagogia do ócio a responsável por fazer com que os indivíduos reconheçam a necessidade de aproveitar o tempo livre de forma ideal.

Muito além da sua conotação como um momento de diversão e descanso, um uso consciente do tempo livre permite que novos aprendizados sejam construídos. Aprendizados que ativam a participação social, favorecem a criação e ajudam a evitar comportamentos de risco. 

  • Mendo, A. (2000). Acerca del ocio, del tiempo libre y de la animación sociocultural. Educación Física y Deportes. Revista Digital, (23).
  • Trilla, J. y Puig, J. (1987). “La Pedagogía del Ocio”. Editorial Laertes. Barcelona
  • Pérez Serrano, G. (1988) “El ocio y el tiempo libre: ámbitos privilegiados para la educación” en Comunidad Educativa, (161): 6-9.
  • Otero López, J. C. (2009). La pedagogía del ocio: nuevos desafíos. Editorial Axac. Lugo. Recuperado de https://www.academia.edu/3565346/La_pedagog%C3%ADa_del_ocio_nuevos_desaf%C3%ADos