Pelo bem do seu filho você não pode ser uma mãe sofredora

02 Novembro, 2017
 

“As mães sofredoras são vítimas delas mesmas; são mulheres que não sabem como sair do seu sofrimento nem separar o amor da dor mais desprezível”

Mulher, pelo bem do seu filho, seja qual for a circunstância ou a causa, você não pode ser uma mãe sofredora. Não pode, porque o sofrimento não é amor, e tudo o que diz respeito a um filho deve ser recebido e sentido com o amor mais platônico que pode existir.

Pelo bem do seu filho, e de todos os filhos do mundo, você precisa aprender a ser uma mãe feliz, próspera, exigente, brincalhona, positiva…mas nunca, uma mãe muito mansa, submissa do seu sofrimento.

Para cada mãe sofredora há um filho infeliz

Nem todas as mulheres sabem como assumir seu papel de mãe. Muitas pensam que amar seus filhos é chorar por eles,e sofrer até pelo que pode acontecer no futuro.

As mulheres que sentem pena dos seus filhos, que sofrem por determinadas características físicas e mentais que eles têm, pelas suas carências econômicas, e seus desejos frustrados ou inalcançáveis…machucam seus filhos e transmitem sua dor.

A capacidade emocional das crianças é extraordinária: elas sempre percebem quando alguma coisa ruim acontece, se existe um problema, ou se alguém está sofrendo por alguma coisa. Os filhos de mães que sentem e se comportam dessa maneira, crescem pensando que são menos do que os outros, que tem algo errado com elas, e que sempre serão incapazes de conquistar seus objetivos.

Origens de uma mãe sofredora

 
mãe sofredora chorando perto de seus filhos

As origens de uma mãe sofredora são muitas. Uma coisa que você já deve estar percebendo, é que ela está fundamentada nas incapacidades intelectuais e físicas do seu filho.

A mulher que sofreu abandono emocional na sua infância, que foi maltratada física e psicologicamente, que teve que sacrificar sua juventude e seus sonhos para criar um filho não esperado, a esposa que foi enganada e desprezada por anos, ou aquela que teme a futura separação do seu pequeno quando ele virar adulto e continuar com sua vida, também são motivações para que muitas mulheres se transformem em mães sofredoras.

Como não ser uma mãe sofredora?

Para não ser uma mãe sofredora ou pelo menos tentar evitar isso, damos estes conselhos:

  • Nunca use as palavras “pena”, “pobrezinho”, “fracassado”, “incapaz”, “abandonado” para se referir ao seu filho e menos ainda em momentos que ele possa ouvir você falando isso.
  • Não tenha pena do seu filho. Todos nós temos defeitos, carecemos de alguma coisa, ficamos doentes, ou não conseguimos conquistar determinado sonho.
  • Cuide do seu filho, mas não o proteja em excesso.  A vida que ele tem pela frente o espera com incontáveis contratempos, os quais ele vai precisar enfrentar querendo ou não. De nada vale sofrer pelo que, talvez, nem chegue a acontecer com ele. É melhor preparar seu filho e você mesma para se algum dia vocês precisarem enfrentar isso que você tanto teme.
 
  • Ame-o e faça-o saber o que amor é alegria, satisfação, bem-estar, otimismo…
  • Seja corajosa e se imponha frente às dificuldades. Seu filho merece o melhor da vida, o melhor que você puder dar para ele. Esforce-se como mãe e trabalhadora.
  • Nos erros, nas doenças, nos medos é quando seu filho mais precisa de você. Esse é o momento menos indicado para você ficar deprimida, virar as costas, e passar o “problema” para outra pessoa da casa.
  • Não pretenda ser para sempre o centro das atenções do seu filho, sua figura de apego, por medo de que amanhã ele cresça e abandone você. Evite criar seu filho exclusivamente ao seu redor, fazendo com que ele sinta que você é a coisa mais importante.

 “Amor próprio, autoestima, sentimentos de satisfação e alegria com suas conquistas, suas aptidões e sua forma de ser… essa é a melhor herança; o mais valioso ensinamento de uma mãe”

Pelo bem do seu filho, cuide da sua saúde mental e seja feliz

mãe e filho sorrindo um para o outro

Mamãe, outro detalhe que você não pode ignorar se quiser evitar ser uma mãe sofrida é o fato de cuidar da sua saúde mental, do seu bem estar a nível emocional.

Afaste-se da possibilidade de ser a escrava que adia todos os seus sonhos para um amanhã que nunca chega. Não seja uma pessoa que se mantém 24 horas atenta aos outros, que não se supera profissional nem pessoalmente, que não sai de casa a não ser para fazer compras, não pratica esportes, não passa um tempo com suas amigas…

 

A mãe altruísta em excesso é a pessoa mais propensa a cair em uma profunda depressão, que prejudica não apenas ela mesma, mas que atinge completamente o resto da família; família que tanto depende dela.
Pelo bem do seu filho e pelo seu próprio bem seja feliz e o mais feliz e realizada que você puder.

  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos.