Placenta calcificada: o que você precisa saber

A placenta se forma para garantir o desenvolvimento de um bebê e se degrada com o fim da gestação. O que significa o fato de que ela calcifica?
Placenta calcificada: o que você precisa saber

Última atualização: 17 dezembro, 2021

A placenta é um órgão que se forma durante a gravidez e é responsável por fornecer oxigênio e nutrientes ao bebê. Ao contrário de outras vísceras, tem uma vida útil limitada e acredita-se que seja “autoprogramada” para degenerar no final da gravidez. Um dos sinais mais característicos do envelhecimento são os depósitos de cálcio, que levam ao desenvolvimento da placenta calcificada.

Embora esse fenômeno seja fisiológico, em algumas circunstâncias pode sugerir uma situação de risco para a mãe ou para o bebê. No entanto, os especialistas encontram alguma controvérsia nisso, uma vez que as evidências não são absolutamente conclusivas.

Hoje vamos contar tudo o que você precisa saber sobre a placenta calcificada, para que você possa entender por que ela ocorre e o que significa esse quadro. Vamos lá?

O desenvolvimento fisiológico da placenta

Como mencionamos, a placenta é uma estrutura fundamental para o crescimento do feto dentro do ventre materno. Ela não só promove a troca de gases e nutrientes entre a mãe e o bebê, como também fabrica os hormônios necessários para que a gravidez ocorra.

É um órgão que se desenvolve junto com o bebê e que deixa de funcionar quando a gravidez se aproxima do fim.

Para se formar, a placenta depende de fatores do embrião (o futuro bebê) e de sua mãe. E, finalmente, por meio dessa estrutura, os dois indivíduos serão fundidos.

O processo de desenvolvimento da placenta começa na primeira semana após a concepção, antes mesmo do embrião se implantar no útero da mãe. Nesse momento, o blastocisto (estágio embrionário de 200 células) torna-se polarizado e desenvolve uma estrutura interna chamada trofoblasto. Esta se encarregará de se implantar no útero e futuramente desenvolver a placenta.

Por sua vez, o endométrio uterino também faz algumas alterações em sua estrutura para acomodar nova vida. Dentre elas, destacam-se as modificações nas glândulas, nos vasos sanguíneos e nas células do sistema imunológico desse tecido. Todo esse processo é chamado de decidualização e ocorre antes do contato com o embrião.

Por volta do oitavo dia após a concepção, o blastocisto (embrião) adere ao endométrio (útero) e, após alguns dias, penetra em toda a sua espessura. A partir daí, a interação entre ambos levará ao desenvolvimento das diferentes estruturas placentárias, até atingir o estágio definitivo por volta da 10ª semana.

Uma placenta saudável e funcional resulta de uma sucessão adequada de eventos. Mas quando isso não ocorre de forma coordenada, podem se desenvolver estruturas anormais, capazes de afetar a saúde da mãe, do bebê ou de ambos.

Imagem cordão umbilical da placenta humana

Envelhecimento da placenta

A placenta cresce e amadurece rapidamente até quase o meio da gravidez e, no final do terceiro trimestre, começa a apresentar alguns sinais de envelhecimento. Entre eles, calcificações fisiológicas.

Por volta da 36ª semana, a ultrassonografia de muitas mulheres pode detectar alguns depósitos de hidroxiapatita de cálcio nos vasos placentários. Isso é conhecido como placenta calcificada.

Presume-se que esse fenômeno ocorra em decorrência do aumento da expressão dos fatores de crescimento típicos do final da gestação, como parte do processo natural de autodegradação.

No entanto, as calcificações podem ser vistas em um estágio inicial (antes 34ª semana) e isso é conhecido como placenta calcificada prematura. Nesses casos, os depósitos são produzidos por outros mecanismos que não o envelhecimento fisiológico e costumam estar associados a patologias maternas ou fetais.

Em alguns casos, esses depósitos são produzidos por necrose (morte) dos tecidos placentários. Ou, posteriormente, ocorrem devido a uma sobrecarga de cálcio no sangue materno, seja por ingestão excessiva pela mulher ou devido a um distúrbio do feto em absorver esse mineral do sangue.

Placenta calcificada: um achado patológico?

Como já mencionamos, a calcificação da placenta pode ser entendida como um evento normal. Isso implica que muitas vezes representa um simples achado do ultrassom, sem qualquer repercussão na saúde da díade.

A grande questão que os especialistas hoje levantam é qual relevância deve ser dada a esses depósitos e qual acompanhamento deve ser dado às gestantes que os apresentam. As evidências são bastante controversas a esse respeito.

Por várias décadas, os obstetras contaram com um sistema de classificação subjetiva para o grau de maturidade da placenta, desenvolvido por Grannum. O objetivo do uso dessa ferramenta é determinar quais pacientes aparentemente saudáveis requerem um acompanhamento mais próximo.

Mas mesmo nos graus mais altos dessa classificação não é possível afirmar a existência de maior risco à saúde da díade. Na verdade, a associação entre esses níveis e as doenças gestacionais (como diabetes ou hipertensão) ou do recém-nascido (como baixo peso) não foi demonstrada.

O que foi demonstrado é que a placenta calcificada prematura está associada a um maior risco de efeitos adversos fetais (como retardo de crescimento intrauterino), devido ao menor suprimento de sangue recebido.

Causas da placenta calcificada

Embora o desenvolvimento de calcificações esteja intimamente ligado à idade gestacional, existem outros fatores predisponentes para seu desenvolvimento:

  • Exposição à fumaça do cigarro (mãe fumante ativa ou passiva).
  • Doença cardiovascular materna.
  • Excesso de cálcio no sangue (devido a uma possível doença renal na mãe, ingestão excessiva ou distúrbios no metabolismo do bebê).
  • Malnutrição e desnutrição materna.
Mulher grávida quebrando um cigarro porque sabe como é perigoso.

O que devo fazer se tiver placenta calcificada?

O diagnóstico dessa condição é realizado por meio do ultrassom, uma vez que geralmente não produz sintomas na mãe. Muitas vezes, também não está associada a patologias fetais ou complicações na gravidez.

Portanto, se for detectada no último mês (a partir da 36ª semana) e o bebê crescer normalmente, é mais provável que nenhuma ação seja necessária.

Mas se for detectada prematuramente e for observado um suprimento de sangue insuficiente para o feto, o médico provavelmente considerará interromper a gravidez. No entanto, essa é uma decisão tomada apenas quando a situação justificar e não em qualquer circunstância.

Como sempre mencionamos, na dúvida o melhor é conversar com o profissional que acompanha sua gestação. Só assim você poderá tomar as melhores decisões para preservar sua saúde e a de seu filho.

Pode interessar a você...

Placenta: desenvolvimento, estruturas e funções
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Placenta: desenvolvimento, estruturas e funções

A placenta é um órgão imprescindível para o correto desenvolvimento do feto durante a gestação. Aprenda mais sobre ela neste artigo.



  • Salvatore Andrea Mastrolia, Adi Yehuda Weintraub, Yael Sciaky-Tamir, Dan Tirosh, Giuseppe Loverro & Reli Hershkovitz (2016) Placental calcifications: a clue for the identification of high-risk fetuses in the low-risk pregnant population?, The Journal of Maternal-Fetal & Neonatal Medicine, 29:6, 921-927, DOI: 10.3109/14767058.2015.1023709. Disponible en: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25777792/
  • Jamal A, Moshfeghi M, Moshfeghi S, Mohammadi N, Zarean E, Jahangiri N. Is preterm placental calcification related to adverse maternal and foetal outcome? J Obstet Gynaecol. 2017 Jul;37(5):605-609. doi: 10.1080/01443615.2017.1285871. Epub 2017 May 3. PMID: 28467149. Disponible en: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28467149/
  • Wallingford MC, Benson C, Chavkin NW, Chin MT, Frasch MG. Placental Vascular Calcification and Cardiovascular Health: It Is Time to Determine How Much of Maternal and Offspring Health Is Written in Stone. Front Physiol. 2018 Aug 7;9:1044. doi: 10.3389/fphys.2018.01044. PMID: 30131710; PMCID: PMC6090024. Disponible en: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6090024/#!po=10.9375
  • Apaza Valencia John. Desarrollo placentario temprano: aspectos fisiopatológicos. Rev. peru. ginecol. obstet.  [Internet]. 2014  Abr [citado  2021  Nov  09] ;  60( 2 ): 131-140. Disponible en: http://www.scielo.org.pe/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2304-51322014000200006&lng=es. Disponible en: http://www.scielo.org.pe/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2304-51322014000200006