Qual é a importância da ultrassonografia morfológica?

A ultrassonografia morfológica é um dos principais exames da gravidez. E, além disso, permite conhecer o futuro bebê da cabeça aos pés.
Qual é a importância da ultrassonografia morfológica?

Última atualização: 09 Outubro, 2021

A gravidez exige cuidados de saúde redobrados para garantir o bem-estar da mãe e do bebê. Uma das estratégias mais eficazes para acompanhá-lo é a realização de exames de ultrassom. Dentre eles, a ultrassonografia morfológica desempenha um papel fundamental. Você sabe como funciona?

O que é uma ultrassonografia morfológica?

É um exame não invasivo que visa avaliar como o corpo do bebê se desenvolve dentro do útero materno. Por meio dele, é possível detectar oportunamente algumas patologias fetais como as malformações congênitas.

Isso é feito por meio de um dispositivo especial que emite ondas sonoras de alta frequência no abdômen da mulher.

O som se dispersa pelo líquido amniótico e “colide” com as diferentes estruturas do bebê. Isso gera um sinal de resposta (eco), que é capturado por um computador e exibido como uma imagem bidimensional ou tridimensional do bebê.

Polidrâmnio pode ser perigoso

As ultrassonografias têm muitos propósitos durante a gravidez. Porém, as do segundo trimestre têm como objetivo principal avaliar como os diferentes órgãos do bebê estão se formando.

A seguir, detalharemos os objetivos da ultrassonografia morfológica (Puerto, 2018):

  • Avaliar a anatomia do bebê: verifica se que os órgãos estão corretamente formados e se as estruturas fetais mantêm as proporções corretas. Se forem detectadas malformações, a avaliação é concluída com estudos mais especializados.
  • Observar o crescimento fetal: dependendo da idade gestacional do bebê, é determinado se a taxa de crescimento está adequada ou se o bebê tem atraso no crescimento intrauterino.
  • Calcular o volume do líquido amniótico: por meio de alguns parâmetros de medição, como o índice do líquido amniótico (ILA), é possível detectar a presença de excesso (polidrâmnio) ou déficit (oligoidrâmnio) de líquido amniótico.
  • Examinar a condição da placenta: principalmente, a localização desse órgão em relação ao orifício cervical interno e o local onde o cordão umbilical está inserido.

Quando realizar uma ultrassonografia morfológica

Em meados do segundo trimestre da gravidez, a maioria dos órgãos e estruturas do feto já estão suficientemente formados. Por esse motivo, é considerado o momento ideal para a realização da ultrassonografia morfológica.

Os especialistas recomendam realizar esse exame entre a 18ª e 20ª semana de gestação. Nesse período, coincidem três fatores que determinam o sucesso da ultrassonografia:

  • Os ossos do bebê ainda não possuem muito cálcio, e isso permite o correto exame das estruturas internas do feto.
  • A quantidade de líquido amniótico é adequada para que as ondas sonoras se distribuam por toda a superfície do feto.
  • O tamanho do bebê é grande o suficiente para observar em detalhes como seus órgãos se formaram.

Informações que você deve conhecer

A ultrassonografia morfológica é usada para detectar diferentes malformações ou anomalias congênitas no feto. Embora nem todas essas doenças sejam observáveis, sua frequência de aparecimento não é desprezível.

Estima-se que 1 a cada 33 crianças nascidas no mundo sofre de algum defeito congênito e mais de 3 milhões de crianças sofrem de alguma deficiência por essa causa (OPAS, 2015).

Embora o exame de ultrassom não possa prevenir o desenvolvimento de nenhuma dessas condições, oferece às famílias a possibilidade de receber os tratamentos necessários para reduzir o risco de morte ou de complicações na saúde dos bebês.

Por esse motivo, é extremamente importante realizar este e outros exames de saúde durante a gravidez, especialmente em gestações de alto risco.

O exame machuca?

Definitivamente, a ultrassonografia morfológica não causa dor nem para a mãe nem para o bebê.

É um exame realizado por meio de um equipamento de ultrassom, composto por um computador e um transdutor de sinal, que é colocado sobre a pele do útero da mãe.

ultrassom de segundo trimestre exame morfológico prevenção fetal triagem de malformações congênitas fetais transdutor de gene ultrassom médico de mão ultrassonografista

Para movimentar o aparelho de um lado ao outro do abdômen, é utilizado um gel que evita qualquer dor, coceira ou sensação desagradável.

Por outro lado, as ondas sonoras que são emitidas para o útero da mãe não causam dor ou sofrimento ao bebê.

Tem riscos?

A ultrassonografia é um exame seguro para a mãe e seu filho, pois não envolve nenhum risco presente ou futuro.

As pressões no útero são leves e não aumentam a probabilidade de complicações de trauma externo.

Quanto às ondas sonoras, não representam risco para a saúde do feto, assim como os raios-X.

Diagnostica com precisão?

É um exame confiável o suficiente desde que seja feito com o equipamento adequado e o operador (geralmente um médico) seja suficientemente treinado.

Por isso, diz-se que é um estudo “operador dependente”, pois o seu sucesso depende da mão humana que o realiza.

A ultrassonografia morfológica é um procedimento de rotina que visa detectar gestações com possível risco de malformações congênitas.

Caso seja detectada alguma alteração no organismo do bebê, é necessário repetir o exame após algumas semanas e indicar outro tipo de ultrassom mais específico. Por exemplo, aqueles exames que incluem um doppler fetal.

Sobre a importância da ultrassonografia morfológica

Como enfatizamos ao longo do artigo, os ultrassons são exames simples, não invasivos e muito seguros para a mãe e seu bebê.

A partir deles é possível obter informações relevantes em um momento oportuno, a fim de oferecer às famílias os conselhos e as intervenções necessárias para minimizar riscos futuros.

Não se esqueça de que comparecer a todas as consultas obstétricas e realizar os exames de rotina é a melhor maneira de proporcionar uma boa saúde ao seu bebê.

Pode interessar a você...
O que é o Exame de Alfa-Fetoproteína do Soro Materno?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
O que é o Exame de Alfa-Fetoproteína do Soro Materno?

O Exame de Alfa-Fetoproteína do Soro Materno é realizado na mulher grávida para um objetivo específico. Descubra mais detalhes neste artigo!



  • Puerto B. Segundo trimestre. ecografía morfológica y cribado de patología. Capítulo 11. En: Gratacós E, Figueras F, Martínez JM. Medicina Fetal. 2da Edición. Barcelona: Panamericana. Año 2018.
  • Richards D. Ecografía obstétrica: estudios de imagen, establecimiento de fechas, crecimiento y anomalías. Capítulo 9. En: Gabe S et al. Obstetricia. Embarazos normales y de riesgo. 7ma edición. España: Elsevier. Año 2019.
  • Callen P, Norton M. Ecografía Obstétrica. Capítulo 1. En: Norton M. Callen. Ecografía en obstetricia y ginecología. 6ta edición. España: Elsevier. Año 2018.
  • Reddy UM, Abuhamad AZ, Levine D. Saade GR. Fetal imaging: executive summary of a joint Eunice Kennedy Shriver National Institute of Child Health and Human Development, Society for Maternal-Fetal Medicine, American Institute of Ultrasound in Medicine, American College of Obstetricians and Gynecologists, American College of Radiology, Society for Pediatric Radiology, and Society of Radiologists in Ultrasound Fetal Imaging Workshop. Obstet Gynecol. 2014;123:1070-1082. Disponible en: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24764329/
  • American Academy of Pediatrics. Malformaciones congénitas. Genetics in Primary Care Institute – AAP. Healthy children. [Internet] Última actualización 2019. Disponible en: https://www.healthychildren.org/Spanish/health-issues/conditions/developmental-disabilities/Paginas/Congenital-Abnormalities.aspx
  • Organización Panamericana de la Salud. Las anomalías congénitas son la segunda causa de muerte en los niños menores de 5 años en las Américas. [Internet] Marzo 2015. Disponible en: https://www3.paho.org/hq/index.php?option=com_content&view=article&id=10487:2015-anomalias-congenitas-segunda-causa-muerte-ninos-menores-5-anos-americas&Itemid=1926&lang=es