Por que alguns adolescentes discutem com os pais?

A adolescência é um período de busca pela identidade. Isso implica separar-se do mundo parental para romper com a fusão típica da infância.
Por que alguns adolescentes discutem com os pais?

Última atualização: 21 Outubro, 2021

Os adolescentes passam por mudanças em todos os aspectos de suas vidas. O processo de construção da identidade que se inicia na infância ganha maior força após a puberdade. Isso explica, em parte, por que os adolescentes discutem com os pais.

Os jovens costumam se confrontar para se diferenciar dos mais velhos e deixar sua marca: aqui estou e sou assim. Como pais, é importante saber como lidar com essas situações de conflito, para que sejam resolvidas da melhor maneira possível. A seguir, vamos mostrar a você o que fazer.

Entender a adolescência

Embora os adolescentes entendam o motivo de tal transformação, muitas vezes essa fase é vivida como um luto. E, acima de tudo, aqueles ao seu redor costumam ficar intrigados com algumas de suas mudanças. Por esse motivo, é essencial revisar alguns dos aspectos mais significativos dessa etapa:

  • Modificações físicas.
  • Busca por identidade e autonomia.
  • Mudanças psicológicas, emocionais e cognitivas.
  • Tendência para se fundir com o grupo de pares (em vez de fazer isso com sua própria família).
  • Questionamento sobre o papel que ocupam no mundo, seja a partir de questões existenciais, desejos de mudar o mundo ou maior interesse por causas sociais.

Com isso, certas situações do cotidiano podem detonar uma “bomba emocional”, e o adolescente vai da felicidade absoluta ao desconforto e à angústia. Em geral, isso ocorre sem que os adultos consigam identificar o motivo da mudança de atitude.

Além disso, é importante notar que as dimensões dos problemas são muito diferentes para uns ou para outros: o que é insignificante para os pais, pode ser uma questão de vida ou morte para os filhos. Esse é um verdadeiro viveiro de discussões.

A busca e a reafirmação da identidade leva os adolescentes a quererem demonstrar permanentemente que não são mais aqueles filhos dependentes de ontem. E que, ao contrário, eles podem se defender sozinhos.

choro de crise luta frustração angústia jovem adolescente chora no chão

Algumas dicas para se considerar ao lidar com adolescentes

Mesmo que os adolescentes se sintam independentes, eles ainda precisam dos pais e de seus cuidados. O que acontece é que eles precisam mudar a forma como se relacionam, sentindo-se capazes, mas sem romper os vínculos.

Por isso, é necessário considerar alguns conselhos nesse processo de mudanças sem voltar permanentemente ao confronto.

Os limites são sempre necessários

É verdade que se deve deixar os adolescentes fazerem, explorarem e descobrirem por conta própria, mas isso não implica em livre arbítrio. Os limites são sempre necessários e você tem que aprender a estabelecê-los.

Assertividade e respeito pela individualidade são fundamentais para não sobrecarregar o adolescente. Por sua vez, os limites devem ser claros e aplicados. Assim, os pais têm o enorme desafio de manter a consistência e estabelecer consequências quando o que é combinado não acontece.

Por outro lado, essa contenção também inclui saber com quem o adolescente está e onde. Da mesma forma, fique atenta ao que ele consome nas redes sociais e na internet.

Como orientação geral, não se trata de invadir esse espaço ou se esgueirar, e sim conversar e alertar sobre certos riscos para se preservar.

Escolha o momento certo para fazer uma intervenção

Se o adolescente mantiver um comportamento desafiador, muitas vezes seus pais tenderão a tornar públicas suas observações, seja na frente dos amigos ou de outros familiares. Isso agrava a situação, pois o adolescente se sente envergonhado e precisa se reafirmar frente aos demais.

Ao decidir intervir sobre seu comportamento, é melhor encontrar um tempo a sós para ter uma conversa tranquila. Expor os adolescentes nada mais é do que uma escalada de conflito.

Seja o exemplo

Não se esqueça de que nosso comportamento como pais diz muito mais do que nossas palavras. Somos permanentemente observados por nossos filhos, e eles percebem tanto o que fazemos quanto o que dizemos. Dessa forma, se quisermos modificar determinado comportamento, é melhor sermos os modelos a seguir.

Permitir espaços para comunicação

Mãe tentando exercer controle sobre seu filho adolescente com medida.

Por último, mas não menos importante, está a importância de criar espaços de encontro e diálogo com nossos filhos. Isso permite que os jovens compartilhem o que lhes acontece quando desejam e, também, dividam algumas preocupações típicas da fase, como aquelas relativas à sexualidade.

Devemos aprender a respeitar seu tempo e entender que sua iniciação sexual não será quando quisermos, e sim quando eles quiserem e se sentirem capazes. Se gerarmos um clima de confiança, a abordagem será mais fácil.

Refletir sobre o seu próprio momento na vida

Muitas vezes, a adolescência dos filhos coincide com um momento em nossas vidas de muitos questionamentos pessoais ou de tomada de decisões importantes. Momentos de dúvidas sobre o futuro, sobre o trabalho, sobre a experiência de ser pais.

Por isso, em geral, as experiências dos nossos filhos adolescentes se somam às nossas. Portanto, é bom ter clareza sobre o que nos desafia como adultos e buscar formas construtivas e saudáveis de viver e expressar esse momento, sem que se torne um fardo.

Não podemos ignorar que os adolescentes ainda precisam da nossa orientação. Portanto, quando as discussão surgem, é importante deixar de lado as críticas pessoais e buscar soluções construtivas.

Pode interessar a você...
Doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) em adolescentes
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) em adolescentes

As DSTs em adolescentes são um problema cada vez mais comum. A educação sexual em casa é essencial para a prevenção. Veja por quê!