Por que eu só tenho meninos?

29 de março de 2019
Se você se pergunta por que só tem meninos, saiba que você não é a única. Descubra o porquê dessa situação e aproveite a chegada do novo integrante da família.

Em muitas famílias, o desejo de ter uma menina é um grande sonho. No entanto, esse sonho se desfaz quando outro menino nasce. É nesse momento que se procuram respostas: por que eu só tenho meninos?

Se esse for o seu caso, descubra alguns dos fatores que podem ser determinantes na prevalência de um sexo em relação ao outro e aproveite ao máximo os seus filhos.

O que determina o sexo do bebê?

O sexo do bebê é determinado pelo homem durante a concepção. Na informação genética dos espermatozoides estão os gametas XY, enquanto nos óvulos da mulher eles são XX.

Ao se unirem, a mulher traz um X e o homem um X para conceber uma menina ou um Y para que seja um menino.

O que determina o sexo do bebê

É por isso que a decisão dependerá exclusivamente do espermatozoide, com uma probabilidade de 50% para cada sexo.

Por que eu só tenho meninos: uma prevalência do sexo masculino é possível?

Se na sua família a porcentagem de nascimentos de meninos é alta, você não é a única. É cada vez mais comum nas famílias que, gestação após gestação, o sexo da criança seja sempre o mesmo. A comunidade científica em geral aposta em apontar para o acaso mais do que para uma tendência genética.

No entanto, com base na experiência e em alguns casos isolados, as razões pelas quais você só tem meninos podem ter origem nos seguintes fatores:

Danos nos espermatozoides

Os danos nos espermatozoides que carregam o gameta X para dar origem a uma menina podem ser causados por uma síndrome de herança ligada ao sexo. Isso significa que os embriões vindos desses espermatozoides são frágeis e não conseguem sobreviver.

Embora essa seja uma condição que ocorre com mais frequência nos espermatozoides masculinos, isso também é possível nos femininos.

Além disso, os danos podem ocorrer diretamente nos cromossomos X, porque são eles que produzem um embrião feminino ou vice-versa. Em outras palavras, pode ser que não exista a capacidade de produzir o tipo de célula germinativa para o sexo feminino.

Características físicas dos espermatozoides

Alguns fatores, tais como as características dos espermatozoides, o revestimento vaginal ou o ciclo fértil, podem influenciar significativamente na concepção. Acredita-se que os espermatozoides femininos sejam mais resistentes, de tal forma que podem sobreviver o tempo que for necessário até que a ovulação ocorra.

Ao contrário, os espermatozoides masculinos são considerados mais frágeis, mas a sua velocidade pode favorecer uma rápida concepção.

Apesar do fato de que aqueles que defendem essas técnicas para conseguir acertar o sexo do bebê indiquem que há uma probabilidade de sucesso de 70%, isso não é inteiramente verdade. Não há base científica para garantir que um tipo de alimentação, posição ou dia da relação sexual possa determinar o sexo do bebê.

Existem técnicas externas para determinar o sexo do bebê?

Sim, elas existem. Em alguns países, as leis permitiram este tipo de reprodução assistida a fim de evitar a transmissão de doenças hereditárias. Para isso, existem duas técnicas:

  • Seleção dos espermatozoides. Com isso, procura-se escolher os espermatozoides que transportem a célula germinativa feminina ou masculina e proceder à inseminação artificial. Assim, o óvulo é fertilizado com o sexo procurado.
  • Análise pré-implantação. Essa técnica consiste em fazer a fertilização in vitro e escolher embriões do sexo desejado que não tenham a doença. Após a análise, procede-se à implantação no útero.
Existem técnicas externas para determinar o sexo do bebê

Essas técnicas ajudaram muitos casais a ter filhos saudáveis e do sexo desejado. No entanto, é necessário determinar se as leis do país assim permitem.

Benefícios de ter meninos

Quando a data do parto chega, a única coisa que importa é que o bebê esteja saudável. As mães ganham um protetor e um admirador eterno, enquanto os pais ganham um companheiro para a vida e um excelente parceiro.

Em conclusão, embora a decisão seja dos espermatozoides, podem existir outras razões que ainda estão sendo estudadas.

  • Henao Agudelo, M. S., & Cardona Maya, W. (2013). Evaluación de los parámetros seminales en 30 hombres con fertilidad probada y breve revisión de la literatura. Revista Cubana de Obstetricia y Ginecologia
  • Parera, A. (2001). Fisiología de la diferenciación sexual. Libro Curso de Formación PostGrado: 2001 – Estados Intersexuales e Hipogonadismo
  • Villasante, A., Duque, L., & García-Velasco, J. A. (2005). Técnicas de reproducción asistida. Anales de Pediatria Continuada. https://doi.org/10.1016/S1696-2818(05)73283-2