Por que meu filho é canhoto?

26 Janeiro, 2017

Por que meu filho é canhoto? Esta costuma ser uma dúvida que se repete incansavelmente quando as crianças começam a fazer maior uso de suas extremidades e mostram certa predileção pela mão ou a perna esquerda.

Ser canhoto implica possuir maior domínio do hemisfério direito do cérebro e isso gera uma certa preferência pelo uso da mão ou pé esquerdo para mexer em objetos, jogar, escrever, dar o primeiro passo ao caminhar, montar no triciclo, chutar uma bola, entre outras atividades.

Há alguns anos o fato de uma criança ser canhota era considerado diferente, anormal e até encarado como um problema de saúde. Mas atualmente, o fato de ser canhoto não é algo visto com preconceito ou como doença  e sim uma característica, que não se deve mudar e não deve ser “corrigida”.

Dados sobre a população de canhotos

A pergunta que está no título – por que meu filho é canhoto? – é uma verdadeira incógnita. Os fatores que influenciam para que a criança seja canhota ou destra podem ser genéticos, emocionais ou até por causa do ambiente em que ela está inserida.

A questão genética ganha força com base em números impressionantes conseguidos por relatórios científicos: uma criança tem 10% de possibilidades de ser canhota se seu pai também o é. E o número chega a 20% se a mãe apresenta essa condição. Caso os dois pais sejam canhotos, a chance é de 50%.

O mesmo estudo revelou que entre 12 e 15% da população mundial infantil é canhota, apesar que esse fenômeno tem maior presença entre os meninos, com 11%, contra 9% das meninas.

Tudo bem, mas qual é a razão para meu filho ser canhoto?

Vale esclarecer logo de cara que seu filho não se tornou canhoto. Ele é canhoto desde o nascimento. De acordo com a explicação científica mais respaldada, o pequeno apresenta essa condição devido a uma configuração cerebral diferente da dos destros.

Para essa linha teórica, ser canhoto ou destro não é tanto fruto de hábitos estabelecidos nos primeiros anos ou muito menos azar, mas derivado de um processo de evolução do sistema nervoso, necessário para elevar o grau de complexidade funcional do cérebro.

Mas os cientistas insatisfeitos só com a explicação neurológica se encarregaram de investigar este fenômeno a fim de trazer teorias que excedam a mera explicação neurológica e estas são algumas das possíveis razões pelas quais seu filho é canhoto.

ef9dd8c25bff530aa631b23d9410a65d

São várias hipóteses: umas falam de fatores genéticos, outras de níveis diferentes de testosterona presentes no útero materno durante a gestação. Lesões no hemisfério cerebral do bebê e também outros indícios presentes em fotografias escaneadas e ecografias pré-natais são outras hipóteses.

Os genes e os entornos

De acordo com várias correntes dentro da ciência, a criança pode ser canhota ou destra dependendo de dois fatores fundamentais: a hereditariedade e a experiência ou adestramento que cada criança tem no decorrer de seu amadurecimento cerebral.

É claro que os cientistas mais ligados à genética argumentam que o predomínio de determinada preferência de lado é condicionada pelos genes da criança, ou seja, há certa preferência hereditária caso exista antecedentes familiares, aumentando as probabilidades de ser canhoto.

Mas grande parte dos pesquisadores se distancia desta postura tão extrema e fundamentalista argumentando que a questão da preferência pode obedecer tanto a aspectos genéticos como de ambiente.

Nessa linha de frente, os estudiosos que destacam a relação existente entre a lateralidade e diversos fatores relacionados ao ambiente, indicam outros elementos-chave para compreender o fato de sua criança ser canhota: a aprendizagem que as crianças têm com seus pais, a influência do colégio ou os hábitos introduzidos por pessoas próximas.

Outras teorias que podem explicar a razão para seu filho é canhoto

Se você quer saber por que seu filho é canhoto, provavelmente você deve considerar outras teorias capazes de explicar isso apelando a casos mais específicos, apesar de ainda destacar detalhes ligados à genética ou o contexto:

1149f62f1880fb514fe761c909124f87

  • Excesso de testosterona. Um nível pré-natal elevado deste hormônio masculino pode ajudar no desenvolvimento de uma criança canhota.
  • Estresse próprio do nascimento. As lesões no hemisfério cerebral do bebê durante a gravidez ou nos primeiros meses de vida, podem induzir a um maior desenvolvimento de um sobre o outro.

Quando fica claro que a criança é canhota?

Possivelmente na idade escolar você deverá perceber que seu filho é canhoto, dado que nesse momento ele começa a utilizar as mãos com frequência, estabelecendo uma preferência que não tinha até os 3 ou 4 anos.

Para comprovar que seu filho é canhoto você pode observar com atenção a mão ou pé que ele utiliza para chutar uma bola, escovar seus dentes, pegar um copo ou colher, se pentear, manipular objetos e escrever, entre outros.

No caso dos canhotos, é o lado direito do cérebro o que controla e faz que a mão esquerda seja dominante. Por essa razão, deveria ser proibido obrigar as crianças canhotas a fazer as coisas com a direita, já que as consequências podem ser frustrantes.

Não tem sentido tentar converter uma criança canhota em destra porque não existe treinamento capaz de modificar esta condição, por mais esforço que seja feito, dado que a natureza da criança é assim e não é um mero costume adquirido, mesmo que um treinamento intensivo tente mascarar isso.

Consequentemente, quando se obriga a criança canhota a utilizar a mão menos hábil em suas tarefas, os resultados serão terríveis para ela, ficando desajeitada, dificultando sua capacidade de distinguir direita de esquerda e provocando transtornos na escrita, dislexia e até gagueira.

  • Asociación Norteamericana de Psicología y Cherry Norton. (2008). Zurdos: ¿Más inteligentes que los diestros o mas despistados y desmemoriados. Washington
  • Auzias, M., & del Río, P. (1990). Niños diestros, niños zurdos. Visor.
  • Gessen, V., & Gessen, M. M. (2003). El niño zurdo. Educere, 7(22), 298-300. https://www.redalyc.org/pdf/356/35602226.pdf
  • Gicherman, D y otros. (2009). El manejo del niño zurdo. Ediciones Universidad Central de Venezuela. Venezuela.
  • Medina, A. y García de Medina, M. (2010) Ser zurdo, una discapacidad para la educación técnica. En Arnaiz, P.; Hurtado, Ma.D. y Soto, F.J. (Coords.) 25 Años de Integración Escolar en España: Tecnología e Inclusión en el ámbito educativo, laboral y comunitario. Murcia: Consejería de Educación, Formación y Empleo. https://diversidad.murciaeduca.es/tecnoneet/2010/docs/amedina.pdf