Por que meu filho tem se tocado "lá"?

21 Junho, 2018
Embora possa ser um tabu para muitos pais, a masturbação infantil é normal e necessária. Aprenda, nesse artigo, como lidar com esse tipo de situação e em quais casos você deve prestar mais atenção.

Provavelmente, uma das situações mais complicadas de enfrentar na infância é a que se conhece como “masturbação infantil”. Um dia, de repente, você encontra seu filho tocando nas partes íntimas e não sabe como lidar com essa situação.

Relaxe! Essa fase é normal e necessária para a criança. Significa que ela está explorando seu corpo, como uma parte fundamental para seu desenvolvimento e crescimento. Durante os primeiros anos de vida, a criança sentirá curiosidade por seus genitais, mais ainda quando deixar as fraldas.

“É normal que meu filho se toque?”, sem dúvida, é a pergunta mais frequente em consultórios de especialidades pediátricas. Da mesma forma, a resposta que a maioria dos especialistas oferece é: “sim, é normal e você não precisa se preocupar”. Portanto, fique por dentro dos detalhes importantes sobre esse assunto neste artigo.

A importância da masturbação infantil

Estudos científicos demonstraram que as crianças começam a se masturbar aproximadamente aos 19 meses, pelo menos quatro vezes ao dia. Alguns pais ficam chocados com isso, mas você deve considerar, em primeiro lugar, que as crianças não sentem o mesmo prazer sexual que os adultos ao se tocar.

Além disso, essa inevitável experiência infantil nunca é acompanhada por uma imaginação sexual. Ou seja, os pequenos simplesmente exploram a si mesmos e se descobrem, além de produzir sensações de bem estar e relaxamento.

Lembre-se também de que a sexualidade da criança está em desenvolvimento desde o ventre materno. E descobrir seus genitais, afinal, é parte desse desenvolvimento saudável. As crianças atuam por instinto e não tem as noções preconcebidas sobre o sexo dos adultos.

O que é normal nessa fase?

masturbação infantil

Tanto médicos e psicólogos quanto educadores do ensino básico defendem que a masturbação infantil é uma situação normal que constitui simplesmente um degrau no desenvolvimento da criança. Os especialistas sugerem que o adultos devem abordar fatores que indicam o curso correto do processo:

  • Meninas e meninos geralmente tocam seus genitais com o objetivo de adquirir certo autoconhecimento sobre seu próprio corpo.
  • Os pequenos são movidos pela curiosidade que seus genitais despertam, anteriormente escondidos pela fralda.
  • Algumas crianças podem chegar inclusive a manifestar curiosidade pelos genitais dos outros, se perguntando se as outras pessoas tem os mesmos órgãos genitais que elas.

O que fazer frente à masturbação infantil?

  • Não se assuste. A masturbação infantil não significa que seu filho esteja se tornando um pervertido. Mantenha a calma e se lembre de que a masturbação nas crianças não é sexual, como no caso dos adultos.
  • Consulte o médico. A Academia Americana de Pediatria recomenda procurar um especialista em caso de masturbação infantil compulsiva, pois pode ser um sinal de ansiedade, angústia emocional ou, inclusive, uma forma de chamar a atenção.
  • Explique onde e quando. É importante que você explique à criança que é um órgão para fazer xixi e que ela pode conhecê-lo enquanto toma banho, mas não é necessário brincar com seus genitais o dia todo. Até mesmo, talvez, seja conveniente enfatizar de só se pode fazer isso quando estiver em casa e na presença dos pais.
  • Ignore. Após ter explicado à criança que algumas partes de corpo são íntimas, sendo que ninguém – apenas ela mesma, os pais ou um médico – podem tocá-las, o melhor que você pode fazer é olhar para outro lado.
  • Distrair a criança. Não fique envergonhado se seu filho se tocar em público, pois essa é parecida com colocar o dedo no nariz: a criança faz por tédio ou por estar com as mãos livres. Nesses casos, a distração é o mais aconselhável e você pode oferecer um brinquedo ou outro objeto ou incentivá-la a realizar outra atividade.
  • Nem pense em repreender seu filho! Preste atenção nas suas próprias reações, pois pode ser um risco para o pequeno. Se a criança se sentir culpada, má ou suja por explorar seu corpo, no futuro ela vai associar sentimento de prazer com culpa e vergonha.
masturbação infantil

Masturbação infantil: quando os pais devem se preocupar?

Contudo, especialistas no assunto sugerem que os adultos devem prestar atenção aos comportamentos que os filhos apresentam de forma geral, já que em certas ocasiões podem ser um indicador capaz de demonstrar sinais de alerta.

Abaixo você encontrará quatro características que devem ser motivo para pedir ajuda profissional ou, pelo menos, marcar uma consulta médica para saber se a criação do filho está regular:

  • Se a masturbação infantil for excessiva e, ocasionalmente, obsessiva.
  • Quando se tocar se torna uma prioridade para a criança.
  • Em caso de perceber durante a masturbação uma série de atitudes e ações esquisitas e impróprias para a idade da criança.
  • Quando o pequeno se isolar e evitar brincar.

Masturbação infantil compulsiva, por quê?

Em muitos casos, a masturbação infantil compulsiva traduz de algum modo o sossego e a calma frente a um problema que a criança enfrenta e não consegue lidar de outra forma. Segundo especialistas no tema, essa prática pode demonstrar conflitos familiares pelos quais a criança está passando.

Consequentemente, se durante essa fase a criança tende a se autoexplorar de maneira exagerada, pode ser que esteja exteriorizando: 

  • Problemas emocionais.
  • Transtornos de ansiedade e de angústia.
  • Brigas domésticas ou crises de casal entre seus pais.
  • Situações de violência na família.