Guia para praticar a cama compartilhada de forma segura

· 26 de fevereiro de 2019
Você costuma dormir compartilhando a cama com o seu bebê? Se este for o caso, as seguintes recomendações dos especialistas vão ser muito úteis para evitar possíveis riscos.

Muitos pais decidem colocar este método em prática e dormir com os seus bebês. No entanto, é aconselhável saber quais são as especificações que os especialistas recomendam levar em consideração para praticar a cama compartilhada de forma segura, sem qualquer risco para a saúde.

Há uma controvérsia constante em relação a ser saudável praticar a cama compartilhada ou não. Por um lado, afirma-se que isso reforça o vínculo afetivo e que é uma boa maneira de favorecer a amamentação.

Por outro, fala-se que isso poderia estar relacionado com a síndrome da morte súbita infantil (SIDS). Por isso, os especialistas decidiram se sentar e conversar sobre o assunto, independentemente de opinar se esta é uma prática recomendável ou não.

Por uma cama compartilhada segura

O Comitê de Aleitamento Materno da Associação Espanhola de Pediatria (AEP) e o Grupo de Trabalho de Morte Súbita Infantil da AEP nos dão uma série de diretrizes a serem levadas em consideração para praticar a cama compartilhada de forma segura. A seguir, as explicamos para você:

  • A superfície em que o bebê descansa deve ser firme.
  • Não deve haver travesseiros, cobertores ou bichos de pelúcia ao seu redor, a fim de evitar uma possível asfixia.
  • A posição em que você deve colocar o bebê é de barriga para cima, nunca de bruços ou de lado.
  • Nunca coloque o bebê sobre um travesseiro ou em uma cama de água.
  • Verifique se o colchão está preso à parede e que não exista nenhum espaço no qual o bebê possa ficar preso ou sufocado. O mesmo vale se você optar por um berço acoplado.
  • Vocês nunca devem dormir em um sofá, já que há muitos espaços nos quais os bebês poderiam ficar presos.
  • Não durma com o bebê no colo, pois ele poderia cair.
  • Não coloque nada cobrindo a cabeças do bebê, pois isso dificulta sua respiração.
  • Tome cuidado com a temperatura do quarto para que não fique muito quente e evite, da mesma forma, agasalhar demais o bebê.
Por uma cama compartilhada segura

  • Durante as primeiras semanas, recomenda-se que o bebê durma em um berço acoplado ou entre a parede e a mãe.
    • O pai leva mais tempo para se acostumar à sua presença e pode esmagá-lo com algum movimento repentino. Depois de algum tempo, ele fica mais sensibilizado e então o bebê pode dormir entre os pais.
  • Fumar durante e após a gravidez aumenta o risco de morte súbita. Nesse caso, isso não envolve apenas a mãe. Se algum dos pais fumar, não é recomendável praticar a cama compartilhada. Você também pode optar por mandar o fumante para outro quarto.
  • Da mesma forma, o uso de drogas, álcool ou pílulas para dormir é totalmente contraindicado, uma vez que reduz nossas capacidades.
  • Não se recomenda a prática da cama compartilhada com pessoas obesas, pois elas não percebem da mesma forma a situação física do bebê e podem causar um afundamento no colchão, sendo perigoso para a criança.
  • Não é aconselhável compartilhar a cama com irmãos menores de um ano de idade, pois eles ainda não estão cientes de seus movimentos nem da presença do bebê..

Formas de praticar a cama compartilhada

Quando falamos em cama compartilhada, a primeira coisa que vem à mente é uma cama grande como todo mundo dormindo nela. Embora seja verdade que esta é a maneira mais comum de fazer isso, também existem outras alternativas.

O mercado oferece berços acoplados, por exemplo. Neles, as grades laterais são removidas e são acopladas a um dos lados da cama. Dessa forma, oferecem um pouco de espaço extra e mantêm o bebê próximo, mas em um lugar exclusivo para ele.

Formas de praticar a cama compartilhada

A superfície em que o bebê descansa deve ser firme. Além disso, não deve haver travesseiros, cobertores ou bichos de pelúcia ao seu redor, a fim de evitar uma possível asfixia.

Inclusive, há quem aponte que a cama compartilhada se refere a dormir juntos e que, nesse sentido, um berço normal colocado ao lado da cama também é apropriado. Quando os bebês crescerem, eles podem ocupar uma cama extra ou até mesmo um colchão ao lado de seus pais.

O segredo é chegar a um consenso familiar. Ou seja, fazer com que todos se sintam confortáveis e facilitar o descanso e a segurança do bebê.

Os primeiros meses podem ser difíceis, ainda mais para a mãe. Por isso, se você decidir dormir com o seu bebê, simplesmente tenha em mente essas considerações para praticar a cama compartilhada de forma segura.

  • McKenna, J. J., & McDade, T. (2005). Why babies should never sleep alone: A review of the co-sleeping controversy in relation to SIDS, bedsharing and breast feeding. Paediatric Respiratory Reviews. https://doi.org/10.1016/j.prrv.2005.03.006