O que é a pré-adolescência?

Na pré-adolescência, o corpo, a mente e as emoções dos jovens se transformam. Vamos contar o que você deve esperar para acompanhar melhor essa fase da vida do seu filho.
O que é a pré-adolescência?

Última atualização: 08 Outubro, 2021

A adolescência é um dos momentos mais temidos pelos pais, que, com base em preconceitos e generalizações que cercam essa fase, criam expectativas desanimadoras para os filhos.

No entanto, durante essa transição entre a infância e a idade adulta existem várias etapas diferentes, que devem ser bem conhecidas para acompanhar os jovens da melhor forma possível. Hoje queremos falar sobre a primeira delas: a pré-adolescência.

Todos sabemos que a adolescência envolve grandes mudanças e que um jovem de 12 anos é muito diferente de outro de 18, mas é possível que não saibamos definir com clareza quais tipos de transformações ocorrem em cada momento.

Se você tem um filho prestes a entrar na puberdade, essas informações vão ajudar você a saber o que esperar nos próximos anos. Não perca!

O que é a pré-adolescência?

A pré-adolescência é o período entre 10 e 13 anos. No entanto, deve-se destacar que essas idades são aproximadas, pois cada jovem vive o processo de amadurecimento em seu próprio ritmo.

Nesse sentido, em alguns casos esse estágio pode começar aos oito anos, e as mudanças nas meninas costumam ocorrer cerca de dois anos antes das dos meninos.

preocupação pai mãe adolescência filho puberdade

A pré-adolescência é um período de transição entre a infância e a adolescência, durante o qual ocorrem mudanças perceptíveis em grande velocidade, deixando pouco tempo para a assimilação.

Por esse motivo, pais e filhos podem se assustar com os acontecimentos. Então, é fundamental estar preparado para vivenciar o processo da forma mais natural e agradável possível.

Principais mudanças na pré-adolescência

As transformações que ocorrem nessa fase impactam vários aspectos da vida dos jovens. Eles são controlados pelos hormônios, que afetam o desenvolvimento físico, emocional e psicológico.

A seguir, mostramos as principais manifestações da pré-adolescência.

Mudanças físicas

O corpo e a aparência física dos adolescentes passam por muitas modificações durante esses anos.

Os hormônios do crescimento e os sexuais ( andrógenos no caso dos meninos ou estrógenos e progesterona nas meninas) são os principais responsáveis por esse processo.

Uma das alterações mais perceptíveis é o estirão da puberdade, que ocorre como consequência do rápido crescimento dos ossos.

Também ocorrem alterações nos pelos do corpo (principalmente nas axilas e no púbis), na sudorese e na pele, que fica mais oleosa.

Além disso, começam a se desenvolver características sexuais secundárias, que são as características típicas que distinguem o gênero masculino e feminino em sua aparência madura.

Mudanças cognitivas

Anteriormente, pensava-se que durante a adolescência o cérebro já estava totalmente formado e maduro. No entanto, descobriu-se que algumas regiões, como o córtex pré-frontal, sofrem um desenvolvimento significativo durante a puberdade.

Dessa forma, o cérebro dos pré-adolescentes cria um grande número de conexões neurais nessa fase.

Como o córtex pré-frontal é a área responsável pelo planejamento, o raciocínio e o autocontrole, é normal que um pouco de impulsividade e falta de crítica se manifestem nessa fase.

Além disso, os pré-adolescentes ainda não desenvolveram totalmente a capacidade de abstração e continuam a pensar em termos concretos e dicotômicos (tudo é preto ou branco).

Mudanças sociais e emocionais

Todos os itens acima também estão associados a uma maior labilidade emocional e a uma tendência de experimentar mudanças marcantes no humor.

Cada situação é vivida com grande intensidade e o grupo de colegas constitui um refúgio e o espelho no qual começam a se inspirar.

Atitudes desafiadoras e rebeldes podem vir à tona, conforme o pré-adolescente busca estabelecer sua identidade. No entanto, os pais continuam sendo figuras essenciais para o seu desenvolvimento.

Como acompanhar seus filhos na pré-adolescência?

Alguns jovens podem viver essas mudanças com entusiasmo e expectativa, mas outros com ansiedade e medo. Em todo caso, como mãe, seu acompanhamento será fundamental para ajudar seu filho a passar por esse processo.

Por esse motivo, tenha em mente o seguinte:

  • Converse com seu filho sobre as mudanças pelas quais ele está passando e as que estão por vir: isso o ajudará a se preparar e a reduzir a incerteza e a confusão.
  • Mostre-se aberta a responder perguntas, assim como a dar conselhos e orientações: por exemplo, em temas como as relações sociais, a sexualidade ou o desempenho acadêmico. Apesar de estar entrando na adolescência, seu filho ainda precisa da sua orientação.
  • Seja compreensiva com as mudanças emocionais e de atitude: lembre-se de que a adolescência não é uma época fácil e que todas essas mudanças são normais.

Em suma, a pré-adolescência é um dos períodos mais importantes da vida do seu filho, devido ao grande número de mudanças que ocorrem.

Enfrente essa fase com calma e paciência para acompanhá-lo da melhor maneira possível e curtir o seu crescimento. Se vocês tiverem uma boa base, esse estágio pode ser muito bonito para todos.

Pode interessar a você...
Pular o café da manhã durante a adolescência: é arriscado?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Pular o café da manhã durante a adolescência: é arriscado?

Quais são os efeitos para a saúde de pular o café da manhã durante a adolescência? A seguir, vamos contar tudo o que você precisa saber.



  • Picó, A. M. (1991). Factores que controlan el aumento de crecimiento durante el estirón puberal (Doctoral dissertation, Universitat d’Alacant-Universidad de Alicante).
  • Triskier, F. J. (2006). Algunas especulaciones respecto a las modificaciones neurobiológicas durante la adolescencia. VERTEX, Revista Argentina de Psiquiatría, 17(70), 424.
  • Águila Calero, G., Díaz Quiñones, J., & Díaz Martínez, P. (2017). Adolescencia temprana y parentalidad. Fundamentos teóricos y metodológicos acerca de esta etapa y su manejo. MediSur, 15(5), 694-700.