Quais são os maiores temores de uma mãe?

· 14 de dezembro de 2018
Queremos cuidar dos nossos filhos pelo maior tempo possível. Por isso estamos atentas a cada um dos seus movimentos.

Como mães, sempre queremos o melhor para nossos filhos. Nossos cuidados são para muitas pessoas excessivos, mas só nós sabemos realmente quais são os maiores temores de uma mãe.

Quais são os maiores temores de uma mãe?

  1. Quando o bebê dorme pela primeira vez sozinho. Quando nosso filho dorme pela primeira vez no próprio quarto, temos medo de que algo possa ocorrer. Mesmo que ele esteja a apenas 15 passos de distância.
  2. Que alguém lhe cause mal. Que ele possa conhecer uma pessoa que lhe machuque ou abuse dele. Por isso, tentamos ensinar como identificar quem pode ter boas ou más intenções.
  3. Que possa desenvolver alguma doença grave ou terminal. Sempre temos medo que um dia ele possa adoecer e sofrer.
  4. Que possam afastá-lo de nós. Pensar que alguém possa vir a separar o nosso filho de nós também é um grande medo.
  5. Algum desastre natural que possa nos separar. Quando vemos terremotos ou tsunamis em alguns países, não podemos evitar de pensar nas mães que foram separadas dos filhos.
  6. Que algo possa acontecer conosco e que ele fique só. Quem poderia cuidar melhor dele do que os próprios pais? A hipótese de algo acontecer conosco e que ele acabe ficando só é um temor recorrente.
  7. Que não tenha amor próprio. Que por algum motivo não ame a si mesmo.
  8. Que não consiga ser independente. Esse também é um medo muito grande e que podemos ter certa culpa por criá-lo de uma maneira muito dependente de nós.
  9. Que não consiga realizar os seus sonhos. Queremos apoiar e estar ao seu lado para que cumpra todas as suas metas, e ficamos com medo que possa se decepcionar.
  10. E o mais importante: se ele será feliz. Sua felicidade é algo que realmente nos angustia, um dos nossos maiores medos. Queremos que ele seja feliz acima de todas as outras coisas. 
temores de uma mãe

Nosso cuidado sempre é influenciado pelos nossos medos. Medos que apenas as mães podem entender perfeitamente. Mas quando podemos saber se nos excedemos?

Existe uma síndrome chamada de “síndrome de Wendy” que consiste numa superproteção excessiva da mãe e isso pode gerar problemas para a criança.

“Uma das melhores coisas que pode acontecer é ter uma infância feliz”

– Agatha Christie –

O que é a síndrome de Wendy?

Você se lembra da história de “Peter Pan”? Wendy sempre velava e protegia Peter de qualquer coisa que pudesse acontecer com ele. É nisso que consiste essa síndrome. A superproteção é tão grande que às vezes a mãe, que representa a Wendy, se esquece dela mesma.

Isto não significa que essa síndrome seja ruim. Mas pode ser prejudicial para o futuro dos nossos filhos.

Os psicólogos afirmam que as pessoas que sofreram certo abandono por parte dos pais e carência afetiva quando eram pequenos, podem chegar a sofrer dessa síndrome porque querem dar aos filhos tudo o que faltou para elas.

Sintomas da síndrome de Wendy

  1. Sempre tentam fazer todas as tarefas do lar. Não querem por nada desse mundo que os filhos lavem pratos, limpem ou façam a comida…
  2. Não querem que os filhos tenham obstáculos. Tentam fazer todas as suas responsabilidades. Por exemplo, organizam os livros que devem levar para a escola, deixam que ganhem nas brincadeiras…
  3. São pais controladores e dominantes. Sempre esperam que os filhos sejam obedientes.
  4. Sempre querem agradas os outros. Inclusive, renunciam às próprias necessidades.
  5. Sempre se sacrificam pelos filhos. São capazes de fazer qualquer coisa por eles.
  6. Fogem das situações de conflito. Não gostam dos problemas, sempre tentam evitá-los.
  7. Cuidam excessivamente dos filhos. Sempre buscam cuidar deles e protegê-los de qualquer coisa.

Você pode ser uma mãe protetora sem chegar a ser uma mãe “Wendy”. Como mães, sabemos quais são os nossos maiores medos.

Mas é importante que nossos filhos tenham responsabilidades, cometam seus próprios tropeços e aprendam com seus erros.

temores de uma mãe

Muitas vezes queremos protegê-los muito. Mas nem sempre podemos estar com eles. Por isso, eles também devem aprender a se defender sozinhos e resolver seus problemas.

No futuro, serão independentes e poderão sofrer muitos inconvenientes se não se prepararem desde pequenos.