Quarto trimestre de gravidez: por que é tão importante?

Os primeiros meses de vida do bebê devem ser encarados como uma continuação da gestação. É isso o que afirma a teoria do quarto trimestre de gravidez.
Quarto trimestre de gravidez: por que é tão importante?

Última atualização: 05 Fevereiro, 2021

Todos nós sabemos que a gravidez humana se divide em três trimestres, durante os quais o bebê cresce e se desenvolve dentro do útero da mãe. Mas e se a gravidez não terminasse no momento do parto? E se os primeiros meses de vida do bebê fossem tão relevantes para a sua formação quanto a fase intrauterina? É isso o que a teoria do quarto trimestre de gravidez propõe.

Quando uma criança vem ao mundo, pensamos que ela está pronta para enfrentar a vida que a espera. Como resultado, muitos pais e mães podem ficar frustrados diante do choro, do desconforto e das complicações vivenciadas pelos seus bebês.

Eles podem se perguntar incansavelmente o que estão fazendo de errado ou o que está acontecendo com o pequeno. No entanto, se pararmos para pensar na transição abrupta pela qual a criança está passando, será mais fácil ter empatia por ela e manter a calma.

Quarto trimestre de gravidez

O que é o quarto trimestre de gravidez?

O quarto trimestre de gravidez é um conceito proposto e desenvolvido pelo pediatra americano Harvey Karp. Essa teoria surge a partir da noção de que o bebê humano chega ao mundo imaturo, capaz de sobreviver, mas sem poder sobreviver por conta própria. Portanto, ele precisará de vários meses de exterogestação (gestação fora do útero) para terminar de desenvolver as suas capacidades.

Para entender essa ideia, é muito útil observar processos semelhantes que ocorrem na natureza. A maioria dos mamíferos consegue ficar em pé e até mesmo se mover e correr logo após o nascimento.

Ao contrário, o ser humano depende inteiramente dos adultos até bem mais adiante. Assim, a teoria do quarto trimestre postula que mesmo os bebês nascidos a termo são prematuros em muitos aspectos.

O feto precisaria permanecer no útero durante mais tempo para se desenvolver completamente em termos neurológicos. No entanto, isso significaria que, na hora do parto, a sua cabeça seria muito maior, o que dificultaria bastante seu nascimento. Assim, os primeiros meses de vida do bebê devem ser considerados uma extensão da fase gestacional.

Uma transição brusca

Durante os meses do quarto trimestre de gravidez, é comum a criança apresentar sintomas como ansiedade, cólicas ou distúrbios do sono.

Mas, longe de ser um sinal de doença ou de algum problema, isso é completamente normal. Devemos ter em mente que o ambiente em que o bebê se encontra agora é muito diferente do ambiente que o cercava dentro do útero:

  • No útero, a temperatura se mantinha estável em cerca de 37 °C. Agora, ele enfrenta mudanças de temperatura, às vezes extremas.
  • Na barriga, a estimulação era mínima. Não havia odores, luzes fortes ou ruídos altos. Agora, o bebê está em um ambiente cheio de estímulos desconhecidos e avassaladores para os seus sentidos.
  • Durante a gravidez você era a casa, a comida e a companhia do seu pequeno. Por esse motivo, durante esses meses, o bebê nunca sentiu fome, sede ou desconforto físico. Ao nascer, todas essas sensações novas e desagradáveis ​​começam a aparecer e ele não sabe como lidar com elas.
  • Mas, acima de tudo, desde o início, o bebê manteve um contato contínuo e permanente com você. Desde que chegou ao mundo, ele precisa enfrentar a solidão, a separação e o medo, assim como a dor que isso acarreta. Você não está mais sempre ao seu lado, ele não sente você e sente a sua falta.
Quarto trimestre de gravidez

Como lidar com o quarto trimestre de gravidez?

Por tudo isso, é recomendável que os primeiros meses de vida do bebê sejam encarados como uma continuação da gravidez. Ou seja, o objetivo nesse momento não será tentar fazer com que o pequeno se adapte ao mundo, mas sim tentar fazer com que ele encontre condições semelhantes às vividas no útero.

Por isso, é importante garantir o contato pele a pele frequente, alimentar o bebê de acordo com sua demanda e tentar evitar a estimulação excessiva. Segurá-lo no colo o máximo de tempo possível, cantar para ele, embalá-lo e niná-lo com sons ritmados vai proporcionar, em parte, o conforto e a segurança que ele perdeu ao nascer.

Em resumo, o bebê não está mais dentro da sua barriga, mas precisa de você como se ainda estivesse. Não tenha medo de mimá-lo demais. Quanto mais você facilitar essa transição, melhor será o desenvolvimento psicológico e emocional do seu pequeno.

Pode interessar a você...
Ansiedade materna durante os primeiros meses de vida do bebê
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
Ansiedade materna durante os primeiros meses de vida do bebê

A transição para a maternidade é um desafio que, às vezes, pode causar ansiedade em muitas mulheres. Descubra o que fazer se você sentir ansiedade materna.



  • Karp, H. (2015). The Happiest Baby on the Block; Fully Revised and Updated Second Edition: The New Way to Calm Crying and Help Your Newborn Baby Sleep Longer. Bantam.
  • Karp, H. (2004). The “fourth trimester”. Contemporary Pediatrics21(2), 94-104. https://www.drdefranca.com/the-fourth-trimester-and-colic.html