Sem recompensas ou punições, vamos desenvolver o autocontrole

Pode parecer difícil, pois desenvolver o autocontrole é algo abstrato. No entanto, existem algumas maneiras eficazes de fazer isso no dia a dia.
Sem recompensas ou punições, vamos desenvolver o autocontrole

Última atualização: 07 Junho, 2021

Quando desenvolvemos o autocontrole, as recompensas e punições deixam de fazer sentido. É totalmente possível educar com disciplina, por meio do reconhecimento das emoções pessoais. É comum perdermos a paciência diante das birras das crianças ou sentirmos necessidade de recompensar o progresso dos pequenos. Porém, os especialistas acreditam que ao agir assim corremos um risco maior de cometer erros.

Às vezes, o prêmio é oferecido como medida de controle. Por exemplo, “Se você se acalmar, eu compro um sorvete para você”. Como sabemos, a indisciplina não se negocia e muito menos se recompensa, então provavelmente estamos cometendo um erro nesse caso. Por sua vez, a punição tende a ser injusta e muitas vezes excessiva, por isso pode provocar uma reação mais intensa por parte da criança.

Para evitar que certas situações fiquem fora de controle, as medidas devem ser principalmente preventivas. Uma criança não deve perder a paciência facilmente, mas se for esse o caso, é aconselhável trabalhar o autocontrole desde o início. Hoje, os especialistas criaram várias estratégias que promovem a disciplina por meio do reconhecimento e da reflexão.

Como desenvolver o autocontrole nas crianças?

Às vezes agimos impulsivamente apenas para sair da crise do momento, mas é possível que essa falta de autocontrole esteja sendo transmitida para a criança. Uma das principais medidas para desenvolver o autocontrole em nossos filhos é desenvolver o nosso próprio autocontrole, já que os pequenos seguem o exemplo dos pais em todas as suas facetas.

Como adultos, conhecemos mais ferramentas para conter nossos impulsos e poder agir de acordo com planos ou regras. Isso é algo que as crianças vão aprendendo com o tempo também. No entanto, algumas crianças são mais impulsivas do que outras, por isso precisam desenvolver o autocontrole com mais urgência.

 

A disciplina é alcançada, em grande medida, pela capacidade que todos temos de controlar nossos impulsos. Saber que existem regras e poder cumpri-las é um facto que decorre de uma necessidade constante de nos autocontrolar. Isso também está relacionado às capacidades inatas do ser humano, especialmente determinadas pela inteligência.

Embora possa haver versões conflitantes sobre isso, aos poucos a estratégia de recompensa e punição vai sendo eliminada, mas isso só é alcançado por aqueles que têm um verdadeiro interesse nisso. Não é preciso dizer que é muito mais fácil castigar uma criança do que educar seu comportamento por meio de medidas concretas e constantes, mas, sem perceber, acabamos trabalhando nisso desde os primeiros meses.

Geralmente, as crianças não são informadas sobre as razões de uma proibição, apenas pedimos para que elas não façam uma ou outra coisa. Em grande medida, pedimos a uma criança, com muito pouca experiência, que controle seus impulsos apenas “porque sim”, algo que definitivamente funciona, mas que não é permanente, porque à medida que seu intelecto e raciocínio se desenvolvem, ela logo começará a desafiar as orientações dos seus pais.

Porém, se desenvolvermos o autocontrole a partir das emoções e do respeito, possivelmente o raciocínio da criança acabará dando a ela indicações sobre o caminho que sua atitude deve seguir. As diretrizes para melhorar os resultados, que foram elaboradas por especialistas e para toda a família, podem ser transformadas em ferramentas do dia a dia da seguinte maneira.

  • Estabelecer limites. É muito importante que as crianças sejam ensinadas a cumprir com os limites preestabelecidos. Por isso, é recomendável informar com antecedência o que é permitido e o que não é. Isso nos ajudará a corrigi-las quando necessário, pois ela saberá que sua atitude está errada.

 

Como desenvolver o autocontrole?

  • Estabelecer horários. Obedecer os horários e seguir as rotinas de contribui para melhorar a convivência. Uma vez que as crianças se habituem a fazer as mesmas atividades no horário estabelecido, fica mais fácil manter a disciplina. Também se evita que elas façam birras motivadas por mudanças de planos ou por alguma recusa, porque conhecerão perfeitamente as regras.
  • Dar o exemplo. Para promover o autocontrole, é muito importante dar o melhor exemplo aos nossos filhos. Eles aprendem muito com o comportamento dos pais, por isso é conveniente começar a controlar nossos impulsos em prol da família.
  • Compreender as emoções. Muitas vezes, as birras das crianças indicam que elas estão expressando uma emoção que talvez seja justificada. Por isso, é necessário observar com atenção e tentar compreender seus sentimentos. Proporcionar a elas espaço suficiente para refletir e se acalmar às vezes é melhor do que qualquer intervenção.
  • Aplicar estratégias. Para educar as crianças, existem várias estratégias especialmente elaboradas para elas. Podemos usar histórias com morais relacionadas ao autocontrole e jogos que envolvam esperar para vencer. A brincadeira é um elemento fundamental da educação das crianças, por isso não deve faltar em casa se quisermos que o ensinamento perdure.
Pode interessar a você...
Seu filho tem muito a lhe ensinar. Aprenda com ele!
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
Seu filho tem muito a lhe ensinar. Aprenda com ele!

Seu filho tem muito a lhe ensinar. Como ninguém, ele conhece conceitos, ideias e sentimentos que, com a idade adulta e os rigores da vida, você já esqueceu.



  • Aguirre, E., Montoya, L., & Reyes, J. (2006). Crianza y castigo físico. Diálogos, 4, 31-48. https://www.aacademica.org/eduardo.aguirre/8.pdf
  • Baumrind, D. (1996). The Discipline Controversy Revisited. Family Relations, 45(4), 405- 414.
  • McMahon, R. (1991). Entrenamiento de padres. En V.E. Caballo (ed.), Manual de técnicas de terapia y modificación de conducta, Madrid: Siglo XXI.
  • Tabares, X. (1998). El castigo a través de los ojos de los niños. Bogotá. D.C.: CES-Universidad Nacional de Colombia.