Técnicas para lidar com o estresse acadêmico

29 de abril de 2019
Vivemos em um mundo agitado, em que nossos ritmos de vida são frenéticos e estressantes. As crianças também experimentam esse estresse na escola. Felizmente, existem algumas técnicas para lidar com o estresse acadêmico que podem ajudar os pequenos.

A pressão escolar é um fenômeno que afeta igualmente muitas crianças. É um estado que muitas vezes ocorre devido a uma maneira inadequada de lidar com o estresse durante um longo período de tempo. Isso traz consequências negativas, tanto físicas quanto psicológicas. Para superar essa situação, apresentaremos algumas técnicas para lidar com o estresse acadêmico.

Muitas crianças e adolescentes desenvolvem sintomas de reação às pressões escolares e começam a sofrer várias doenças. Sem dúvida, o ritmo constante ao longo do ano letivo, juntamente com a forte tensão sentida especialmente durante os exames, faz com que alguns pequenos se sintam particularmente ansiosos e estressados.

Certamente, se não receberem ajuda, algumas crianças podem sofrer episódios de depressão e, até mesmo, virem a desenvolver doenças.

Técnicas para lidar com o estresse acadêmico

1. Respiração abdominal

Esse primeiro exercício de respiração é o método mais rápido e eficaz para reduzir os efeitos do estresse e da ansiedade no corpo. Para realizá-lo, você deve ensinar seu filho a inspirar pelo nariz, enchendo a barriga primeiro. Posteriormente, ele deve soltar o ar pela boca e desinflar a barriga.

A respiração abdominal ajuda, entre outras coisas, a diminuir a frequência cardíaca. É aconselhável praticar essa técnica com seu filho na hora de dormir ou em qualquer outro momento que você considere apropriado.

2. Visualização: escada interior

A segunda técnica antiestresse que apresentaremos para você baseia-se nas virtudes relaxantes da respiração e no efeito benéfico da visualização positiva. Na mesma ideia do exercício anterior, a criança pode realizar o trabalho sentada ou em pé. Ela só deve fechar os olhos e respirar profundamente por 1-2 minutos.

Então, imaginar-se descendo uma escada, com degraus de 10 a 1, quando ela entra por uma porta que leva ao mar, com uma atmosfera agradável e pacífica. Isso proporcionará um estado interno de serenidade.

menino estressado

Nessa fase, deve começar a visualização positiva. Uma ferramenta muito útil para combater o estresse em qualquer situação e alcançar um profundo estado de relaxamento.

Peça para a criança se imaginar sentindo os cheiros e ouvindo o som do vento, enquanto a água acaricia sua pele.

Nesse caso, a criança deve respirar no mesmo ritmo que as ondas por 1-2 minutos. Depois de sentir essas emoções positivasela deverá imaginar-se voltando pela porta e subindo as escadas, contando os passos de 1 a 10. Finalmente, ela deverá respirar profundamente e abrir os olhos.

“A melhor arma contra o estresse é a nossa capacidade de escolher um pensamento sobre outro.”
– William James

3. Relaxamento muscular progressivo

Mais uma das técnicas para lidar com o estresse acadêmico é o relaxamento muscular progressivo. É um exercício muito eficaz para relaxar a tensão muscular e aliviar o estresse. 

É também uma adaptação do relaxamento dinâmico que adota este princípio fundamental: tensionar os grupos musculares e depois liberá-los.

Para começar, a criança deve fazer seu rosto e boca adotarem um sorriso forçado. Em seguida, é hora de relaxar os músculos do rosto três vezes seguidas. Depois, ela deve apertar a mandíbula com força e relaxar devagar, abrindo a boca e mantendo a mandíbula relaxada.

Então, ela deverá estender os braços horizontalmente na frente de si para colocar as mãos na cabeça com os braços estendidos. Peça, em seguida, para ela se esticar e deixar os braços caírem ao longo do corpo.

A criança deve imaginar que está pressionando uma laranja na mão direita, antes de jogá-la no chão e, ao mesmo tempo, balançar o braço. Em seguida, deve passar “a laranja” para a mão esquerda depois de realizar esse exercício três vezes com a direita.

Por fim, não esqueça das pernas e dos pés. A criança deve ficar em pé, descalça e agir como se estivesse cavando a areia com os dedos.

menina não quer estudar

4. Terapia do riso

O riso ajuda na produção de endorfinas, os hormônios do bem-estar. É uma das melhores técnicas para lidar com o estresse acadêmico e reduzir as tensões.

Em uma sessão de terapia do riso, diferentes técnicas são colocadas em prática. Você pode aconselhar o seu filho a optar pela técnica de ‘resistir ao riso’. Esse método se resume a pedir à criança que olhe para outra pessoa sem se mover e que mantenha a calma tentando não rir, enquanto a outra pessoa faz todo o possível para ela rir.

Esse exercício de relaxamento permite que você se concentre na outra pessoa ou na própria situação. De todas as técnicas para lidar com o estresse, o riso é provavelmente o mais natural.

Em suma, essas técnicas para lidar com o estresse acadêmico ensinam as crianças a lidar com situações de forma autônoma. Como mãe, é aconselhável que você encontre a fonte do estresse do seu filho para, então, aliviar suas tensões.

  • Alfonso Águila, B., Calcines Castillo, M., Monteagudo de la Guardia, R., & Nieves Achon, Z. (2015). Estrés académico. Edumecentro, 7(2), 163-178. http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2077-28742015000200013
  • Barraza, A., & Silerio, J. (2007). El estrés académico en alumnos de educación media superior: un estudio comparativo, Revista Investigación Educativa, 23 (7): 48-65.
  • Barraza Macías, A., & Rodríguez, O. (2010). “Estrés de examen, variables moduladoras y reprobación escolar”, Revista Internacional de Psicología, 11 (2): 1-18.
  • Calleo, J., and Stanley, M. (2008). “Anxiety Disorders in Later Life: Differentiated Diagnosis and Treatment Strategies”, Psychiatric Times, 26 (8): 45-51.
  • Del Barrio, V. B. (2003). “Estrés y salud”, en Q., J. Ortigosa, S. M. Quiles y C. F. Méndez (eds.), Manual de Psicología de la Salud con Niños, Adolescentes y Familia, Madrid: Pirámide, 47-69.
  • Díaz Martín, Y. (2010). Estrés académico y afrontamiento en estudiantes de Medicina. Humanidades Médicas, 10(1), 0-0. http://scielo.sld.cu/scielo.php?pid=S1727-81202010000100007&script=sci_arttext&tlng=en
  • González, M. L. G., & Hernández, P. M. (2009). Estrés y adolescencia: estrategias de afrontamiento y autorregulación en el contexto escolar. Studium: Revista de humanidades, (15), 327-344.
  • Orlandini A. (1999). El estrés, qué es y cómo evitarlo. México: FCE.