Torção do cordão umbilical durante a gravidez e o parto

· 11 de março de 2019
Muitas mulheres temem a torção do cordão umbilical porque isso é considerado uma complicação durante o parto. Se informar sobre esse assunto é essencial para esclarecer dúvidas e não ficar com muito medo.

Uma das maiores preocupações dos pais e dos médicos é a torção do cordão umbilical que pode ocorrer durante a gravidez e o parto. Para perder seus medos, você precisa se informar.

O que é a torção do cordão umbilical?

A torção do cordão umbilical no feto é considerada uma complicação muito séria durante a gravidez. Associa-se ao sofrimento fetal e a complicações durante o parto.

55 centímetros de cordão umbilical

Antes de responder à questão de saber se é algo perigoso ou não, é necessário conhecer um pouco mais sobre o cordão umbilical. Ele tem um comprimento de cerca de 55 centímetros e, portanto, é “normal” ficar enrolado em qualquer parte do corpo do bebê: braços, pernas, tronco e pescoço.

bebê no útero

É claro que a gravidade da situação dependerá de onde o cordão ficou emaranhado e quantas voltas ele deu no mesmo lugar. Em muitas ocasiões, com um simples gesto ou movimento do bebê, o cordão se desenrola.

Para que a torção do cordão umbilical ocorra, deve haver vários outros fatores, como que seja mais longo que o habitual ou haver na placenta mais líquido amniótico e, portanto, mais espaço livre para a medula se mover.

Embora possa parecer extraordinário e fora do comum, até 40% das gestações apresentam torção do cordão umbilical em algum momento, principalmente durante o parto. A detecção é feita através de ultrassom; embora também haja casos em que não é visto até o nascimento.

A torção do cordão umbilical é perigosa?

Na maioria dos casos, não causa problemas no feto. Se ele for nascer por via vaginal: o médico coloca um dedo entre o pescoço e o cordão para evitar pressão e possível sufocamento. Outra opção é prender o cordão e cortá-lo antes que o bebê saia completamente.

A torção do cordão umbilical muitas vezes é associada com a alteração do ritmo cardíaco do bebê, mas isso não ocorre em todos os casos. A aceleração do batimento do coração pode ocorrer, por exemplo, devido ao uso de certos medicamentos para acelerar o parto que o bebê não tolera bem.

É verdade que há casos de fetos que têm um cordão bem apertado, e tal pressão nas artérias carótidas causa bradicardia. Nessa situação, o médico deve analisar o sofrimento fetal e decidir como continuar: se deve realizar uma cesariana de emergência ou se espera que o movimento da criança retire a pressão ou reduza as voltas do cordão.

O prolapso do cordão

Por outro lado, devemos falar sobre o chamado prolapso do cordãoQuando isso acontece, o cordão sai antes do feto, pois ele nascerá de nádegas, ou ainda a bolsa estoura quando o bebê ainda está muito alto. 

Essa complicação é a mais séria de todas, mas não tem nada a ver com as voltas do cordão, e sim com outros problemas que interrompem a circulação sanguínea da criança.

Complicações no parto: o que saber

Embora a maioria dos nascimentos se desenvolva sem problemas – especialmente quando a mãe realizou todos os exames durante a gravidez – certas complicações também podem aparecer. Os giros de cordão são apenas um deles. Outros são:

1. Nenhum progresso do parto

O trabalho de parto é alterado pela redução das contrações ou da dilatação do colo do útero. Isso geralmente acontece quando há uma desproporção entre a pélvis da mãe e o tamanho da cabeça do bebê.

2. Sofrimento fetal

Alterações na frequência cardíaca do feto podem alertar sobre uma complicação, pois ele não está recebendo o oxigênio necessário. Assim, opta-se por uma cesariana antes que a situação se agrave e o bebê aspire mecônio, o que causará problemas pulmonares.

 feto

3. Distocia de ombro

É muito raro e acontece quando o bebê fica preso contra o osso da pélvis da mãe. O médico realiza uma manobra que desobstrui o ombro e permite o nascimento.

4. Descolamento placentário

Essa complicação grave acontece quando a placenta se separa do útero antes do parto. Pode causar hemorragia interna na mãe e interrupção do suprimento de sangue e oxigênio no bebê.

A torção do cordão umbilical pode parecer um pouco traumática para os bebês. Entretanto, é bastante comum e, na maioria dos casos, não traz consequências para sua saúde.

  • OMS. (1996). Cuidados En El Parto Normal: Una Guía Práctica. Departamento de Investigacion y Salud Reproductiva. https://doi.org/10.1109/TETC.2015.2389662