Tudo o que você precisa saber sobre o líquido amniótico

27 de fevereiro de 2020
O líquido amniótico tem uma função muito importante para o desenvolvimento e o bem-estar do feto durante a gravidez. Além de ser um meio de proteção contra impactos, ele também atua como um reservatório de nutrientes e permite o desenvolvimento dos sistemas musculoesquelético, gastrointestinal e pulmonar do feto.

O líquido amniótico é o líquido que envolve o feto durante o período de gestação, dentro do útero materno. Ele desempenha um papel muito importante no crescimento e desenvolvimento do feto.

Composição do líquido amniótico

O líquido amniótico muda de composição conforme a gestação avança. Além disso, o seu volume aumenta à medida que ela progride, geralmente até a 32ª semana. A partir da 40ª semana, no entanto, ele começa a diminuir.

Inicialmente, ele é o resultado de gradientes osmóticos. Ou seja, no início ele é formado pelo plasma do sangue materno e por substâncias provenientes da placenta, da membrana uterina e da superfície corporal do embrião.

Então, uma vez que o feto tenha desenvolvido a micção e a deglutição, ele passa a ser formado principalmente por:

  • Urina fetal.
  • Líquido proveniente dos pulmões.
  • Secreções orais e nasais.
Tudo o que você precisa saber sobre o líquido amniótico

O feto ingere parte desse líquido pela boca continuamente e, ao mesmo tempo, o elimina através da urina. Isso proporciona uma regulação da quantidade presente no saco amniótico, conferindo, assim, o equilíbrio necessário.

Funções

Algumas das funções mais importantes do líquido amniótico são:

  • Função de proteção contra traumas ou choques externos.
  • Efeito amortecedor para o feto e o cordão umbilical dentro do útero da mãe.
  • Proteção e defesa contra infecções.
  • Depósito de alimentos e fatores de crescimento para o feto durante a gravidez.
  • Ajuda a manter a temperatura do feto constante.
  • Contribui para a maturação dos pulmões, graças à presença de várias enzimas.
  • Permite o desenvolvimento dos sistemas musculoesquelético, gastrointestinal e pulmonar do feto.

Patologias relacionadas ao líquido amniótico

Alterações na quantidade de líquido

Durante a gravidez, podem ocorrer variações na quantidade de líquido amniótico, tanto por excesso quanto por falta dele, por vários motivos. Ambos os casos são patológicos:

  • Oligohidrâmnio: pouca quantidade de líquido. Está associado a complicações como as seguintes: 
    • Indução precoce do trabalho de parto.
    • Fetos de peso reduzido.
    • Bradicardia fetal durante o parto.
    • Pode causar morte fetal.
  • Polidrâmnio: quantidade excessiva de líquido. Está associado a complicações principalmente maternas, tais como: 
    • Diabetes gestacional.
    • Hipertensão durante a gravidez.

Essas alterações geralmente são detectadas por meio da medição do volume de líquido amniótico no ultrassom. Essa medição é realizada por meio do Índice de Líquido Amniótico ou ILA. Para obter esses dados, o útero é dividido em quatro quadrantes e as áreas livres do feto e do cordão umbilical são medidas em centímetros verticais. Um ILA é considerado normal quando está entre 8 e 21 cm.   

Embolia por líquido amniótico

Outra patologia relacionada é a embolia por líquido amniótico. Basicamente, consiste na entrada de substâncias estranhas na circulação sanguínea da mãe, tais como o mecônio fetal. É uma condição muito séria que pode causar hipóxia sistêmica, além de alterações na coagulação. 

Tudo o que você precisa saber sobre o líquido amniótico

Líquido amniótico meconial

Por fim, destacamos outro aspecto a ser considerado. A presença de mecônio no saco amniótico é chamada de líquido amniótico meconial. O mecônio é a secreção intestinal do feto, ou seja, o seu primeiro cocô. Geralmente, essa evacuação ocorre após o nascimento.

Às vezes, no entanto, principalmente no caso dos bebês que ficam dentro da mãe por mais tempo, isso pode ocorrer antes de o bebê nascer. Nesse caso, estamos falando de um líquido ou água com coloração.

Geralmente, quando a bolsa da mãe estoura, o líquido que sai é transparente ou amarelado. Se, pelo contrário, ele for opaco, esverdeado e espesso, isso indica a presença de mecônio. Nesse caso, é conveniente que um especialista avalie a situação, pois esse pode ser um indicador de sofrimento fetal.

Conclusão

O líquido amniótico tem uma função muito importante para o desenvolvimento e o bem-estar do feto durante a gravidez. Além de ser um meio de proteção contra impactos, ele também atua como um reservatório de nutrientes e permite o desenvolvimento dos sistemas musculoesquelético, gastrointestinal e pulmonar do feto. Qualquer alteração pode, portanto, causar danos significativos.

Além disso, o exame e a análise pré-natal desse líquido são de grande ajuda para a detecção de defeitos congênitos, como as cromossomopatias. Isso é feito por meio da amniocentese. No entanto, essa técnica também está associada a grandes riscos que sempre devem ser avaliados antes de expor uma paciente a eles.

  • Morgan-Ortiz, F., Morgan-Ruiz, F. V., Quevedo-Castro, E., Gutierrez-Jimenez, G., & Báez-Barraza, J. (2015). Anatomía y fisiología de la placenta y líquido amniótico. Rev Med UAS5(4).
  • Cerviño, N., & Pagés, G. (2004). Patología del líquido amniótico. Rev Chil Obstet Ginecol69(6), 276-482.
  • Blair, J. E. S., & Calle, A. M. C. (2007). Alteraciones del líquido amniótico, enfoque diagnóstico y terapéutico. Memorias Curso de Actualización en Ginecología y Obstetricia15, 57.
  • Reyes, E. R., González, G. K. S., Hidalgo, A. O., Peña, Y. R., & Regueiro, A. F. (2015). Resultados de seis años de estudios citogenéticos en líquido amniótico. Revista Electrónica Dr. Zoilo E. Marinello Vidaurreta40(11).