Tudo sobre os pólipos uterinos

· 7 de maio de 2018
Você já ouviu falar de pólipos no útero? Acredite ou não, são mais frequentes do que você pensa. Eles têm uma incidência muito maior em mulheres a partir dos 35-40 anos. Se você quiser saber mais sobre os pólipos uterino, continue lendo.

Embora a palavra tumor possa assustar inicialmente, os pólipos uterinos representam um grupo de tumores que, em sua maioria, são benignos e assintomáticos.

Os pólipos uterinos ou pólipos endometriais são crescimentos anormais do revestimento do útero, o endométrio. Eles podem ter tamanhos diferentes, embora geralmente sejam pequenos.

Na maioria dos casos, não causam problemas de fertilidade, embora em uma pequena porcentagem possam dificultar a chegada de espermatozoides ao óvulo. Como geralmente são assintomáticos, ou seja, não há nenhum sinal que indique que eles estão lá, é aconselhável que você faça os exames de rotina necessários.

Diagnóstico de pólipos uterinos

Os pólipos uterinos podem ser encontrados através da realização de ultrassonografias transvaginais, histerossonografias ou histeroscopias.

  • Os ultrassons transvaginais são exames de imagem em que se realiza uma varredura, introduzindo um transdutor através da vagina, útero, ovários e trompas.
  • As histerossonografias são um tipo de ultrassom baseado na observação do endométrio. Para isso, se utiliza soro fisiológico, que ajuda a distender a cavidade uterina. São mais precisos no diagnóstico do que os ultrassons transvaginais.
  • As histeroscopias são os testes mais completos, uma vez que não só um diagnóstico válido pode ser obtido, mas também se pode remover o tumor, caso esse seja pequeno e fácil de extrair. Para histeroscopias se utiliza uma câmera microscópica que é introduzida através da vagina e com a qual se obtém uma imagem clara do pólipo ou dos pólipos no útero. Assim, se pode extrair um pequeno pedaço para realizar uma biópsia ou fazer uma remoção completa.

O que causa os pólipos uterinos?

A causa específica dos pólipos uterinos ainda é desconhecida. Mas se sabe que certos fatores estão intimamente relacionados com o aparecimento desses tumores. Esses fatores são:

  • Aumento dos níveis de estrogênio.
  • Tamoxifeno. É um medicamento cuja eficácia tem sido comprovada contra o câncer de mama.
  • Idade. A partir dos 40 anos há um índice maior de casos de pólipos uterinos.
  • Obesidade. A obesidade está associada a múltiplas complicações, entre elas o aparecimento de pólipos.
  • Hipertensão arterial.
  • Tratamentos hormonais em mulheres na menopausa.
  • Outras doenças. A síndrome de Lynch ou a síndrome de Cowden – entre outras – estão relacionadas ao crescimento de tumores no útero.

Os pólipos uterinos podem ser a causa de abortos recorrentes porque impedem a implantação correta do embrião

Sintomas dos pólipos uterinos

Geralmente são assintomáticos, por isso é importante realizar exames periódicos para descartar sua ocorrência.

Mesmo assim, existem pólipos que se apresentam com sintomas. O mais comum é o sangramento uterino anormal. Se entende por sangramento uterino anormal aquele que se apresenta como:

  • Menorragia ou períodos menstruais com sangramento muito abundante.
  • Metrorragia ou sangramento não relacionado à menstruação. Esse geralmente é pouco abundante.
  • Sangramento depois de ter relações sexuais.

Este sangramento anormal pode produzir anemia, o que pode ser verificado através de um exame de sangue. Se você apresenta uma das situações de sangramento anormal, não hesite em consultar imediatamente seu ginecologista.

Tratamento dos pólipos uterinos

Sempre deve ser levado em consideração que cada caso deve ser tratado especificamente. Mas, em geral, pode-se dizer que o tratamento dos pólipos acontece pela retirada dos mesmos.

Dentro do grupo de mulheres pós-menopáusicas, recomenda-se sempre remover os pólipos. Para o caso das mulheres pré-menopáusicas, a extirpação é recomendada se os pólipos produzirem sintomas, se forem grandes ou estiverem localizadas no colo do útero. As mulheres pré-menopáusicas que não apresentarem sintomas e cujos pólipos não forem múltiplos devem seguir as indicações e recomendações médicas, que serão adaptadas ao seu caso particular.