Um bebê deixa seus dias mais curtos, mas seu amor mais forte

24 Setembro, 2018
A chegada de um bebê faz nossa vida dar um giro de 180º. Mudam as rotinas, os horários, as horas de sono, as olheiras embaixo dos nossos olhos. Mas, perante a tudo isso, nosso coração cresce.

A chegada de um bebê às nossas vidas deixa nossos dias mais curtos e nossas noites mais longas, mas nosso amor fica ainda mais forte. O bebê se transforma na nossa bússola emocional, na nossa inspiração e no nosso motor de cada dia.

Apesar de não faltarem os típicos comentários de que a maternidade representa um alto custo, devemos ser conscientes de que ser pais não é fácil para ninguém.

As crianças não chegam ao mundo com um manual de instruções porque não são máquinas. Elas são feitas de carne, emoções e múltiplas necessidades que iremos entendendo dia a dia…

E esse aprendizado, essa aventura, sem dúvida, será a melhor das nossas vidas. Os bons pais e as boas mães são feitos de um material especial: amor inoxidável, paciência infinita e carinho à prova de fogo.

Hoje, em Sou Mamãe , queremos falar sobre todas essas mudanças que acontecem de forma inesperada na nossa vida. Mudanças que dia a dia nos moldam por dentro. É como se um pequeno escultor nos convidasse a sermos pessoas melhores, a amadurecer, a sermos incrivelmente fortes.

Minhas noites são mais longas e meus dias mais curtos, mas sou mais feliz

dias mais curtos

É assim mesmo. Há dias em que você pensa seriamente que não vai conseguir cumprir com a sua jornada. Porque os ossos pesam, as pernas doem e você se sente inchada. Na sua mente, martelam todas essas horas de sono que você ainda não recuperou.

  • Para onde foram todos aqueles dias nos quais você podia acordar ao meio-dia sem que ninguém dependesse de você? Ficaram muito longe. No entanto, todo esse pacote cansado, que é o seu corpo, vai se recuperar no momento em que você pegar seu bebê no colo.
  • Você não sabe como, nem de onde vem essa força. Mas no mesmo instante você reage. Essa fabulosa máquina, que são a maternidade e a paternidade, começa a funcionar.

Você não precisa mais de elogios externos: seu bebê é sua motivação

Até há pouco tempo, você agradecia quando alguém reconhecia alguma coisa que você havia feito. Todos nós gostamos de sermos elogiados, incentivados…  É como receber energia externa para concretizar os nossos projetos com mais ânimo e motivação.

Agora você não precisa de elogios, nem de encorajamentos. O único que vai julgar cada coisa que você faz, empreende ou diz é o seu bebê. Ele é a única coisa que importa e sua única preocupação.

O sorriso, o bem-estar e o sono tranquilo do seu bebê são sua melhor motivação.

Agora, você é mais paciente e tolerante: seu coração cresceu

dias mais curtos

Agora, você vê a vida com outra perspectiva. Você a enxerga como alguém que está começando a ver o mundo, onde tudo é novo, interessante e maravilhoso.

  • Seu coração cresceu e você fica mais tolerante com aspectos que antes te preocupavam talvez demais. Porque, agora, suas prioridades são outras.
  • Seu mundo caminha em outro ritmo. Você sabe que a pressa não serve de nada. Você baseia a criação nesse fogo lento que cuida e intui, que abraça e aprende, que conforta e guia.

Agora, você entende que as coisas mais simples são as mais bonitas

Compartilhar uma soneca com seu bebê, ser testemunha dos seus primeiros passos, de como descobre a natureza, de como se emociona quando está perto dos bichinhos de estimação ou como ri alto com o papai, para você, são os melhores momentos do mundo.

Agora, de repente, sua vida ficou mais complicada, mas tem se tornado incrivelmente mais simples. Apenas porque você ama essas coisas simples e maravilhosas, porque as coisas mais incríveis fazem parte desse dia a dia do qual você é testemunha e também responsável.

Agora, você sabe que “não sabe nada” porque está aprendendo a cada dia

dias mais curtos

Há mães e pais que, antes da chegada do bebê, eram pessoas que acreditavam saber tudo da vida. Os estudos, as experiências prévias e essa sensação de segurança que, às vezes, temos nos fazem acreditar que temos todos os conhecimentos deste mundo pré-instalado em nossa mente.

  • Contudo, quando o primeiro filho chega, percebemos que “não sabemos nada”. Porque ninguém nos preparou para saber por que os bebês choram, por que rejeitam o peito às vezes, por que ficam bravos, por que não dormem ou o que tentam conversar com aquele fantástico idioma próprio.
  • Não vamos demorar a perceber que “não sabemos nada” e que criar um filho envolve muita improvisação e toda essa ciência que não está nos livros, mas que vem diretamente do coração.

Para concluir, ter um bebê muda a forma dos nossos dias, traz novos sorrisos, novos desafios, grandes medos e maravilhosas esperanças. Assuma isso da melhor maneira possível. Porque ter um filho é uma aventura que não só vale a pena: VALE A ALEGRIA.

  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos.