Uma criança necessita que você se interesse pelo mundo dela

22 Julho, 2018
Uma criança necessita de toda nossa atenção, amor e cuidados para crescer feliz. Por isso, nosso desinteresse pelas coisas dela pode trazer certa frustração, o que não desejamos.

Ainda que as atividades das crianças não exijam muito esforço segundo nossa experiência, elas fazem parte da vida dos pequenos e dos elementos que compõe seu próprio mundo.

É frequente que as famílias encarem o dia a dia da criança como se não fora importante. Em geral, tendemos a colocar nossos assuntos na frente dos das crianças. No entanto, a cada momento seu filho está conquistando objetivos, que apesar de mais simples que os nossos, para eles são muito importantes.

As atividades infantis variam de acordo com a idade. Quando as crianças são muito pequenas, não têm muitas atividades. Por isso, algumas vezes ficamos desligados achando que elas ainda não entendem. Quando conquistam certa independência, como engatinhar ou andar, é preciso mais atenção em suas ações. Contudo, o mais comum é vigiar de longe para que não corram riscos.

Não podemos ter certeza de que elas se sentem frustradas quando não nos interessamos por suas coisas. No entanto, na realidade ganhamos muito se mostramos interesse. É possível que estejam nos mostrando algo que para elas não é muito importante, por isso não se importariam se ignorássemos. Mas nem sempre é assim.

Em uma certa idade, o critério das crianças é despertado. Por isso, são capazes de argumentar sobre alguma coisa em particular. Por exemplo, elas adquirem condições de perceber que são ignorados ou que causaram aborrecimento pelo que fizeram. Esse é o momento em que esse costume de tratá-las como se não entendessem nada, deve mudar. Na verdade, seria melhor que nunca acontecesse.

se interesse

Como dar a atenção que a criança necessita?

A falta de atenção, como sabemos, é um problema que pode se tornar grave. Não nos interessarmos pelo mundo da criança e suas coisas significa que não estamos centrados em fortalecer suas emoções. Portanto, é importante demonstrar interesse para aflorar os sentimentos positivos e o apego pela família.

Mas como demonstramos afeto? Mostrando interesse em seus pequenos projetos, conversando com elas, manifestando que apoiamos suas ideias e que partilhamos com elas. Devemos agir como faríamos com aquela pessoa que gostamos. Como demonstramos para o nosso parceiro que nos interessávamos por ele?

Essa fase de conquista em que temos interesse por tudo que nosso parceiro faz não é muito diferente da função de demonstrar carinho aos nossos filhos. Ainda que não seja exatamente igual por ser um outro tipo de sentimento, talvez apenas esteja faltando um pouco de prática.

Devemos dedicar um tempo para conhecer melhor nossos filhos. Fazer um esforço para compreendê-los e tentar acompanhar suas intenções assim como faríamos se quiséssemos conquistar alguém. Ninguém duvida que você ama seu filho e que quer vê-lo feliz. Porém, talvez ele possa se sentir inseguro em algum momento se, de alguma forma, suas coisas não parecerem importantes para você.

se interesse

Onde está a falha?

Pensar que nosso filho é obrigado a gostar de nós sem levar em consideração o tratamento que damos a ele é a principal razão de às vezes não nos preocuparmos muito em demonstrar nosso interesse. Da mesma forma, é provável que estejamos assumindo que a criança sabe que gostamos dela, ainda que não o demonstremos.

No entanto, ainda que os laços entre pais e filhos sejam tão estreitos como para que essa carência se minimize; sem dúvida a felicidade talvez escape. Nesse sentido, acompanhar as coisas que a criança faz, suas tarefas e atividades, indica que estamos expressando nosso apoio. Essa uma boa forma de demonstrar amor.

Outra maneira de nos equivocarmos como pais é enfrentar as manifestações da personalidade dos filhos. As crianças não tem por que ser uma viva cópia de seus pais. Mas às vezes queremos que sejam. Por essa razão, quando seus gostos são diferentes, talvez não compreendamos e fiquemos menos tolerantes.

Independente de estar de acordo com a escolha ou ação que a criança tenha tomado, o importante é manter o mesmo afeto e interesse por tudo que ela faz. Sabemos que certas condutas são negativas e que devem ser corrigidas, porém, para que a criança seja feliz, ela deve se sentir amada, compreendida e saber que seu mundo é tão importante quanto o de qualquer adulto.

  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos.