Use a linguagem emocional para se conectar com as crianças

23 de setembro de 2018
A linguagem emocional é fundamental durante a criação dos filhos. Por meio desse instrumento mágico, você vai conseguir se conectar com as crianças.

Não há necessidade de gritar ou aplicar castigos, um tratamento correto basta. Agindo de maneira assertiva, sendo empática e educando de forma respeitosa é possível chegar muito mais longe.

Como você vai ver, criar um filho exige cuidados básicos e elementares que serão os alicerces dessa relação afetiva imaculada. Aprenda, neste artigo, a se conectar com as crianças por meio do uso da linguagem emocional.

A linguagem emocional, a chave para outras infâncias

A linguagem emocional implica em falar de igual para igual com a criança, mas sempre com palavras positivas. Além disso, pressupõe jamais levantar a voz, mas demonstrar grande firmeza. Não é preciso ferir emocionalmente a criança para se comunicar corretamente.

Expresse-se com o idioma dos sorrisos que nunca se apagam se o que você deseja é se conectar com seu filho. Demonstre aos pequenos, esses seres inocentes e indefesos, que o amor é o que move os fios do mundo, e não o medo.

Presenteie seu filho com as palavras mais bonitas e as frases mais carinhosas. Ajude seu filho a dominar, desde cedo, a linguagem emocional.

Alimente esse pequeno pedaço do seu ser com segurança e confiança em si mesmo. E para isso, não existe nada melhor que a linguagem afetiva, completamente sábia em matéria de emoções.

Preencha os vazios e complete as carências se conectando por meio da ferramenta mais útil de qualquer criação infantil. Seus filhos vão agradecer com o tempo. Trata-se de um investimento futuro capaz de desenvolver os frutos mais doces ao longo dos anos.

A linguagem, uma ferramenta que requer responsabilidade

É frequente nos descuidarmos do vocabulário que utilizamos para conversar com nossos filhos. Ou daquele que usamos diariamente na frente deles. Essa atitude não é um erro pequeno porque a linguagem exerce um imenso poder sobre o cérebro das crianças.

linguagem emocional

Claramente, as palavras não matam, mas têm o dom de ferir com mais força que qualquer tipo de golpe físico. Sequelas emocionais difíceis –quando não, impossíveis – de curar podem ser alguns dos resultados desse tipo de erro.

A linguagem que você usa pode deixar uma marca indelével no seu filho. Estresse, estados de vulnerabilidade e depressão infantil são somente algumas das consequências mais comuns.

Da mesma forma, o uso de uma linguagem emocional marca a fogo a personalidade da criança. Mas, nesse caso, proporcionando resultados positivos.

Essa linguagem emocional será a linguagem que vai não somente oferecer um olhar positivo do mundo e de si mesmo, mas também vai ser uma fonte inesgotável de motivação.

Aquela força motriz que empurra para frente, que motiva a buscar o que se deseja com todas as forças.

 A linguagem emocional, um dom

linguagem emocional

Uma linguagem emocional efetiva, que consegue conectar as crianças, requer tempo e paciência. Claro que não é moleza, pois também exige altas dose de amor e vontade. Umas pitadas de intuição e outras de perseverança não vão fazer mal nessa empreitada.

Dessa forma, você vai poder construir uma maternidade atenciosa, como sempre sonhou. Aquela na qual você inclui uma criança que é valorizada e respeitada por seu estatuto de pessoa. Uma criança que é amada e aceita, mais além de qualquer conquista ou fracasso.

Somente com esse método, você garante um crescimento saudável ao seu pequeno. Crescimento, claramente, não somente em relação a peso e altura, mas especialmente no que diz respeito a segurança, independência, autoestima, personalidade e inteligência. Pare por um segundo e dedique toda sua atenção ao seu filho, ele merece.

Converse com ele e trate-o bem, evitando sermões e reprovações desnecessárias. Sem rótulos, classificações ou insultos. Sem gritos nem alvoroço. A ciência conseguiu demonstra,r por meio de diversos estudos, que essas técnicas obsoletas, ainda que com a melhor das intenções, são pouco eficazes.

Troque esses discursos intermináveis e as múltiplas advertências por um método mais simples, saudável e eficaz. Esqueça-se das ordens e recorra à sua valiosa capacidade de escutar e dialogar. Sobretudo, preste atenção em cada uma das palavras que você escolhe para falar com as crianças.