Vinte perguntas para ajudar seus filhos a se conhecerem melhor

30 de maio de 2018
Os pais agem como guias dos filhos em muitos momentos de suas vidas. Durante a infância, fazer algumas perguntas que provoquem a reflexão tem um efeito muito positivo para o processo de amadurecimento.

Como seres em crescimento e em formação, as crianças ainda não enfrentaram a tarefa de conhecerem a si mesmas. Isso implica identificar as suas próprias características, os seus defeitos, as suas virtudes e as suas preferências, entre muitas outras coisas. Para motivar a autoaceitação e a capacidade de entendimento, é preciso ajudar as crianças a se conhecerem melhor.

Apesar da criação da identidade própria ser um processo que acaba na adolescência, é importante que na infância as crianças ajam de acordo com o seu modo de pensar. Dessa forma, elas poderão seguir suas crenças e seus pensamentos diante das diversas circunstâncias que irão vivenciar desde pequenas.

Para isso, é fundamental o papel daqueles que a rodeiam. Isso inclui os professores e os pais, é claro. Em casa, é possível ajudar a criança a se entender melhor através de perguntas simples diante de diferentes situações da vida cotidiana. 

Desse modo, a criança irá compreender os sentimentos que cada cenário gera nela. Além disso, ela poderá identificar fracassos e tentar corrigi-los no futuro. Verdadeiramente, trata-se de um exercício muito construtivo e que pode oferecer enormes benefícios desde a infância. 

Outros benefícios de ajudar as crianças a se conhecerem melhor

  • Autoaceitação.
  • Crescimento da autoestima.
  • Melhora a relação com as pessoas.
  • Decisões mais cerebrais e menos intuitivas.
  • Autocontrole. Capacidade de compreender e de lidar com as emoções.
  • Coerência. Capacidade de agir de acordo com os ideais pessoais.

Quinze perguntas que devemos fazer às crianças para ajudá-las a se conhecerem melhor

É importante deixar que elas elaborem as suas próprias respostas, já que o objetivo da atividade é propiciar essa autorreflexão. Em primeiro lugar, você pode começar com perguntas “genéricas” para que o seu filho avalie as suas características pessoais. 

1.- Quais são os seus pontos fortes?

2.- Quais são os seus medos? O que você faria se eles não existissem?

mãe conversando com filho

3.- O que você gosta de fazer para se divertir?

4.- O que você faz quando surge algum problema? Existe alguém que possa te ajudar a resolvê-lo?

5.- Onde você se sente mais seguro?

6.- Se você pudesse fazer um pedido, qual seria?

Diante de uma situação frustrante

Quando o seu filho for mal na prova, por exemplo, você pode perguntar o que houve, como se sentiu quando soube do resultado e o que ele vai fazer agora que teve um resultado ruim na vida. Dessa forma, ele irá aprender que o fracasso é uma possibilidade na vida e que, mesmo assim, poderá superar essa frustração. Isso também servirá para que ele vá melhor na próxima vez.

7.- Por que você acha que foi mal na prova?

8.- Você estava se sentindo muito nervoso ou muito pressionado na hora de fazer a prova?

9.- Você tem vontade de trabalhar duro para reverter essa situação?

10.- De que maneira você acredita que pode mudar esse resultado negativo?

“O pensamento ‘eu sou este corpo de carne e osso’ é a origem de todos os outros pensamentos. Por isso, se eu olhar para dentro de mim e me perguntar: ‘Onde está esse eu?’, todos os pensamentos (inclusive o pensamento do ‘eu’) irão desaparecer, e o autoconhecimento brilhará espontaneamente.”

—Ramana Maharshi—

Diante de más condutas

Conhecer a si mesma permitirá que a criança compreenda e explique condutas impulsivas em momentos de raiva. Nesses momentos, podemos fazer essas perguntas sobre o porquê dessa atitudes e respostas; também é possível que ela elabore reações alternativas às que acabou demonstrando.

11.- Por que você agiu dessa forma?

12.- Como esse comportamento te ajudou?

13.- Como você se sente agora?

Para proporcionar o autoconhecimento

A formação da pessoa humana, de acordo com diversos estudos, depende de fatores que decorrem do contexto no qual a criança está inserida. Por exemplo, a família, a cultura, o gênero, as amizades e as demais relações com outras pessoas.

Por isso, o autocontrole das crianças será o resultado da sua relação com o seu entorno, das suas características inatas e das suas experiências de vida. Tudo isso irá moldar seus pensamentos e modos de compreender as coisas na infância.

menina se olhando no espelho

Parecidas com as perguntas iniciais, existem outras que ajudam as crianças a se entenderem melhor e a verem, assim, os seus pontos fortes e fracos. Algumas delas são:

14.- Por que você acha que é diferente das outras pessoas?

15.- Se você pudesse dizer uma coisa bonita para si mesmo, o que você diria?

16.- Qual é a característica que você mais gosta em você?

17.- Qual é a sua lembrança de vida mais feliz?

18.- O que você gosta de fazer quando está triste? Chorar e gritar conseguem te consolar?

19.- Qual é o maior êxito da sua vida? O que você gostaria de realizar no futuro?

20.- O que mais te preocupa e o que te dá mais esperança?

Pode ser que no começo o seu filho fique saturado diante de tantas perguntas e não saiba bem como respondê-las. No entanto, é importante dar tempo ao tempo para que ele elabore as respostas na mente. 

Além disso, também é fundamental que você encontre o momento adequado para esse tipo de conversa. Dessa forma, a criança se sentirá em um ambiente calmo, relaxado e terá a confiança necessária para dar voz aos pensamentos mais sinceros que brotarem em sua mente. Tente seguir os nossos conselhos, pois ao ajudar seus filhos a se conhecerem melhor, você estará contribuindo enormemente para formação integral deles como pessoa.