Você sabe o que é hiperprolactinemia?

· 27 de novembro de 2017

A hiperprolactinemia ocorre quando o nível do hormônio prolactina está acima do normal. Em muitos casos, o nível elevado de prolactina pode levar à infertilidade. Esse desequilíbrio hormonal pode causar alterações no ciclo menstrual que pode dificultar a concepção.

A prolactina é um hormônio liberado pela glândula hipófise (ou pituitária) cujas funções principais são intervir em situações de estresse e estimular a produção de leite durante a amamentação.

O que pode causar hiperprolactinemia? A seguir vamos explicar algumas das causas.

Causas da hiperprolactinemia

A estimulação do mamilo bloqueia a liberação de dopamina. A dopamina é responsável por inibir a prolactina. A queda de dopamina, então, impede a inibição da liberação prolactina, aumentando sua concentração no sangue. Isto é conhecido como feedback negativo, na qual o nível de dopamina é baixo e o de prolactina é alto. No momento em que a mulher para de amamentar, o nível de prolactina diminui.

Durante a gravidez a prolactina aumenta pois tem o objetivo de preparar a mulher para a produção de leite. Nesta fase, ocorrem muitas outras mudanças hormonais. Entre elas se destaca o aumento do estrogênio, hormônio que também proporciona o aumento do nível de prolactina.

Quando o nível de prolactina está alto, a liberação de GnRH (hormônio liberador de gonadotrofina) é interrompida. Por sua vez, isso faz com que diminua a liberação dos hormônios LH (luteinizante) e FSH (folículo-estimulante). Quando a ação desses hormônios no ovário diminui, o desenvolvimento ovocitário é inibido e, como consequência, a ovulação. Por esses fatores, durante a gravidez a mulher fica em estado de infertilidade transitória causada pela hiperprolactinemia.

mulher estressada

Outras causas do aumento da prolactina

Além da gravidez e da amamentação, existem outras razões para o aumento dos níveis de prolactina:

  • Pílulas anticoncepcionais de estrogênio
  • Tumor benigno, como o prolactinoma
  • Orgasmo
  • Muito estresse
  • Sono profundo
  • Muito exercício físico
  • Medicamentos neurolépticos, antidepressivos, ansiolíticos, entre outros
  • Hipotireoidismo, hiperandrogenismo, anorexia nervosa, bulimia, insuficiência renal, entre outros
  • Estimulação da mama

Sintomas do aumento da prolactina

Existem vários sintomas que podem indicar o aumento de prolactina. Apesar disso, não significa que eles sempre aparecem. Cada mulher apresenta esses sintomas com uma intensidade maior ou menor, dependendo do caso. Estes são os mais comuns:

  • Irregularidade na menstruação e alteração na ovulação
  • Dores de cabeça
  • Visão turva ou outros distúrbios na vista
  • Osteoporose
  • Diminuição da libido
  • Secura vaginal
  • Infertilidade
  • Galactorreia
  • Aumento de peso

A bromocriptina e cabergolina diminuem a produção de prolactina. Os medicamentos funcionam bem na maioria das pessoas com prolactinoma.

Como a hiperprolactinemia é diagnosticada?

mulher fazendo exame de sangue

Se houver suspeita de hiperprolactinemia, é necessário fazer um exame de sangue para determinar se o nível de prolactina está mais alto do que o normal. É importante realizar o exame em repouso, preferencialmente de manhã, e evitar qualquer situação de estresse que possa influenciar nos níveis de prolactina.

O nível ideal de prolactina é inferior a 20-25 ng/ml. Se o exame mostrar um resultado entre 20 ng/ml e 40 ng/ml, deve ser repetido para confirmar se a paciente realmente tem hiperprolactinemia. É muito importante analisar a razão pela qual o nível de prolactina está alto. Para isso, é preciso verificar os sintomas, os medicamentos que a paciente toma e a relação de outras patologias que possam ser a causa da hiperprolactinemia.

Tratamento da hiperprolactinemia

Se a hiperprolactinemia é causada pelo estresse ou devido à ingestão de alguma substância tóxica, basta eliminar o fator que causa o aumento da prolactina. No caso de ser causada por outra patologia, como o hipotireoidismo, o procedimento vai ser focado no tratamento dessa doença.

Outros tratamentos da hiperprolactinemia são baseados em medicamentos agonistas da dopamina, tais como a cabergolina ou a bromocriptina. Eles vão exercer a função da dopamina inibindo a prolactina e, consequentemente, diminuindo o seu nível no sangue.

Com prolactina em um nível normal, os níveis dos outros hormônios como FSH e LH, se recuperam.

Nível de prolactina durante a gravidez

O nível normal de prolactina em uma mulher que não está grávida, geralmente, é inferior a 25 ng/ml. Um nível superior a esse valor pode ser alarmante, principalmente se chegar aos 80 a 100 ng/ml. Nesse caso, é importante dar uma atenção especial pois pode ser a causa de um problema mais grave.

Se você apresentar algum dos sintomas mencionados acima, é imprescindível ir ao médico para verificar qualquer irregularidade na sua saúde. É importante lembrar que não é necessário apresentar todos os sintomas. É possível ter hiperprolactinemia mesmo apresentando somente alguns deles.