Vygotski e o brincar na aprendizagem

· 21 de abril de 2018
Brincar é um elemento central na vida das crianças, já que permite desenvolver muitas capacidades, tanto de maneira independente como em sua interação com as demais. Vejamos que o que afirmava o famoso psicólogo Lev Vygotski sobre este tema.

Lev Semyonovich Vygotski foi um psicólogo russo precursor de muitos campos em sua especialidade. Fundamentalmente, destacou-se na psicologia do desenvolvimento. Vygotski afirmava que o desenvolvimento das pessoas só é possível através da interação social. Um dos elementos chave neste âmbito é a brincadeira, sobre a qual ele propôs inovadoras teorias.

Vygotski afirmava que o desenvolvimento consiste na interiorização de instrumentos da cultura, como a linguagem, através justamente desta interação com os outros humanos.

Um dos conceitos chave da teoria de Vygotski é a zona de desenvolvimento proximal (ZDP). Esta consiste na ajuda que um humano recebe dos outros, sejam tutores ou pares, que lhe permitem ampliar suas possibilidades de desenvolvimento.

Não é igual o que uma criança pode aprender por conta própria e aquilo que incorpora mediante interação. Isto tem a ver com a resolução de problemas, a interpretação de acontecimentos ou a aprendizagem de símbolos, entre muitas outras coisas. Na relação com os outros, além disso, devem-se considerar também os fatores socioculturais.

O que Vygotski diz sobre brincar?

Vygotski outorgou ao brincar um papel central, nunca antes dado, como promotor do desenvolvimento mental. Para ele, as capacidades da criança podiam ser aperfeiçoadas mediante as atividades lúdicas.

A principal vantagem do brincar é que a criança põe em prática estas capacidades praticamente sem se dar conta. Ademais, como o faz de maneira divertida, sem esforço e conscientemente, sua dedicação e frequência são muito maiores do que para outros tipos de exercícios.

Vygotski define a zona de desenvolvimento proximal como a distância entre o nível de desenvolvimento cognitivo real, a capacidade adquirida até esse momento para resolver problemas sem a ajuda de outros. O nível de desenvolvimento potencial, ou a capacidade de resolver os problemas com a orientação, de um adulto ou de outras crianças mais experientes.

Quais eram essas habilidades às quais este psicólogo se referia? Veja a seguir as que se destacam em seus argumentos:

Linguagem

Como falamos antes, para Vygotski a linguagem oral e escrita era a base do desenvolvimento de uma pessoa. Através dela é possível a comunicação e, portanto, a transmissão de conhecimentos que permitem absorver aspectos próprios de uma cultura.

Memória e atenção

Assumir diferentes papéis ao brincar é uma aproximação das crianças à realidade, segundo Vygotski.

Autocontrole

Brincar não implica somente se divertir, também tem obrigações. Elas têm a missão de que uma brincadeira se organize e que todos seus participantes adotem o papel que se pretende para que tenha eficácia.

Por exemplo, numa corrida, as crianças da linha de largada desejam sair correndo o quanto antes para chegar primeiro. Não obstante, ao conhecer as regras de corridas, sabem que não podem fazer isso até a ordem seja dada.

Realização de desejos mediante a imaginação

Em um de seus escritos, Vygotski comentava o exemplo de uma criança de três anos que quer montar a cavalo. Como não pode, o que faz é pegar uma vassoura e fingir que é um cavalo. Isto é, mediante o jogo concretiza imaginariamente uma ação impossível para suas habilidades.

Através deste processo, a criança extrai o significado do cavalo mediante um objeto, que é a vassoura. Assim, começa a transformar a estrutura psicológica que determina sua relação com a realidade.

Visão de mundo

Ainda que nós vejamos como simples banalidades imaginárias, as brincadeiras e os papéis que as crianças assumem nelas lhes ajudam a formar sua visão de mundo.

Quando brincam de professores, de operários ou policiais, as crianças pouco a pouco vão se dando conta da função desses papéis na sociedade.

Além disso, incorporam noções como a responsabilidade, o valor de cumprir com o dever e as exigências pelo que os demais esperam.

É um claro reflexo do interesse crescente da criança pelas atividades dos adultos e pelo mundo que a rodeia. Elas abandonam, assim, seu caráter egocêntrico, pelo menos parcialmente.

Etapas do brincar segundo Vygotski

Brincar é um aspecto central nas teorias de Vygotski.

Memória e atenção

Estes são dois processos psicológicos elementares, de acordo com a própria classificação deste psicólogo. Mediante brincadeiras, as crianças desenvolvem estas capacidades.

Como é uma atividade que lhes atrai, sua atenção se centra exclusivamente nela. Por outro lado, a memória é fundamental para recordar seus componentes básicos: regras, papéis, localizações ou qualquer outra coisa que faça falta.

Etapas do brincar segundo Vygotski

De acordo com este autor, a brincadeira para as crianças tem duas etapas:

  • Primeira etapa (até os 3 anos de idade): as crianças brincam com objetos de acordo com os significados que os adultos lhes outorgam. Em uma segunda parte deste período, aprendem a substituir simbolicamente as funções de tais objetos.
  • Brincadeiras “sócio dramáticas”: nesta fase, as crianças representam o mundo dos adultos e imaginam papéis dentro dele.

Como conclusão, se pode extrair que para Lev Vygotski o brincar constitui uma ferramenta fundamental no desenvolvimento cognitivo.

Através deste constrói novos conhecimentos, regula suas emoções e forja suas relações com os demais. Brincar permite, além disso, ampliar e expressar sua visão do mundo que habita.