Yoga para grávidas em casa

· 20 de agosto de 2018
Um dos benefícios do yoga é que essa prática ensina a respirar conscientemente. Isso pode ser de grande utilidade para você no momento do parto e também para encarar a vida com mais serenidade.

Às vezes, agimos de maneira tão automática que nos esquecemos até de inalar e exalar com calma e de maneira correta. Durante a gravidez, o yoga pode se tornar uma atividade muito benéfica porque ajudará a relaxar os músculos das costas e a fortalecer os das pernas e do quadril.

Além disso, você não precisa de quase nada para praticar yoga em casa. Um tapetinho, um pouco de espaço e um tutorial que você pode assistir no Youtube ou em um CD gravado, por exemplo, bastam.

Se você já está grávida e nunca praticou yoga antes, a melhor recomendação é esperar até chegar aos três meses de gravidez. Entretanto, naturalmente a recomendação mais adequada ainda é consultar seu médico para que ele garanta que não há nenhuma contraindicação. Tenha em mente que qualquer tipo de yoga que relaxe e que não pareça que você está fazendo exercícios é uma boa opção.

Também é bom que você saiba que com o avanço da gestação, é preciso evitar posturas nas quais se pode perder o equilíbrio ou que provoquem muita pressão na barriga e nas veias principais. Pois isso pode dificultar o fluxo sanguíneo do coração. Apesar disso, é imprescindível que você compreenda que a prática de yoga para grávidas deve estar focada, sobretudo, em exercícios de relaxamento e em algumas posturas que vão ajudar a evitar o aparecimento de dores musculares.

As rotinas dessa prática milenar vão ajudar você a trabalhar o assoalho pélvico. A prática do yoga é uma atividade muito benéfica para a gravidez e o período pós-parto, já que esse exercício permite conhecer os órgãos que influenciam no trabalho de parto, como a vagina, e os músculos, como o períneo e todos os outros da região pélvica.

yoga para grávidas

Respirar, a essência do yoga

Quando você está grávida e pratica yoga, sua respiração nunca deve ficar ofegante ou entrecortada. Ao contrário, ela deve permanecer perfeitamente fluida. Se isso não estiver acontecendo, você deve parar, descansar e retomar o exercício quando tiver conseguido restabelecer uma respiração serena e fluida.

Uma das técnicas respiratórias, chamadas de pranayamas, propõe expulsar o ar do abdômen e, posteriormente, do peito para depois inalar. Essa prática, que permite uma respiração longa, tranquila e profunda, ajuda a controlar a ansiedade e o estresse. Além de manter você saudável e enérgica.

Os exercícios de respiração de yoga também têm como objetivo nos fazer aprender a controlar nossos sentidos e nossos pensamentos. Além de a ficar atentas às sensações e às mensagens do nosso corpo. Tudo isso se traduz em maior autoconhecimento.

E é justamente essa capacidade de estar conectada com você mesmo que torna a gravidez uma experiência mágica porque dentro da sua barriga está crescendo um bebê com o qual você poderá se unir de maneira muito especial por meio de simples posturas.

Paz e energia

De acordo com os mestres de yoga, a intenção final dessa prática originada na Índia é aprender a nos manter em paz e a conservar a alegria interior sem se importar se o mundo estiver em chamas ou não. Chegar a um estado desses, sem dúvida, é mais do que benéfico para você e seu bebê. Esse estado se conquista – mesmo que você não acredite – simplesmente respirando de maneira correta e consciente.

As técnicas de respiração vão ajudar em momentos cruciais como o do parto, quando você vai precisar recorrer à respiração abdominal. É surpreendente como sua frequência cardíaca e, consequentemente, a do bebê também são reguladas pela maneira como você inspira o ar.

Quando você terminar sua prática caseira de yoga, o ideal é que suas frequências cardíacas estejam mais baixas. Tenha sempre em mente que um dos propósitos principais da prática do yoga é o relaxamento. Por isso, depois dos exercícios, você nunca deve se sentir sem ar.

yoga para grávidas

Algumas dicas para praticar yoga em casa

É provável que você perca um pouco o equilíbrio ao ficar em pé e realizar alguns exercícios. Isso é normal e acontece porque seu centro de gravidade, que no caso é sua barriga, está crescendo cada vez mais. Por isso, é recomendável que você pratique perto de uma parede ou com uma cadeira ao lado.

Assim, você poderá se apoiar se em algum momento perder um pouco o equilíbrio. O que provavelmente vai acontecer, praticando yoga ou não. Dessa forma, não se assuste.

Para começar a praticar yoga em casa, você pode se sentar no chão com as pernas cruzadas, na posição que popularmente se conhece como a postura do índio e fechar os olhos por alguns minutos. Quando estiver assim, concentre-se em respirar lenta e profundamente. Em seguida, com os olhos abertos faça movimentos circulares com sua cabeça.

Você também pode tentar tocar o ombro direito com a orelha direita e fazer a mesma coisa do lado esquerdo.  Assim, comece a fazer aulas de yoga para grávidas que estão disponíveis online. Você poderá, dessa forma, praticar em casa sem nenhuma complicação.

Posturas, músculos e bem-estar

A maioria dos exercícios é destinada a melhorar a postura das costas e a relaxar a região lombar, que tende a ficar tensa devido à pressão que o bebê exerce à medida que cresce. As rotinas também têm como objetivo alongar e fortalecer os músculos das pernas e do quadril.

Apesar de parecer contraditório, quando você está grávida, alguns músculos do seu corpo ficam muito flexíveis. Isso acontece porque seu corpo está se preparando para o parto. Por isso, é importante não forçar demais os músculos ao praticar as posturas de yoga.

Todos os movimentos devem ser realizados com suavidade. Somente assim você vai conseguir avançar de maneira progressiva sem se lesionar.

Tente sempre estar consciente de que o objetivo do yoga é proporcionar bem-estar. Por isso, é recomendável que você se esforce somente o necessário para atingir um estado de relaxamento e tranquilidade. Esse é o estado ideal nessa fase da sua vida. Momento em que você está tão perto de se tornar mamãe.