3 chaves para ensinar as crianças a expressar os seus sentimentos

· 19 de abril de 2017

Ensinar nossos filhos a comunicar-se emocionalmente pode não ser uma tarefa fácil, mas será algo que irá nos ajudar no desenvolvimento de suas habilidades potenciais emocionais e cognitivas inatas.

Dessa forma, ao oferecer aos nossos filhos esse tipo de educação emocional os ajudaremos a se tornarem pessoas felizes e incentivaremos o seu desenvolvimento. Por isso a informação que o ambiente a sua volta fornece pode ajudar a criança a expressar como se sente.

Devemos saber que se não ensinamos isso, nossos filhos podem se tornar excessivamente vulneráveis aos conflitos tanto internos como externos. Por isso na hora de “capacitá-los” para a vida é importante que aprendam a traduzir seus sentimentos em palavras.

A natureza da comunicação emocional

Para uma criança que apenas começou a falar será muito complicado expressar os sentimentos, por isso muitas vezes ela terá acessos de raiva. Graças ao desenvolvimento do neocórtex cerebral, uma criança de 5 anos que já adquiriu a linguagem necessária estará disposta a materializar mais as suas emoções.

No entanto, entender e comunicar os sentimentos e a capacidade para fazê-lo são coisas bem diferentes. Por isso é importante que para adquirir o hábito de expressar-se, as crianças sejam criadas num ambiente onde os sentimentos sejam expressados e examinados abertamente.

Vejamos a seguir algumas chaves simples para fazer com que os nossos filhos saibam disso:

1. Elabore um dicionário de sentimentos

Para começar podemos pedir aos nosso filhos que nomeiem todos os sentimentos que lhes passem pela cabeça. Anotaremos cada um deles numa página em branco e os organizaremos em ordem alfabética.

Uma boa maneira de facilitar esse trabalho é folhear as fotos espontâneas de uma revista (sem pose) e perguntar os seus filhos o que eles pensam que aquela pessoa está sentindo naquele momento. Então escrevemos na folha e pedimos que eles digam em quais momentos eles também se sentiram assim.

“Se a criança sentir dificuldade, podemos oferecer exemplos nossos, convidá-los a fazer desenhos (crianças pequenas) ou tirar uma foto expressando cada emoção (crianças mais velhas).”
A natureza da comunicação emocional

2. A brincadeira dos sentimentos

As crianças tornam-se mais falantes se utilizam os sentimentos para brincar. Trata-se de analisar o nosso dia a dia e inovar.

Se viajamos muito ou se tem muitos carros no caminho do colégio podemos aproveitar as letras das placas para formar palavras que evoquem sentimentos. Por exemplo, se vemos as letras AM e a criança diz AMOR lhe damos pontos no final de semana que poderão se trocados por uma refeição especial ou algo que lhe seja agradável. Essas condições necessitam ser planejadas previamente.

Também podemos brincar com as cores e o humor que elas expressam. Com os sentimentos que as fotografias e as histórias evocam, etc.

 Elabore um dicionário de sentimentos

3. Brincar sem colocar palavras nos sentimentos

Aprender a sentir é o primeiro passo para poder descrever como nos sentimos. Na verdade, a comunicação verbal representa mais de 50% da comunicação emocional, por isso devemos colocar uma ênfase nisso. Propomos algumas ideias:

. A brincadeira do som desligado (de 7 a 12 anos)

Para brincar temos que gravar um programa apropriado para a idade e mostrar ao nosso filho com o volume desligado. Então pediremos que nos descreva como ele acha que se sente cada pessoa do vídeo.

Podemos parar o programa sempre que ele quiser. Também podemos dar pontos cada vez que ele consiga descrever de qual forma uma postura, uma expressão facial ou um gesto pode revelar um sentimento.

Essa brincadeira pode durar 15 minutos e podemos dar um máximo de 15 pontos que podem se trocados por algo previamente acordado ou simplesmente representar a vitória na brincadeira.

A brincadeira dos sentimentos

. O enigma dos sentimentos (a partir dos 6 anos)

Com um grupo de três ou mais crianças e membros da família temos que formar uma porção com vinte cartões de emoções. O membro mais jovem deverá pegar um cartão e representar o sentimento sem palavras durante pelo menos 3 minutos.

A pessoa que advinha o sentimento conservará o cartão e seguirá brincando. Dessa maneira, quem obter a maior quantidade de cartões será o vencedor. Quando as crianças aumentarem a sua habilidade com esses cartões deverá ser acrescentado sentimentos novos e mais sutis.

. Adivinhar o sentimento (entre os cinco e os dez anos)

A ideia é ler e gravar uma frase simples cinco vezes, mudando o tom de voz para que reflita um novo sentimento. Por exemplo: “esqueci meus livros no carro” como se estivesse triste, alegre, com raiva, com medo ou preocupado. Cada acerto será um ponto. A criança deverá fazer o mesmo com outra frase.

. Vamos nos descrever com sentimentos (entre os cinco e os doze anos)

É importante que as crianças aprendam a explorar seus próprios sentimentos e a expressá-los através do rosto e do corpo criando um dicionário sobre como são expressadas as emoções de maneira não verbal.

Para isso necessitaremos de uma câmera fotográfica que tire fotos instantâneas, folhas soltas de papel e uma pasta. Se pedimos para a criança fazer uma careta para expressar um sentimento, então podemos fazer perguntas que lhe ajude a evocar esse sentimento. Por exemplo: você fica com raiva quando Joãozinho te irrita, não é?

Se ainda assim ele sentir dificuldades podemos pedir que se olhe no espelho e molde o seu rosto até que pareça irritado. Então tiramos a foto e colocamos na pasta para depois pedir que escreva na folha todas as vezes que de verdade sentiu esse sentimento.

“Utilizar esses tipos de estratégias ajudará que nossas crianças entendam as nuances da comunicação emocional e não fujam dela, já que entender como nos sentimos é indispensável para nos tornar uma pessoa completa e feliz”.