5 contos infantis de Jorge Bucay

· 8 de fevereiro de 2018
Nada melhor para despertar a curiosidade das crianças que os contos infantis. Nesta ocasião, fazemos menção a alguns títulos do escritor argentino Jorge Bucay.

As consequências positivas de introduzir nossos filhos no mundo da leitura são numerosas. Além disso, existem histórias específicas que vão estimular o espírito crítico e reflexivo das crianças. Hoje, repassaremos cinco contos infantis de Jorge Bucay que se encaixam nessa classificação.

Jorge Bucay é um escritor, psicodramaturgo e terapeuta nascido em Buenos Aires, Argentina, em 1949. Ele se graduou como médico pela Universidade de Buenos Aires em 1973. Após várias outras conquistas acadêmicas e já sendo reconhecido em sua área, começou a participar de programas de televisão como colunista sobre psicologia. Ele chegou, inclusive, a ser apresentador.

No que se refere a sua fase literária, Bucay procura através de seus livros, oferecer ferramentas terapêuticas para que o leitor possa ajudar a si mesmo.

Esse é o objetivo dos contos infantis de Jorge Bucay. Ainda que muitos não estejam classificados como tais, mas sim como “contos para pensar” (assim se chama um de seus livros que recompila essas histórias), podem ser dirigidos ao publico infantil para despertar neles perguntas e respostas até agora esquecidas.

“Eu trabalho sobre a ideia de que seja dono de sua vida, o que você tem é de sua responsabilidade. Acredito que o mundo não seja um lugar para competir, mas, sim, para compartilhar e uma das condições necessárias é olhar para si mesmo”

-Jorge Bucay-

5 contos infantis de Jorge Bucay

1.- “O elefante acorrentado”

O primeiro dos contos infantis de Jorge Bucay que detalharemos, apresenta a dúvida que uma criança teve desde a primeira vez que visitou um circo. Todos se surpreendiam com a força e a bravura do elefante, o animal mais chamativo para as crianças. Porém, uma criança não conseguia entender como, uma vez terminada a apresentação, o elefante permanecia amarrado com uma grande corrente a uma pequena estaca cravada ao chão.

La lectura entre todos siempre se comprende mejor.

 

“Por que ele não foge?”, ela se perguntava. Cresceu com essa dúvida, até que um belo dia alguém a resolveu. A resposta despertou nela uma grande verdade sobre uma auto limitação que o elefante, assim como os seres humanos na vida real, viveu toda sua vida sem ao menos questioná-la.

2.- “A tristeza e a raiva”

Apesar de que este conto possa ser por demais abstrato para algumas crianças que ainda não se interessam por esse tipo de pensamento, tem uma maneira muito material de descrever a natureza destes dois sentimentos.

Sugerir a leitura deste conto, um dos mais curtos contos infantis de Jorge Bucay, permitirá à criança compreender melhor seus sentimentos, diferenciá-los e até certo ponto, tentar elucidar como lidar com eles.

3.- “Obstáculos”

Outra vez, Bucay propõe uma história relacionada com os sentimentos de autolimitação. Conta a jornada de um homem que caminha tranquilamente por uma trilha. De repente, avista no horizonte uma grande cidade, onde habitam todos seus desejos e objetivos.

Então decide caminhar até lá. Ainda que o caminho pareça inicialmente tranquilo, surgem vários obstáculos difíceis de resolver que deixam o protagonista de mau humor. Ao ver que um menino olha para ele sorrindo, o homem lhe pergunta porque sorri. A resposta do menino, já no final da história, nos deixa claro que muitas vezes os limites e as barreiras são na verdade internas.

Los cuentos infantiles de Jorge Bucay son una gran manera de incitar la reflexión en los niños.

4.- “Ganância”

Este conto fala sobre um homem afortunado que encontra em seu jardim um cofre cheio de moedas. Ainda que diga não ser ganancioso, fica imaginando o que poderia fazer com tanto dinheiro. Posteriormente, seu vizinho reclama esse dinheiro, argumentando que seu avô o havia enterrado ali.

O desenlace desta historia, ainda que possa parecer um pouco dura, nos faz pensar sobre as verdadeiras intenções do ser humano, que muitas vezes se contradizem com suas palavras. Do mesmo modo, incita a refletir sobre os perigos da ambição.

5.- “Incentivar a voar”

Esta fábula narra a história de um pai que ensina a seu filho a “voar”. Ele o convida a testar suas asas saltando de um enorme precipício, com os riscos que isso significa.

O filho, influenciado pelas opiniões negativas dos que o rodeavam, duvida do que seu pai havia dito e tenta fazê-lo de uma árvore. Ao fazê-lo cai no chão. Contudo, ao pedir explicações ao seu pai, encontra a verdadeira razão do porquê seu pai lhe havia sugerido semelhante prova.

Definitivamente, esta história convidará as crianças a enfrentar as adversidades e a enfrentar os riscos, ainda que pareçam desnecessários, excessivos ou provoquem medo.

A importância da leitura para as crianças

Asim como nos contos infantis de Jorge Bucay, existem muitos outros autores que escrevem contos que convidam a refletir e ajudam a gerar o pensamento crítico nas crianças.

Mesmo assim, ao escutar os contos ou mesmo lendo por conta própria, permite às crianças ampliar seu vocabulário, o que vai resultar numa melhor ortografia e numa habilidade expressiva de muito melhor qualidade.

Os pais devem ter consciência que de maneira alguma é uma perda de tempo ler com seus filhos. Pelo contrário, esse momento de serenidade constitui um ambiente perfeito para propiciar o diálogo, as perguntas de filho para pai ou mãe e o surgimento de pensamentos superadores para sua infância e também para a vida.