5 dinâmicas de inteligência emocional para crianças

5 dinâmicas de inteligência emocional para crianças

Última atualização: 23 Janeiro, 2018

A inteligência emocional, um aspecto muitas vezes deixado de lado, é um dos fatores principais que afetam o bem-estar da pessoa e o desenvolvimento e amadurecimento ideal de uma criança.

A inteligência emocional é um dos aspectos principais do desenvolvimento integral de uma pessoa. Pode ser trabalhado de várias formas e em diferentes âmbitos: em casa, na escola ou em sessões especializadas com profissionais, entre outros. Ensinamos neste artigo cinco dinâmicas de inteligência emocional para crianças.

Em primeiro lugar, vamos definir: o que é a inteligência emocional?  A inteligência emocional é a capacidade de perceber, assimilar e controlar nossas próprias emoções ou as dos outros, desenvolvendo nosso intelecto e nosso estado emocional.

Embora muitas vezes a inteligência emocional não figure entre as nossas prioridades, como a capacidade intelectual ou o bem-estar físico, é um aspecto que atravessa grande parte da nossa vida.

Primeiro porque está relacionado diretamente com a união que estabelecemos com nós mesmos e com as outras pessoas. Define a autopercepção, o controle dos sentimentos e a maneira de encarar esses vínculos com nossos pares.

Além disso, também estabelece uma forma de vida e um estilo comunicativo próprio, baseado na nossa visão do mundo, de nós mesmos e dos outros.

5 dinâmicas de inteligência emocional para crianças

A seguir, vamos ver algumas dinâmicas de inteligência emocional para crianças para que vocês trabalhe junto com elas esse aspecto tão importante da personalidade.

a inteligência emocional

1.- Nomes e qualidades

Em uma folha de papel, peça para a criança escrever seu nome e sobrenome. Em seguida, para cada uma das iniciais dos nomes, peça para que ela escolha uma característica positiva que acha que a define. Por exemplo, se a criança chama Alberto, ela pode escolher: amável, leal, bom, enérgico, risonho, tolerante e organizado.

Se o nome e o sobrenome for muito grande, é possível escolher um deles para que o exercício não seja tão difícil.

No outro lado da folha, peça para a criança colocar o nome de alguém importante para ela. Além disso, ela deve escrever palavras que indiquem de que maneira essa pessoa ajudou na sua transformação. Por exemplo: amor, companhia, ajuda, etc.

 2.- A acusação

Nessa outra dinâmica de inteligência emocional para crianças que vamos desenvolver, a professora, a mãe, a tutora ou a pessoa responsável por liderar a atividade deve apresentar uma situação hipotética na qual a criança é acusada de mau comportamento. Pode ser através de uma história (para tornar o exercício mais impessoal) ou se basear na suposta falta de lealdade para com um amigo, apenas para citar dois exemplos possíveis.

Uma vez colocada a situação, a criança deve escrever uma resposta na qual descreve como reagiria nessa situação. Em seguida, são classificados os pontos positivos e negativos e se discute coletivamente por que os primeiros são melhores.

3.- Lista de emoções

Nesse caso, as crianças devem criar uma lista de emoções, sentimentos ou sensações e anotá-los em uma folha de papel. Também é possível fazer de maneira digital se for mais conveniente.

Em seguida, o adulto orientador deve guiar, em grupo ou individualmente, a elaboração de uma definição para cada uma dos itens citados.

Assim como outras dinâmicas de inteligência emocional para crianças, esta visa a identificação dos sentimentos e o verdadeiro entendimento por parte da criança do significado dos emoções que passam pela sua cabeça.

a inteligência emocional

4.- Expressões faciais

Trata-se de uma das dinâmicas mais complexas de inteligência emocional para crianças. Em primeiro lugar, o adulto guia deve ter algumas imagens de rostos que expressem emoções previamente preparadas. Um conselho útil: é possível aproveitar a familiaridade das crianças com os “emojis”, os quais têm a função de representar sentimentos.

Também é possível fazer o contrário: escrever a emoção e pedir para a criança expressar com gestos.

A partir disso, pode-se trabalhar na identificação de um sentimento, enumerar de quais outros sentimentos pode ser acompanhado e contar momentos em que as crianças se sentiram dessa maneira.

5.- Expressão artística

A arte é um dos meios de expressão do ser humano por excelência. As crianças não são uma exceção. Para essa atividade, que pode ser realizada individualmente ou em grupo, o objetivo será se expressar pintando em uma folha de papel as emoções sentidas no momento.

O contexto é extremamente importante para esse trabalho. Pode ser legal colocar músicas para tocar. Se o objetivo for promover alguma sensação em especial, pode-se escolher um gênero adequado. A interação entre as crianças, caso a atividade seja realizada em grupos, está proibida.

Posteriormente, é possível criar um debate no qual cada participante vai explicar seu trabalho e as emoções que escolheu para representar, assim como os motivos da sua escolha.

Como conclusão, podemos garantir que o saber diferenciar, administrar e resolver nossas emoções vai nos permitir levar uma vida mais equilibrada no plano mental. Quanto mais definidas estiverem essas estratégias, mais ativos e resolutivos seremos. Portanto, trabalhar a inteligência emocional desde a infância é uma excelente ideia.

Pode interessar a você...
Como estimular a inteligência emocional dos nossos filhos?
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
Como estimular a inteligência emocional dos nossos filhos?

Inteligência emocional é a capacidade para reconhecer e valorizar nossas emoções e as dos outros, assim nossas ações estarão em sintonia com o que sentimos.



  • Fernández-Berrocal, P., & Extremera Pacheco, N. (2009). La inteligencia emocional y el estudio de la felicidad. Revista interuniversitaria de formación del profesorado, 23(3). https://www.redalyc.org/html/274/27419066006/
  • Gardner, H. (1998). Inteligencias múltiples. Barcelona: Paidós.
  • Goleman, D. (2018). Inteligencia emocional. Editorial kairos.
  • Rangel, A. E. N. (2014). Inteligencia emocional. Salud vida, 1.
  • Trujillo Flores, M. M., & Rivas Tovar, L. A. (2005). Orígenes, evolución y modelos de inteligencia emocional. Innovar, 15(25), 9-24. http://www.scielo.org.co/scielo.php?pid=S0121-50512005000100001&script=sci_abstract&tlng=fr