Corrija o comportamento de seus filhos, não suas emoções

2 de abril de 2017

As crianças podem ser muito dramáticas. Suas emoções frequentemente parecem irracionais e completamente fora de proporção com a situação. Mas isso não quer dizer que você deve corrigir suas emoções.

As crianças têm direito à suas emoções, inclusive quando saem um pouco do que lhe poderia parecer normal. Lhe dizer que suas emoções estão erradas pode ser prejudicial para o seu desenvolvimento emocional.

Aqui lhe diremos como corrigir o comportamento de seus filhos sem afetar suas emoções.

Evite minimizar ou negar as emoções de seu filho

As crianças que acreditam que não devem se sentir tristes fazem grandes esforços para evitar a dor, mas isso não é saudável. O luto é um processo cura.

Da mesma forma, as crianças que pensam que mostrar tristeza ou raiva não é bom, podem apenas fingir e mostrar um sorriso, e se recusarem a falar por si mesmos. É importante saibam que a raiva não é ruim, e não se esqueça, de deixá-los saber.

A forma com que as crianças escolhem para lidar com sua raiva pode levar à decisões saudáveis ou não. Seu objetivo nunca deve ser mudar as emoções do seu filho. Evite dizer coisas como:

  1. Pare de ser tão melodramático.
  2. Pare de chorar ou eu vou lhe dar uma razão para chorar.
  3. Você está ficando louco por nada.
  4. Pare de ser um bebê.
  5. Pare de se preocupar com uma coisa tão boba.

Separe a emoção do comportamento

É importante diferenciar entre o que a criança faz e como se sente. A raiva é um sentimento, e bater é um comportamento. A tristeza é um sentimento, e gritar é um comportamento.

Em vez de convencer o seu filho a não sentir certas coisas, o ensine a como lidar com as emoções desconfortáveis. Demonstre para ele que é normal se sentir com raiva, mas que uma birra não é saudável.

Às vezes os pais pensam que educar uma criança mentalmente forte é sobre a criação sem emoções, mas isso não é verdade. Trata-se apenas de corrigir o comportamento.

Ensine seu filho que ele pode controlar a ansiedade

Se você envia a mensagem de que a ansiedade é ruim, o seu filho irá evitar fazer coisas que o fazem se sentir ansioso. Mostre ao seu filho que as emoções desagradáveis ​​fazem parte da vida. Às vezes você tem que se comportar ao contrário de como se sente.

Por exemplo, explique que ele deve tratar os outros com bondade, mesmo nos dias em que se sentir de mal humor. Mostre a ele que nos dias em que você se sente triste, ainda deve trabalhar. Deixe claro que às vezes você tem que fazer as coisas mesmo quando você não quer.

Ensine-o a controlar suas emoções

Uma grande quantidade de problemas de comportamento resultam da falta de entendimento por parte das crianças sobre suas emoções. Quando você ensina seu filho que suas emoções estão certas e que pode encontrar maneiras socialmente apropriadas para lidar com elas, o mais provável é ver uma grande melhora. Assim o mau comportamento é corrigido de forma adequada.

Encoraje-o para rotular suas emoções. Ensine seu filho a nomear seus sentimentos para que possa começar a desenvolver uma melhor compreensão deles. Ensine também habilidades para enfrentá-los de forma saudável e de uma maneira positiva.

Demonstre que ele pode ter certo controle sobre seus sentimentos

Se o seu filho está de mau humor, fale sobre as escolhas que ele pode fazer e o que irá mantê-lo preso em um mau humor. Também o ajude a ver as opções que poderiam melhorar o seu ânimo.

Discipline o seu filho por comportamentos inadequados. Se o seu filho quebra o brinquedo de seu irmão quando está irritado, aplique uma consequência. Deixe claro que ele não será castigado por seus sentimentos, mas serão dadas consequências por quebrar as regras.

Não permita que seu filho use emoções como desculpas. Se ele diz que não pode fazer sua tarefa porque está triste, não o deixe fugir com isso. Salvo raras exceções, faça-o responsável por seu comportamento. Estas raras exceções podem incluir a morte de um familiar ou outra emergência familiar.