5 valores de toda família feliz

Receber uma educação saudável não significa apenas ter boas notas. Existem valores que os pais devem transmitir aos filhos. Veja alguns deles aqui!
5 valores de toda família feliz

Última atualização: 23 Agosto, 2018

Os valores são crenças que nos permitem moderar a conduta para viver em harmonia com os demais. Aqui te apresentamos os 5 que não podem faltar na sua casa.

A família é um pequeno grupo de pessoas que devem conviver juntas mesmo com os problemas sempre do dia a dia. Isso ocorre porque cada membro tem seus próprios interesses, virtudes e defeitos. Portanto, ser feliz é uma jornada.

No entanto, alcançar uma convivência saudável não é impossível. Vai depender da autoridade, da educação e da negociação. A ideia é utilizar esses três elementos para construir um ambiente agradável para todos os que fazem parte do conjunto familiar.

Obviamente, você irá se perguntar: e como eu posso conseguir isso? A resposta é simples: valores.

5 valores de toda família feliz

Primeiro: o amor

família feliz

A primeira coisa que deve nos unir à nossa família não é o sangue, mas sim o amor. Os gestos afetuosos são uma forma de comunicação que existe entre um casal de pais e seus filhos.

Através do calor compartilhado, nos identificamos com o grupo ao qual pertencemos. Esse sentimento é algo que se sente, mas que também se cultiva. Por isso, nós, pais, devemos acostumar nossos pequenos a ter uma relação estreita, amorosa e aberta dentro de casa.

O amor puro não é suficiente. Uma vez que os outros valores são necessários para facilitar as relações dentro desse núcleo, educar em outros aspectos também é garantir que o afeto e a consideração mútua sejam lei em casa.

Segundo: a obediência

Diferentemente do que algumas pessoas pensam, a obediência não se trata de submeter os pequenos ao mandato dos mais velhos. Falamos mais de um respeito pelas autoridades da casa, fazendo com que as crianças entendam o porquê de cada ordem ou regra.

Nesse sentido, é a lógica que deverá reger a relação entre adultos e crianças. Para isso, é necessário ensinar a razão de existir de cada norma. Por exemplo, para que uma criança tome banho regularmente, é essencial explicar a importância da limpeza.

Com a orientação, também vem a disciplina. Se quisermos que nossos filhos tenham bons costumes, devemos dar o exemplo e exigir. Estabelecer horários é o ideal para que a criança automaticamente faça o que é certo. Monitorar, recompensar ou castigar.

Terceiro: a tolerância

Uma parte importante de viver em grupo é aceitar quem somos e também o que os outros são. Para conseguir isso, devemos incutir a tolerância. Ser tolerantes é entender a existência do outro, a partir de sua realidade. Você se lembra das virtudes e dos defeitos? É disso que estamos falando.

Esse valor passa a inculcar uma série de ideias-chave: o fato de que não somos seres perfeitos, a realidade de que somos diferentes e a possibilidade da compaixão. Este último é dar o braço a torcer e ajudar mesmo quando o outro tiver cometido um erro.

O segredo é identificar os momentos nos quais devemos pedir e aqueles de deixar passar ou perdoar. Lembre-se de que, às vezes, agimos sob pressão e que isso sempre deve ser avaliado. Se seu pequeno aprender isso, você terá proporcionado uma ótima ferramenta para a vida.

Quarto: o respeito

família feliz

Mas nem tudo pode se deixar passar. A tolerância é positiva na medida em que é praticada igualmente entre os membros da família. Se alguns forem tolerantes e outros não, abriremos espaço para o egoísmo e, assim, para as brigas. Para evitar isso, o remédio é o respeito.

Respeitar é evitar fazer mal aos outros

O respeito se baseia na ideia de que todos temos um limite, o qual jamais deve ser violado pelos demais. Está correto assumir que “cada um é como é”, desde que a ação de um não prejudique os outros.

Normalmente, quando não respeitamos, nos impomos aos demais e, portanto, não os deixamos ser como são! Portanto, a regra máxima é “não faça aos outros o que você não gosta que façam com você”.

Quinto: a responsabilidade

Ser respeitoso é ser responsável também com outros familiares. Quando falamos de responsabilidade, nos referimos a tudo aquilo que temos que fazer por nós e por nossos entes queridos.

A convivência requer um trabalho integral

Ser responsável é pensar que há um mundo que nos rodeia e ao qual devemos não só pedir, mas também servir. Para as crianças, devemos lhes explicar que, assim como recebem, também precisam dar.

Esses valores são desenvolvidos quando a criança se comunica com facilidade. Devemos nos lembrar de que esse processo começa a ocorrer inclusive antes de que se inicie a vida escolar.

Pode interessar a você...
Não faça para os outros o que você não quer façam para você
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
Não faça para os outros o que você não quer façam para você

"Não faça para os outros o que você não quer que façam para você" é uma frase que nos incutiram desde que passamos a fazer uso da razão. Alguns dizem que quem a disse pela primeira vez foi Confúcio; outros, que ela está em um versículo da Bíblia.



  • Bojorge-Martínez, A. E. (2016). Los patrones de comunicación familiar y su impacto en la promoción de la dieta correcta y la activación física en la adolescencia. Tesis de Maestría, Maestría en Comunicación de la Ciencia y la Cultura. Tlaquepaque, Jalisco: ITESO.
  • Koerner, A., & Fitzpatrick, M.A. (2002). Toward a Theory of Family Communication. Communication Theory, 12, 70 – 91.
  • Tapia, M. (2008). La Comunicación Familiar: Definición, Teorías y Esquemas. Facultad de Filosofía y Letras. Universidad de Navarra. Pamplona: España
  • Suarez, O., & Moreno, J. (2002). La familia como eje fundamental en la formación de valores en el niño. Carabobo: Universidad de Carabobo.