6 chaves para prevenir a depressão pós-parto

· 20 de maio de 2018
A seguir apresentamos as chaves para te ajudar a prevenir a depressão pós-parto. Você descobrirá que, depois de colocá-las em prática, não serão nada difíceis.

Ainda que seja verdade que gerir as emoções possa ser difícil, não se trata de uma tarefa impossível. E muitas vezes a solução para isso é muito mais simples do que pensamos. E sim, a depressão pós-parto pode ser prevenida com a adoção de bons hábitos.

Trata-se de um conjunto de ações que se complementam entre si, proporcionam bem-estar e, consequentemente, permitem que a mulher desempenhe seu papel de mãe de forma adequada. Pronta para colocar estas chaves em prática e desfrutar de uma vida mais tranquila e saudável? Então, vamos em frente.

As chaves para prevenir a depressão pós-parto

1. Informe-se sobre a maternidade

Quando se trata de prevenir a depressão pós-parto, é sempre uma boa ideia estar bem informada. Para isso, o melhor é consultar fontes médicas oficiais, livros ou simplesmente perguntar ao nosso médico de confiança. Ele será a pessoa mais qualificada para esclarecer dúvidas e oferecer informações precisas.

chaves para prevenir a depressão pós-parto

2. Alimente-se de forma adequada

É importante manter em mente que uma boa alimentação não é importante apenas quando o bebê está na barriga da mãe, mas também após o parto. O equilíbrio de nutrientes favorece o funcionamento correto do organismo e isso resulta em bem-estar.

É preciso lembrar que o compromisso com a saúde nunca deve ser limitado a apenas uma etapa; de fato, o mais aconselhável é levar um estilo de vida saudável que seja mantido ao longo do tempo.

3. Tente descansar bem

Ao chegar a este ponto, você certamente terá percebido que saber cuidar dos aspectos básicos da vida melhora bastante o dia a dia e não representa qualquer dificuldade. Tudo se trata de adotar bons hábitos para poder viver bem.

Certamente, os primeiros meses após o nascimento do bebê são esgotadores para os pais, especialmente para a mãe. No entanto, você não deve deixar de tentar dormir bem. Muitas mães optam por descansar quando o bebê dorme, enquanto outras contam com a ajuda de familiares. Ambas as opções são válidas.

Considera-se que a falta de sono tem uma influência negativa nas pessoas. Tendo em vista que a falta de sono faz com que a irritabilidade esteja à flor da pele, isso faz com que haja um mau controle das emoções e, portanto, das diferentes atividades que são realizadas. Por isso, é muito importante dormir bem se você quiser evitar a depressão pós-parto.

4. Reserve um tempo para você

Outra chave muito simples, porém eficaz, é simplesmente reservar um tempo para se distrair. Neste sentido, limpar a mente através da mudança de atividades e de ambiente ajuda a recuperar as energias e remover as nuvens negras.

Em outras palavras, as mães precisam de um tempo apenas para elas. Um tempo para se sentirem livres, fazer o que quiserem e descansar das responsabilidades que a maternidade implica.

Atenção: delegar o bebê brevemente não significa que a mulher é uma mãe ruim ou que ela não ame seu filho; pelo contrário, indica que ela sabe cuidar de si mesma para poder ter um melhor desempenho como mãe.

Muitas vezes, é suficiente sair para o jardim, caminhar um pouco ou tomar um banho relaxante, assistir a um filme ou simplesmente curtir um pouco da companhia de outras pessoas. Tudo vai depender da mãe e de suas preferências.

Não negligencie o relacionamento do casal

5. Não negligencie o relacionamento do casal

É normal que o relacionamento do casal passe por mudanças com a chegada do bebê. Agora, para não negligenciar o amor, devemos permitir que tudo flua naturalmente, sem forçar as coisas. A chave aqui será o trabalho em equipe: o apoio mútuo, gestos de afeto, a colaboração e a divisão justa de responsabilidades ajudarão ambos a se sentirem bem e a manter um relacionamento de casal saudável.

6. Expresse-se e cuide-se

Para prevenir a depressão pós-parto, é importante desabafar, se expressar e cuidar de si mesma no plano psicológico. Por esta razão, se você perceber que algo não está indo bem dentro de você, que você tem sentimentos mistos com os quais você não sabe lidar, evite ficar calada, pois isso pode te prejudicar a longo prazo. Em vez disso, tente conversar com alguém da sua confiança e, se for o caso, procure ajuda profissional.

Por outro lado, tente manter uma boa comunicação com o seu parceiro para que, entre os dois, tentem encontrar uma solução para aquilo que te preocupa. Lembre-se de que você não está sozinha e de que todos os problemas têm uma solução. Ainda que ser mãe não seja fácil, vale a pena viver essa experiência. Coragem! 

  • Evans, M., Vicuña, M., & Marín, R. (2003). Depresión postparto realidad en el sistema público de atención de salud. Revista chilena de obstetricia y ginecología, 68(6), 491-494.
  • Hasbún Hernández, J., Risco Neira, L., Jadresic Marinovic, E., Galleguillo U, T., González A, M., & Garay S, J. (1999). Depresión postparto: prevalencia y factores de riesgo. In Rev. chil. obstet. ginecol.
  • Medina, E. (2013). Diferencias entre la depresión postparto, la psicosis postparto y la tristeza postparto. Perinatología y Reproductiva Humana.
  • Mendoza, C., & Saldivia, S. (2015). Actualización en depresión postparto: el desafío permanente de optimizar su detección y abordaje. Revista médica de Chile, 143(7), 887-894. https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?pid=S0034-98872015000700010&script=sci_arttext
  • Miranda Moreno, M. D., Bonilla García, A. M., & Rodríguez Villar, V. (2015). Depresión Postparto. Trances.