7 dicas para que seu bebê durma a noite toda

· 21 de outubro de 2018
Manter o ritmo que requer cuidar de um bebê durante seus primeiros meses de vida, geralmente tende a ser cansativo para a mãe.

O cansaço aparece, principalmente, porque a criança não dorme a noite toda. Portanto, a mãe também não pode descansar por longas horas de maneira ininterrupta.

O fato de que o bebê não durma a noite toda é um mecanismo de sobrevivência.

Os bebês estão constantemente em alerta, acordam muitas vezes se estão desconfortáveis, com fome ou somente para comprovar que você está por perto.

A boa notícia é que, conforme vão crescendo, seus ciclos de sono se tornam cada vez mais longos, quase como os de um adulto.

Durante os primeiros 6 meses, você notará grandes mudanças. A partir dessa idade, os bebês têm um desenvolvimento significativo que fará com que um sono noturno seja mais contínuo e tranquilo.

Apesar disso, nem todas as crianças se desenvolvem e se comportam da mesma forma. Algumas dormirão a noite toda desde os 6 meses. Outras farão isso quando tiverem completado 2 anos ou mais.

O que fazer para que seu bebê durma a noite toda

Estabeleça rotinas

Os especialistas recomendam que, na medida do possível, é preciso estabelecer um horário e cumpri-lo todos os dias.

Isso serve para criar, pouco a pouco, um bom hábito de sono que favoreça o maior tempo de descanso possível.

 a noite toda

Coloque-o no berço antes que adormeça totalmente

A ideia disso é que o bebê desenvolva a consciência de que adormece no berço e acorda no mesmo lugar.

Se ele adormece no seu quarto, na sala ou em qualquer parte da casa e, em seguida, é levado para o berço, existirão grandes possibilidades de que ele perceba a mudança ao ser colocado em outro lugar. Portanto, irá acordar.

Deixe passar um tempo entre a última mamada e o berço

Não deite o bebê imediatamente após tomar a mamadeira ou mamar no peito. Isso porque pode provocar regurgitações, gases ou cólicas.

Certifique-se de que se passaram, pelo menos, 20 minutos para evitar que esses incômodos não o deixem dormir.

Se ele acordar durante a noite, não corra para o quarto imediatamente

Geralmente, as mães vão imediatamente ao resgate de seu pequeno assim que ouvem que ele acordou ou chorou um pouco.

A recomendação é que você tenha um pouco de paciência. Fique perto do quarto da criança, mas em silêncio e espere para ver se ela volta a dormir sozinha.

Se, em todo caso, seu filho não consegue adormecer sozinho, vá ao lado dele e tente acalmá-lo docemente, com carícias ou canções e sem acender a luz.

Principalmente, evite tirá-lo do berço. Console-o, mas ao lado dele, para que ele compreenda que deve continuar dormindo.

Se você ainda amamenta, ofereça seu leite

Talvez a criança não esteja com fome. Mas está comprovado que em seu peito, a criança não somente busca alimento. Ela também se reconforta e se acalma.

Ouvir as batidas do seu coração é um dos métodos mais eficazes para que a criança consiga se acalmar. Se ela estiver calma, será fácil conciliar o sono.

Se seu bebê está saudável e tem um bom peso, não precisa de mamadas noturnas

Se seu bebê tem mais de 8 meses, está saudável e ganha peso com o passar do tempo, não é necessário que você faça a mamadeira para a noite.

Muitas vezes, o que as crianças têm é sede em vez de fome. Portanto, ofereça-lhe uma mamadeira, mas com água.

A simples sensação de estar sugando pode relaxar seu bebê e fazê-lo adormecer novamente.

a noite toda

Certifique-se de que o bebê durma o necessário durante o dia

Os cochilos nessa idade são muito importantes. Não acredite que ele dormirá melhor se dormir menos horas durante o dia.

Não é recomendável interromper os cochilos para evitar que o bebê tenha sono na hora acostumada. Isso porque o próprio cansaço pode impedi-lo de conciliar bem o sono à noite.

É importante que os bebês durmam em um ambiente confortável e em um quarto com um clima agradável.

Antes de fazer qualquer mudança na rotina da criança, é necessário saber que um bom hábito de sono se tornará uma base sólida para que, no futuro, seu filho não desenvolva nenhum problema de saúde, como, por exemplo, insônia, dores de cabeça, alterações de humor, falta de concentração e inclusive distúrbios de apetite.