7 passos para evitar a violência contra a mulher

· 30 de janeiro de 2018

Evitar a violência contra a mulher está em nossas mãos. Devemos saber reconhecer qualquer tipo de situação que nos atinja e interrompê-la a tempo.

Nós mulheres devemos ficar muito atentas a qualquer indício de maus-tratos por parte do nosso companheiro ou de qualquer outra pessoa. Desde quando somos crianças, a sociedade sempre nos ensinou que devemos evitar a violência contra a mulher e denunciar qualquer ação que nos faça mal sem esconder essa situação.

Para muitas mulheres que vivem uma situação de violência, é realmente difícil enfrentá-la. Por isso, muitas vezes elas preferem suportar, pensando que em algum momento vai parar ou que não vai acontecer mais. O que devemos saber é que o companheiro ou a pessoa que inicia algum tipo de violência, seja física ou verbal, certamente não vai parar.

Quais são os tipos de violência contra a mulher?

Como ressaltamos anteriormente, não existe apenas um tipo de violência contra a mulher. A violência e o abuso podem acontecer em várias situações e em diferentes ocasiões. Em relação à maneira de realização da violência, diferenciamos as situações entre:

Violência física

Esse pode ser o tipo de violência mais evidente, pois deixa marcas externas. Esse tipo de violência está relacionado a qualquer dano e sofrimento físico da mulher causado por outra pessoa. Pode-se perceber através de hematomas, queimaduras, feridas e outras lesões físicas.

Violência psicológica

Ocorre principalmente quando as mulheres são humilhadas e tentam disfarçar como se não tivesse acontecido nada. Embora essa situação muitas vezes passe “despercebida”, pode causar baixa autoestima e problemas psicológicos. No futuro, a mulher vai repetir esse tratamento com os filhos e outras pessoas.

violência contra a mulher

Também podemos classificar a violência com base nos âmbitos nos quais se desenvolve. Entre os quais distinguimos:

Violência obstétrica

Quando se fala desse tipo de violência, refere-se a situações em que as decisões que caberiam à mulher são tomadas por outra pessoa frente a representantes da saúde no momento da realização de alguma intervenção médica. Também pode envolver tratamentos desumanizados da mulher por parte de equipes médicas.

Violência sexual

Esse tipo de violência inclui tudo o que houve antes do ato sexual em si quando este acontece por meio de agressão e sem o consentimento da mulher. Também pode acontecer ao não se permitir que a mulher tome decisões em relação à sua sexualidade. A mulher tem o direito de decidir com quem, quando e como tem relações.

Violência simbólica

Esse é um dos tipos de violência mais naturalizado porque pode ser observado no dia a dia. São principalmente todas as mensagens, ícones, publicidade e, até mesmo, as letras das músicas que desvalorizam as mulheres. Por exemplo, quando destacam a mulher como fraca e delicada.

Violência no trabalho

É bastante comum que a violência no trabalho aconteça contra a mulher. Muitas vezes, essa violência se esconde sob infinitas desculpas sem nenhum tipo de valor. É importante, como mulheres, estarmos seguras das nossas capacidades e dos nossos conhecimentos para que isso não aconteça.

“Ciúmes sem razão, invasão da privacidade e isolamento das amizades também é um tipo de violência contra a mulher”

Passos para evitar a violência contra a mulher

Ao perceber qualquer tipo de violência, devemos seguir uma série de passos para detectar e impedir a tempo a situação. Pode acontecer e m qualquer momento e todas as mulheres estão sujeitas a passar por essa situação. Por isso devemos ficar atentas e agir o quanto antes.

violência contra a mulher

  1. Identifique o ato de violência. Frente à suspeita de que alguma pessoa próxima possa ser violenta, devemos analisar muito bem como ela nos trata. Se ainda não temos certeza de que é um ato de violência, sempre podemos contar para uma amiga ou algum familiar e saber a opinião dessa pessoa.
  2. Não normalize os atos de violência. Quando fazem comparações destrutivas que nos envolvem ou quando somos empurradas, por exemplo, estamos sofrendo um ato de violência que devemos denunciar. Se vemos esse tipo de ato como algo normal e continuamos permitindo, eles não vão parar nunca de acontecer e serão cada vez mais prejudiciais para nós mesmas.
  3. Busque apoio. Quando somos violentadas de maneira constante, é necessário encontrar apoio nas pessoas próximas. Assim poderemos nos sentir com muito mais força e enfrentar a situação.
  4. Seja forte como uma mulher. Essa não é uma tarefa simples. Mas também não é impossível e todas as mulheres podem conseguir. O segredo está em ser forte e tomar a decisão. Devemos ter claro na nossa mente que estamos sofrendo violência e nos visualizar livres dela.
  5. Busque ajuda psicológica. É normal que quando vivemos uma situação de violência, nossa autoestima diminua. Além de nos sentirmos inseguras e desvalorizadas. Frequentar a terapia vai nos ajudar a recuperar toda essa confiança que perdemos por causa da violência.
  6. Pesquise tudo que puder sobre maus-tratos contra a mulher. Há mais chances de evitar a violência se estivermos corretamente informadas, não apenas por nós mesmas, mas também caso uma amiga ou um familiar passe por alguma situação de violência.
  7. Se você perceber algum tipo de violência, denuncie. Esse é um dos pontos mais importantes para evitar a violência contra a mulher. Se percebermos alguma atitude violenta, não devemos ficar caladas. Denunciar é o mais importante.

Frente a qualquer situação que possa nos atingir ou nos fazer mal, o mais importante é ter a determinação de sair dela. Qualquer mulher está sujeita a sofrer algum tipo de violência. Estar informada e pesquisar é essencial para impedir qualquer situação desse tipo. Evitar a violência contra a mulher é, sim, possível!