Como ensinar o seu filho a se defender?

· 21 de novembro de 2017

Você já falou tentou fazer seu filho compreender que nem todas as pessoas ou crianças ao seu redor são totalmente boas? Seu filho vai crescendo e, pouco a pouco, vai se dar conta por si só de que realmente existem pessoas cruéis. Você já ensinou o seu filho a se defender desse tipo de pessoa?

Nossa sociedade ajudou a desenvolver diferentes padrões de comportamento, espaço em que convivem padrões bons e maus diariamente. Por essa razão, toda criança deve aprender o máximo possível a diferenciar quais são as pessoas que lhe trazem bem-estar e quais não. Dessa forma, ele vai evitar atrair somente pessoas problemáticas, que não lhe trazem nada de positivo.

Preste atenção! Defesa sem violência

Quando analisamos o comportamento das crianças diante de uma discussão ou briga, frequentemente, costumamos confundir defesa com violência. Esses dois conceitos não têm nada a ver um com outro. Quando a criança se sente agredida seja física ou verbalmente, ela tem todo o direito de reagir em defesa de sua integridade e dignidade.

Chegar ao ponto em que a única forma de se comunicar é por meio da violência não se justifica em hipótese alguma. Porém costuma acontecer frequentemente entre os meninos. Não devemos nos esquecer que da mesma forma que acontece com os adultos, as tensões, as disputas e as brigas também ocorrem entre as crianças, e esse tipo de situação pode repercutir no caráter do seu filho.

A violência é apenas o caminho rápido, o caminho dos desesperados, dos que não sabem se utilizar de outras ferramentas melhores.

Com frequência, costumamos confundir defesa com violência e esses dois conceitos são completamente diferentes entre si. A violência significa agir de forma a agredir o outro. Enquanto a defesa consiste em evitar que outro indivíduo nos agrida.

crianças brigando por um bichinho de pelúcia

A primeira, então, é uma atitude que busca machucar o outro. Enquanto a segunda, quer dizer, a defesa, busca preservar o próprio bem-estar sem ter como objetivo machucar o outro necessariamente.

A fim de evitar que seu filho tenha dificuldade de se comunicar com os outros, lembre-se de ensinar valores básicos. Ensine, principalmente, que a violência não deve tomar o espaço da defesa.

Como ensinar o seu filho a se defender

1.Incentive-o a tentar entender os motivos do outro e a ver as coisas com certa objetividade. Assim, você evita que ele se vitimize. Lembre-se de que isso é um bom exercício, que ajuda a ensinar-lhes a administrar os conflitos de maneira adequada.

2.Faça-o saber que as ofensas dos outros não têm importância quando não são verdadeiras. O mais importante é ter confiança em si mesmo. Além de não dar poder para o que qualquer um fale a respeito de nós ou de nossas ações.

3.Evite que seu filho reproduza a mesma crueldade que recebe. Essa não é a forma de se fazer respeitar e muito menos de conseguir estabelecer laços saudáveis.

4.Faça-o saber muito claramente que a violência nunca é a solução. É fácil bater, mas há consequências. Evite estimular atitudes de valentão e comportamentos agressivos, já que isso só contribui para inculcar na cabeça dele valores errados.

5.Sob nenhuma circunstância estimule seu filho a fugir. No entanto, você pode sim ensinar a evitar na medida do possível dar motivos para briga.

6.Permita que seu filho expresse seus sentimentos e suas emoções livremente, para que não se sinta julgado. É muito importante que você o escute e responda, isso vai ajudá-lo a desabafar e liberar a tensão. Além disso, vamos estabelecer um vínculo de confiança superior se lhe permitimos se expressar e compartilhar conosco aquilo que o incomoda.

Geralmente, existe a tendência de dar pouquíssima importância ao que as crianças estão explicando ou ao que lhes está afetando; devemos nos lembrar que para ela o problema tem muito mais importância e tamanho. Dessa forma, você deve escutá-la com atenção para ser capaz de aconselhá-la da melhor maneira.

crianças jogando vôlei

Ensinar a se defender é crescer

Se o seu filho se defende, mas ainda assim uma criança cruel consegue intimidá-lo, ensine-lhe que nesses casos, ele vai ter que buscar a ajuda de um adulto para ser capaz de solucionar a briga e aplicar os corretivos necessários. Sob nenhuma hipótese deixe seu filho ser agredido fisicamente.

Você deve ajudar o seu filho a entender que ele ganha muito mais entendendo os outros através da empatia e do respeito do que com violência.

Além disso, quando a situação exigir a intervenção de um adulto, você vai ter que levar em consideração que se tratarmos essa criança cruel com respeito e amabilidade, vamos conseguir fazer com que ela entenda porque não deve continuar incomodando os outros como forma de se sentir melhor consigo mesma.

Para a criança cruel, o simples fato de ser tratado com amabilidade vai fazê-la se perguntar o que está acontecendo. E também vai colocar um freio ao seu comportamento negativo.

Além disso, vai ser a primeira vez que ela vai ser chamada atenção para perceber que a crueldade é uma forma errada de chamar a atenção, além de revelar ausência de controle, e, inclusive, uma carência afetiva imensa.

Muitos pais optam por inscrever seus filhos em atividades extracurriculares esportivas para ajudar os pequenos a desenvolver a força necessária para enfrentar determinadas ameaças, como no caso do bullying.

As artes marciais costumam ser as mais escolhidas, mas devemos nos lembrar que também existem atividades com quais é possível aprender a se defender sem violência alguma. Essas seriam atividades esportivas como: o vôlei, o basquete, o tênis, o futebol, etc.

Por quê? Porque todos esses esportes têm tanto estratégias de “ataque” quanto de “defesa” que ajudam as crianças a administrar melhor os conflitos.