8 sinais de que você é uma mãe superprotetora

· 12 de fevereiro de 2018
Os pais querem sempre o melhor para seus filhos. No entanto, muitas vezes o que achamos que é bom acaba por prejudicar os pequenos. Você sabe quais características definem um pai ou uma mãe superprotetores?

A superproteção é praticada por pais que evitam, às vezes inconscientemente, que seus filhos assumam suas próprias vidas. Caracteriza-se porque faz com que os filhos fujam ou não se ocupem das suas responsabilidades, liberdade e experiências próprias de cada idade.

Alguma vez você já se perguntou se você é uma mamãe superprotetora? Analise esses sinais e descubra!

Lembre-se de que sua tarefa como mãe não deve focar somente em proteger seus filhos e evitar o confronto. Também é necessário proporcionar ferramentas para enfrentar e superar desafios para ser pessoas independentes e capazes.

“As crianças que ouvem apenas elogios ficam viciadas em receber elogios. Elas evitam as tarefas difíceis nas quais se sentem inseguras e acabam fracassando quando se envolvem em atividades nas quais não são boas”

–Ashley Merryman–

Coisas que uma mãe superprotetora faz

1.- Tenta resolver todos os problemas das crianças

Quando surgem as dificuldades, as mães superprotetoras assumem o controle rapidamente. Elas se esforçam ao máximo para que seus filhos não sintam nenhum tipo de desconforto.

Para que os filhos não sofram, não permitem o desenvolvimento da tolerância à frustração e da capacidade para resolver problemas.

2.- Ter contato muito frequente com a escola das crianças

Em vez de ensinar às crianças como agir em determinada situação, elas buscam intervenções de terceiros. Quando há um problema na escola, os pais superprotetores recorrem aos professores para que resolvam os problemas.

Não importa se se trata de uma insignificância, eles buscam urgência e mantêm seus filhos numa bolha.

mãe superprotetora

3.- Fazer qualquer coisa para garantir que seus filhos tenham sucesso em tudo

Os seres humanos aprendem milhares de lições a partir dos erros e da frustração. No entanto, a superproteção faz com que as crianças não se envolvam em atividades nas quais não se dão bem.

De novo, a intenção é boa, mas se está privando a criança de explorar e desenvolver habilidades novas.

4.- Ser extremamente condescendente quando as coisas não dão certo

É maravilhoso quando as crianças sabem dar nome às emoções e expressar o que sentem. Mas elas também precisam aprender a lidar com a tristeza, a raiva e a impotência.

Mais do que qualquer coisa para que se sintam bem, é preciso ajudá-las a aceitar o que acontece e superar.

5.- Controlar as amizades

As pessoas com as quais as crianças convivem na infância e adolescência podem influenciar muito nos seus comportamentos. Uma mãe superprotetora vai evitar ao máximo que as crianças se envolvam com outras crianças se não as considerarem “boas”.

Contrariamente a isso, são as crianças que na verdade devem se dar conta de quem faz bem e de quem não faz. Aprender a criar relações interpessoais saudáveis é outra habilidade que as pessoas devem desenvolver por si mesmas.

6.- Ser muito invasivo no mundo dos filhos

Vigiar excessivamente o que as crianças fazem acaba sendo um pouco doentio. É muito bom quando uma mãe procura o bem-estar dos filhos, mas levar isso ao limite é prejudicial.

Com o passar do tempo, as crianças vão exigir intimidade e vão começar a construir a própria vida. É uma coisa normal, que faz parte do processo de amadurecimento. No entanto, pais superprotetores não vão respeitar os limites e os direitos dos filhos de manter coisas em segredo.

mãe superprotetora

7.- Atribuir poucas tarefas ou responsabilidades em casa

A cooperação e o senso de pertencimento a uma família se constrói graças à disciplina. Muitas crianças que são superprotegidas não entendem muito bem o conceito de reciprocidade ou de contribuir com o funcionamento da sociedade.

Se isso acontecer, as crianças vão sentir que seus próprios sentimentos, pensamentos e necessidades devem ser prioridades de todos.

8.- Disfarçar as realidades do mundo

Como adultos, os pais sabem que no mundo há injustiças, maldade e situações desagradáveis. As crianças também precisam saber da existência desses perigos e estar preparadas para superá-los.

De outra maneira, elas vão correr o risco de serem engolidas por um mundo feroz para o qual não foram educadas.

Quantos desses sinais de uma mãe superprotetora você identifica em você mesma? Mesmo que você queira o melhor para seu filho, é necessário que ele aprenda a estar preparado para os momentos difíceis.

Você nem sempre vai estar presente para ajudar em tudo que seu filho precisar. Ensine independência e resiliência!