A importância do ácido fólico na gravidez

8 de junho de 2018
O ácido fólico é o grande aliado das mães para prevenir complicações no desenvolvimento do feto e reduzir as chances de um parto prematuro. Neste artigo, vamos contar quais são seus enormes benefícios e em quais alimentos podemos encontrá-lo.

Quando uma mulher em período de gestação vai ao médico, uma das primeiras recomendações que ele vai fazer é ingerir ácido fólico durante a gravidez. O consumo desse suplemento por mulheres grávidas é comum. Por isso, é importante saber qual é sua contribuição ao organismo.

O que é o ácido fólico?

Também chamado de folato ou folacina, o ácido fólico é uma vitamina hidrossolúvel (vitamina B9) pertencente ao grupo B. Sua presença nas folhas de espinafre foi descoberta nos anos 1940; assim, seu nome deriva do latim ‘folia’, que significa folha.

Depois de uma síntese de folacina, obtém-se o chamado ácido fólico, muito popular entre as mulheres grávidas. Na síntese de ácidos nucleicos ou DNA, o ácido fólico desempenha um papel importante. Ele contribui para que as células se dupliquem com sucesso.

O consumo dessa vitamina, embora seja mais comum em mulheres grávidas, pode também ser receitado para outros pacientes.

Benefícios de consumir ácido fólico na gravidez

Previne o parto prematuro e as malformações

A ingestão de ácido fólico pelo menos doze meses antes da concepção reduz em aproximadamente 50% as chances de ter um parto prematuro.

Ao mesmo tempo, essa vitamina é essencial para prevenir malformações na coluna e na cabeça do bebê durante a gravidez. O tubo neural é a estrutura responsável por dar origem à coluna vertebral; seu período de formação conclui no 28º dia após a concepção.

O ácido fólico previne defeitos no fechamento do tubo neural, ajudando, assim, a evitar doenças no feto, tais como:

  • Espinha bífida. Essa malformação é produto do fechamento incompleto do tubo neural ao final do primeiro mês de vida do embrião. Não é um distúrbio hereditário e existem duas variações: espinha bífida oculta ou espinha bífida cística.
  • Encefalocele. É uma doença congênita na qual ocorre a herniação de um dos divertículos do tecido cerebral e da meninge.
  • Anencefalia. É a ausência de massa cerebral.

Outro dos benefícios de ingerir ácido fólico na gravidez é que contribui para o fortalecimento da saúde cardíaca. Além disso, promove a divisão celular, essencial para a formação de tecidos e órgãos do feto.

 “Na síntese de ácidos nucleicos ou DNA, o ácido fólico desempenha um papel importante. Ele contribui para que as células se dupliquem com sucesso.”

Doses de ácido fólico recomendada na gravidez

Quando uma mulher planeja engravidar, o recomendável é que comece a consumir ácido fólico três meses antes do momento da concepção.  Nesse período anterior à gravidez, a dose recomendada é de 400 microgramas diários. No entanto, essa dose pode varia de acordo com cada organismo.

Nos primeiros três meses de gestação, a dose aumenta: sobe para uma faixa de 600 a 800 microgramas diários. Nesses casos, as doses também podem variar dependendo das necessidade de cada mulher.

Se a mãe tiver antecedentes familiares de bebês que nasceram com defeitos no tubo neural, provavelmente a dose vai aumentar até 4.000 microgramas ao dia.

Alimentos ricos em ácido fólico

Para além da suplementação farmacológica, a mulher deve ter uma dieta rica em ácido fólico na gravidez.  Existem alimentos de origem animal e vegetal que contêm vitamina B9, mas as quantidades podem não ser suficientes. Por isso, os requerimentos diários devem ser supridos com dieta e suplementos.

Origem vegetal

  • Verduras de folha verde: alface romana, folhas de nabo, espinafre, couve-de-bruxelas e couve.
  • Frutas: toranja, uvas, laranja, melão, mamão e morango.
  • Vegetais: aspargos, brócolis, quiabo, couve-flor, beterraba, aipo, cenoura, abóbora e abacate.
  • Sementes e nozes: linhaça, girassol, nozes, amêndoas e amendoins.
  • Grãos: ervilhas, lentilhas, grão-de-bico, feijão carioca, preto e branco.

Origem animal

  • Fígado de vitela.
  • Miúdos de frango.
  • Fígado de peru.
  • Mariscos.
  • Peixes.

Outros alimentos que foram artificialmente enriquecidos também fornecem boas doses de ácido fólico. Alguns são os cereais integrais, a farinha de trigo e os produtos preparados a partir desses alimentos como, por exemplo, pão integral.

Além dos benefícios significativos que tem para o feto, consumir ácido fólico na gravidez também traz muitos outros benefícios para a mulher ao longo da gestação. Por exemplo, fortalece a estrutura do cabelo e evita sua queda, além de prevenir o ressecamento, promover o brilho e adiar o aparecimento dos cabelos brancos.

Em suma, o ácido fólico ajuda na prevenção da anemia e contribui para a absorção de nutrientes como proteínas e carboidratos. Como você pode ver, trata-se de um nutriente imprescindível nessa fase.