A maternidade pode mudar suas emoções

16 de julho de 2018
A maternidade pode te transformar de muitas maneiras, por isso também é capaz de mudar suas emoções.

A chegada de nosso primeiro bebê pode aflorar sentimentos nunca antes sentidos porque é diferente de qualquer outra emoção já vivida anteriormente; também se trata de uma mudança permanente em nossas vidas.

Entende-se que o cérebro materno tem muitas variações em relação ao cérebro de outras pessoas. Por isso, envolve uma série de ações e sentimentos diferentes do resto da humanidade. No entanto, quando falamos de emoções nem todas são positivas e tampouco são consistentes na maioria das pessoas.

A maternidade pode mudar nossas emoções, para melhor ou para pior. Podemos falar de um vínculo afetivo impossível de dissolver, mas que é diferente em cada pessoa. Desde a gravidez, se experimenta uma mudança emocional em princípio atribuída às alterações hormonais, mas que logo se transforma em um reflexo instintivo que sabemos que não é inteiramente comprovável.

De qualquer maneira, é um fato que nos transformamos emocionalmente quando nos tornamos mães. As emoções positivas nos farão mais felizes e irão basear a maioria das crenças sobre a maternidade. Por sua vez, as negativas irão justificar a origem de certos distúrbios psicológicos pós-parto.

mudar suas emoções

A maternidade é desde a gravidez um processo revolucionário que pode desconcertar qualquer mulher, especialmente no caso das mães de primeira viagem. Assim como a mudança física, é produzida uma transformação abrangente que nos faz desconhecermos a nós mesmas.

Por essas razões a maternidade consegue mudar suas emoções

Uma vez que o bebê nasce, a vida continua a mudar, assim como as emoções. Cada ação nos leva a mudar a nossa percepção do mundo e os sentimentos revolucionam nossa mente completamente; sem planejar, as novas sensações nos fazem mudar pelas seguintes razões:

  • A responsabilidade já não é a mesma. Não se trata de tarefas que podem esperar, mas da vida de um ser muito importante. Automaticamente nos tornamos a pessoa de quem essa pequena parte de nós depende; algo que nos faz feliz e que, em grande parte, está além de nós.
  • Te enche de sentimentos positivos. Você quer compartilhar tudo com o bebê. Você deixa de lado seus planos e aspirações pessoais, pensa de outra maneira no futuro e se enche de ternura. Em suma, seu coração se suaviza.
  • Te fortalece como pessoa, pois você consegue superar a maioria dos obstáculos. Os medos desaparecem e você leva o seu corpo ao limite: deixa de dormir e comer como antes.
  • Aflora certo instinto primitivo, capaz de ajudar a te guiar pelos sonos do bebê, identificar alguns odores e apreciações derivadas da informação fornecida pelos sentidos.
  • Você tem uma nova motivação. Agora é o amor a força que te permite ser mais perseverante. De alguma forma, você se enche de declarações que te fazem lutar, defender e obter o que você propõe.
  • Um novo tipo de vínculo emocional nasceu em você. Um vínculo que não te conectou igual com sua família ou com seu parceiro; sem saber, você se torna uma nova pessoa. Uma pessoa que vive e age incondicionalmente por alguém que não é ela mesma.
  • Desaparecem muitos medos e nunca mais nos sentimos sozinhas. Primeiramente isso se deve à companhia do bebê, fisicamente presente todos os dias do ano; mas depois embargadas pelo amor e a fé de vê-lo novamente.
  • Nos tornamos mais pacientes, menos egoístas e mais motivadas, seja qual for a situação. Não vamos nos importar em ficar acordadas, acordar assustadas ou correr ao resgate sem esforço.

As emoções negativas

Embora a maior parte das emoções que mudam se relacionam com o aspecto positivo, os especialistas consideram que são muitas as emoções negativas que afetam as mães desde o processo de gestação. A maternidade, portanto, deixa as mulheres mais propensas a depressão, ansiedade, estresse pós-traumático e certo grau de frustração.

mudar suas emoções

Em algum momento da maternidade, as mães começam a sentir que perderam a sua independência, os seus poderes e até mesmo a sua atratividade física. Também é impossível evitar a sensação de angústia e o medo de aconteça algo de ruim com seu filho.

Outro sentimento perturbador é quando se pensa sobre o futuro de uma maneira incerta. Se nós não estamos trabalhando ou não temos um companheiro para sustentar a criação, isso representa um estado de incerteza, sem dúvida, difícil de controlar.