A posição do feto indica como será seu parto

· 11 de junho de 2018
A escolha entre o parto natural e a cesariana depende, em grande medida, da posição do bebê. Nos acompanhe neste artigo para conhecer as possíveis posições e como elas podem influenciar no tipo de parto.

A posição do feto indica como será seu parto. Esta afirmação indica se você poderá realmente ter seu bebê por parto vaginal ou se deve recorrer a uma cesariana. 85% dos bebês encontram-se de cabeça para baixo na chamada posição cefálica. Essa é a mais natural e facilita o parto vaginal.

No entanto, nem todos os casos são os mesmos. Muitas vezes, o bebê não entra na posição cefálica nos meses estipulados. Portanto, abordaremos essa questão para que você conheça todos os aspectos relacionados a esse fenômeno, que podem definir o tipo do seu parto.

A posição do feto indicará como será o parto

É muito importante que o bebê esteja posicionado corretamente na pélvis para que a mulher possa ter um parto vaginal ou até mesmo uma cesárea mais fácil. Perto do sétimo mês de gravidez, o feto começa a entrar na posição cefálica. Assim, ele coloca a cabeça perto da pélvis da mãe.

Essa ação acontece automaticamente. Estima-se que em mães de primeira viagem e mulheres que estão em seu segundo nascimento o bebê pode mudar de posição no oitavo mês; ou até mesmo em apenas algumas semanas antes do parto.

No entanto, existem também outras posições em que seu bebê pode se encontrar e que podem complicar ou facilitar o trabalho de parto. Algumas delas são:

A posição cefálica anterior

Nesta posição, os bebês colocam sua nuca na frente da pélvis. Desta forma, o parto é facilitado e faz com que se desenvolva no menor tempo possível.

A postura do feto indica como será seu parto

A posição cefálica posterior

Também é considerado uma posição bastante aceita. No entanto, se o bebê descer com a nuca em direção à coluna da mãe, isso levará a mãe a sentir dores nas costas e fadiga, além de provocar uma maior duração do parto.

Quando as crianças estão nas posições cefálicas, estima-se que a mãe quase certamente terá um parto normal. Dependendo se o feto consegue se rearranjar na posição cefálica posterior, é possível que o fórceps possa ser usado para concluir o trabalho de parto.

A postura do feto indica como será seu parto

Posturas que exigirão uma cesárea

No entanto, existem outras posições que, ao contrário, exigem uma cesárea para poder retirar o bebê. Elas são:

Posição de rosto

Ocorre quando a mãe tem um problema no útero; isso induz a criança a levantar seu rosto ou testa. Por essa razão, o diâmetro fica muito grande para que a criança possa sair, já que a mãe dificilmente poderá dilatar e empurrar o suficiente para conseguir a expulsão.

Posição transversal

Os números indicam que aproximadamente 0,2% de gestantes geram seus bebês em posição transversal. Como o nome indica, eles estão deitados horizontalmente no canal de saída. É claro que, se o bebê tiver essa condição, será impossível para a mãe ter um parto vaginal.

“Perto do sétimo mês de gravidez, o feto começa a tomar a posição cefálica; isto é, ele coloca a cabeça perto da pélvis da mãe “

Posição podálica

É comumente conhecido como a posição de nádegas. A criança geralmente assume essa posição quando o cordão umbilical é curto, quando o útero apresenta alguma malformação ou quando a placenta está localizada no colo do útero.

A criança parecerá estar sentada com as nádegas como o primeiro elemento a sair, ou até mesmo algumas de suas extremidades inferiores ou ambas.

Em um pequeno número de casos, as mães conseguirão dar à luz vaginal quando seus filhos estão nessa posição. Geralmente, ocorre quando enfrentam seu segundo ou terceiro nascimento, já que a pelve já tem um diâmetro considerável.

Como a postura do bebê pode ser alterada?

De fato, a posição em que o bebê se coloca pode ser alterada para facilitar um parto natural. Anteriormente, as chamadas parteiras realizavam massagens muito suaves para realocar a criança.

É possível que o seu obstetra realize alguma ação semelhante durante o parto, ou também que ele espere até o último momento. Muitas crianças em posição transversal, por exemplo, voltam-se naturalmente para assumir a posição cefálica.

Como complemento, você pode considerar fazer essas ações: aulas de natação, praticar ioga pelo menos 25 ou 30 minutos por dia e usar uma bola de pilates para se sentar sobre ela e balançar para a frente. Todas essas estratégias podem ajudar seu bebê a adotar a posição certa para a hora do nascimento.