O ácido fólico ajuda a prevenir malformações no feto

· 21 de novembro de 2017

Quando uma mulher fica grávida, deseja apenas o melhor para o seu bebê. A única coisa que importa é a saúde do seu pequeno e, para isso, ela não hesita em se submeter a vários exames. Felizmente, existem substâncias que ajudam a prevenir determinados problemas. Uma delas é a vitamina B9, também conhecida como ácido fólico.

Durante anos, várias instituições recomendaram tomar ácido fólico. Uma delas, a Organização Mundial da Saúde, afirma que o ácido fólico ajuda a prevenir malformações no futuro do bebê.

Existe uma série de mitos em relação ao tipo de substância que pode ou não ser tomada durante a gravidez. Pode ser que antigamente existissem problemas em relação a esse assunto, mas na atualidade as coisas mudaram.

O consumo desse ácido contribui para o correto desenvolvimento da coluna vertebral da criança. Isso impede o aparecimento de certas anomalias, como a espinha bífida. E também diminui o risco de a criança ter lábio leporino, fenda palatina e algumas cardiopatias congênitas graves.

Convém lembrar que para começar a tomar ácido fólico, é necessário falar com seu médico antes. Ele vai indicar a frequência e as quantidades. É importante saber que esse suplemento deve ser ingerido antes da gravidez e durante o processo de gestação.

Especialistas indicam que uma mulher grávida deve tomar aproximadamente 600 miligramas por dia de ácido fólico. Embora as doses possam variar de mulher para mulher, aquelas que apresentem mais riscos de ter um filho com espinha bífida devem tomar doses maiores.

 

ácido fólico

A vitamina ajuda a criar células novas

O ácido fólico é uma vitamina hidrossolúvel do complexo de vitaminas B que é responsável por ajudar o organismo a criar células novas. Por sua vez, contribui para prevenir uma série de doenças classificadas como defeitos do tubo neural, entre as quais figuram a espinha bífida e a anencefalia.

Outros meios, como The Journal of the American Medical Association, publicaram uma série de pesquisas relacionadas aos seus benefícios. Nelas, afirma-se que há evidências de que esses suplementos estão associados a um menor risco de a criança apresentar outros problemas, como o atraso na linguagem.

Todas as mulheres grávidas devem tomar ácido fólico

Todas as mulheres grávida, inclusive as que apresentam bom estado de saúde, precisam tomar ácido fólico. Ele ajuda o embrião a se desenvolver de forma positiva.

Como já mencionado, o consumo diário dessa vitamina reduz o risco de muitos problemas para as crianças. Também previne outros defeitos do sistema nervoso central, assim como cardiopatias, reduções de extremidades e outros defeitos congênitos.

Onde posso encontrar?

O ácido fólico está presente em vários alimentos, como, por exemplo, verduras, frutas, legumes, cereais e leite.

Estão presentes em menor quantidade em alimentos ricos em carboidratos, como o pão ou as massas. É importante ressaltar que o consumo desses alimentos não dispensa a necessidade dos suplementos.

Tendo em vista seus benefícios para a mãe e o feto, uma dose extra seria bastante recomendável.

Além disso, foi demonstrado que essas doses de ácido fólico não produzem efeitos adversos. Essa substância pode ser ingerida durante anos sem que apresente nenhum risco para a pessoa que esteja tomando.

Recentemente, foi demonstrado que uma população que segue uma suplementação diária com baixas doses de ácido fólico apresenta menos riscos de sofrer problemas cardíacos.

Segundo esse mesmo estudo, realizado em um amplo setor da população, para as mulheres é um importante fator relacionado à cardioproteção.

“Tomar a decisão de ter um filho é importantíssima. Trata-se de decidir que seu coração vai caminhar para sempre fora do seu corpo”

-Elisabeth Stone, atleta paraolímpica-

 

ácido fólico

Esse suplemento diminui o risco de apresentar anomalias no tubo neural

A administração de suplementos de ácido fólico no período pré-conceptivo pode prevenir anomalias no tubo neural.

É recomendável que todas as mulheres que tentam engravidar estejam conscientes de seus benefícios. Até a 12ª semana de gestação, seu consumo é totalmente aconselhável.

Atualmente, aproximadamente 500.000 crianças no mundo todo nascem com anomalias congênitas. As crianças que sofrem esse tipo de malformação podem apresentar problemas de aprendizado. Outros problemas mais graves incluem a incontinência urinária, doenças relacionadas à digestão e deficiência mental.

O objetivo é reduzir em 70% as anomalias que o feto poderia apresentar. Além disso, previne a anemia e repara e protege o funcionamento das células e do DNA.