5 princípios do desenvolvimento cerebral do seu filho que você deve conhecer

· 12 de setembro de 2017

Conhecer quais processos e etapas o desenvolvimento cerebral dos nossos filhos é sem dúvidas uma das melhores ferramentas que podemos ter ao nosso alcance para facilitar esse mágico desenvolvimento.

Não podemos nos esquecer de que o amadurecimento psicológico e emocional das crianças também depende de aspectos que vão muito muito além da alimentação e do cuidado diário que oferecemos com um amor infinito.

Devemos admitir: nem todo mundo sabe sobre neurociência infantil e não passamos um dia sequer sem que surja alguma dúvida sobre o processo de crescimento dos pequenos. Será que eu estou fazendo certo? Seria melhor começar algum tipo de estimulação precoce com meu bebê? Esse tipo de pergunta é bastante comum e, por isso, queremos propor que você conheça um pouco mais o cérebro das crianças através de 5 princípios que vamos explicar melhor a seguir.

Garantimos para você que nada é tão fascinante quanto aumentar nossos conhecimentos sobre esse órgão perfeito e sofisticado que é o cérebro. A infância é o período mais maravilhoso, de maior plasticidade e potencialidade do ser humano.

O período mais importante da vida não é a universidade, e sim a primeira fase de todas: do nascimento até os seis anos de idade
Maria Montessori

Está nas nossas mãos facilitar um bom desenvolvimento cerebral para poder fazer com que nossos pequenos sejam pessoas muito mais felizes.

1. 50% da nossa inteligência é determinada pelos genes

Uma coisa que muitos pais desejam é ter filhos inteligentes. Isso se explica porque frequentemente associamos, sem pensar, inteligência com sucesso pessoal, sem saber que na realidade existem outras competências mais básicas para atingir o sucesso, ou melhor, a felicidade.

  • Tudo isso nos leva a uma série de reflexões: nosso bebê vem com várias dimensões estabelecidas, por assim dizer, “de fábrica”. Uma delas é a inteligência, que é 50% determinada pelos genes. A outra é a personalidade, por exemplo, características como a introversão ou a extroversão.
  • No entanto, essas bases genéticas não determinam 100% como será essa criança no futuro. A forma como educamos, o contexto em que cresce e as oportunidades de aprendizado irão contribuir para definir o restante.

Por isso, você não deve se esquecer de um aspecto chave: ensine Inteligência Emocional ao seu filho.

2. O desenvolvimento cerebral de uma criança acontece “de dentro para fora”

desenvolvimento cerebral

O que queremos dizer com o fato de o desenvolvimento cerebral das crianças se dar “de dentro para fora”?

  • A arquitetura básica do cérebro evolui através de um processo contínuo que se inicia no nascimento e que continua até a idade adulta.
  • No entanto, assim como dizia Maria Montessori, poucas fases são tão importantes no desenvolvimento cerebral de uma criança quanto os seis primeiros anos. Contudo, queremos enfatizar algo mais, a fase essencial que acontece entre 0 e 3 anos de idade.
  • É nesse período que o cérebro passa pelas maiores mudanças, amadurecimentos que vão desde a parte mais interna do cérebro até a mais interna.
  • No interior estão todas essas estruturas vinculadas ao mundo emocional.  Posteriormente, e com a rápida multiplicação, as conexões se reduzem para se especializar e se tornar mais eficientes.
  • Assim, as últimas fases do desenvolvimento cerebral da criança acontece no córtex cerebral, onde se localizam os processos mais refinados e relacionados com a tomada de decisão, o poder analítico, a atenção…

Esse processo incontrolável e único nos encoraja a compreender mais uma vez a importância de cuidar do mundo emocional das crianças. Somente assim facilitamos um amadurecimento cerebral ideal e forte.

3. O estresse afeta o desenvolvimento cerebral da criança

desenvolvimento cerebral

Os neurologistas nos advertem de uma coisa que, sem dúvidas, muitos papais e muitas mamães já sabem: o estresse contínuo durante a primeira infância devido à pobreza, aos maus tratos, à falta de apego ou até mesmo à depressão da mãe afeta seriamente o desenvolvimento cerebral das crianças.

De fato, sabe-se que crianças que passaram por algum trauma apresentam um hipocampo muito menor. Essa estrutura está associada à memória e ao mundo emocional.

4. Os 3 anos, uma idade mágica

 Você sabia que o cérebro de uma criança de 3 anos de idade é duas vezes mais ativo que o de um adulto? Esse é um período sensível, um momento que nunca mais vai se repetir e no qual nosso filho apresenta o máximo potencial de aprendizado.

No entanto, como podemos aproveitar essa fase? Essas seriam algumas dicas básicas para seguirmos:

  • Desenvolvimento dos sentidos: proporcione ao seu pequeno momentos para interagir com o ambiente, tocar, sentir com os pés descalços, explorar o mundo das cores e dos sons, das texturas…
  • Desenvolvimento das competências linguísticas: leia em voz alta, estimule o aprendizado de canções…
  • Desenvolvimento das habilidades motoras: estimule sempre o desenvolvimento da motricidade fina das mãos e principalmente a coordenação entre mãos e olhos. Ao mesmo tempo, sempre ofereça espaços para a criança caminhar livremente e se movimentar em segurança.
  • Desenvolvimento das emoções e da sociabilidade: os 3 anos é uma idade mais que ideal para começar a trabalhar a Inteligência Emocional com seu filho, além de aspectos chave como a empatia ou o reconhecimento das emoções.

5. O amor, essencial no desenvolvimento cerebral da criança

O amor é o motor que move o mundo e a semente que, por sua vez, faz germinar o cérebro dos nossos pequenos ao se sentirem protegidos, valorizados, cuidados… Sabe-se, por exemplo, que o carinho, assim como um apego seguro facilitam o desenvolvimento ideal do hipocampo, aquela estrutura cerebral anteriormente citada e que é essencial na hora de aprender, memorizar e lidar com o estresse.

Para concluir, temos certeza de que, sem ser nenhum renomado especialista em neurologia infantil, você já aplicou desde o começo essas recomendações na educação dos seus filhos. Ser pai e ser mãe nos faz muitas vezes saber de forma instintiva o que é melhor para nossos filhos…