Adolescentes problemáticos: como agir e quando buscar ajuda profissional

Antes de falar sobre "adolescentes problemáticos", devemos pensar sobre as condições ambientais que podem estar influenciando essas condutas disruptivas.
Adolescentes problemáticos: como agir e quando buscar ajuda profissional

Última atualização: 03 Julho, 2021

Muitas vezes, ao chegar à adolescência, em vez de parar para pensar na singularidade de seus filhos, os pais antecipam as ideias que têm sobre esse momento vital: rebeldia e oposição. Portanto, existe uma espécie de pré-rotulagem, os conhecidos adolescentes problemáticos, e às vezes o que preocupa mais é o rótulo do que a causa em si. Vamos ver do que se trata.

  • A adolescência é uma fase em que o adolescente se depara com a tarefa de construir sua própria identidade. Daí surgem os questionamentos e a oposição às figuras de autoridade em busca de autonomia.
  • Existe um grande apego pela figura dos seus iguais, em quem tendem a se refugiar durante a maior parte do tempo.
  • A tudo isso somam-se as alterações corporais e hormonais, que não só são visíveis, mas também muitas vezes alvo de comentários por parte de todo mundo, deixando os jovens em uma situação difícil. Existem também mudanças psicológicas e cognitivas.

Dicas: como agir diante dos conflitos na adolescência

A adolescência não precisa necessariamente se tornar sinônimo de conflito: não é certo que o adolescente passará por problemas maiores do que em outras fases de sua vida, apenas diferentes. O importante é implementar algumas estratégias ou levar em consideração algumas dicas para abordar e compreender as experiências próprias da idade e evitar os adolescentes problemáticos.

Mãe tentando falar com sua filha adolescente.

Aproximar-se do mundo deles

Para entender como os adolescentes se sentem, é importante construir uma ponte com eles. Isso significa perguntar sobre seus gostos, interesses, atividades, amizades, etc. Muitas vezes, os adultos ficam com a ideia de que são apenas adolescentes problemáticos, que não compartilham nada em casa e que querem apenas estar com os amigos. No entanto, você tem que saber encontrar o momento de se aproximar e ler os sinais relativos às suas emoções.

É preciso também fortalecer o vínculo a partir da comunicação, mostrando para eles que existe confiança e que eles podem compartilhar suas preocupações ou dúvidas. Aproximar-se sem invadir, informá-los sobre a disponibilidade de falar sobre qualquer assunto quando precisarem. É preciso ser paciente? Sim, mas não desanime.

Por fim, ao nos aproximarmos do seu mundo, também é necessário fornecer informações que já possuam o “filtro adulto”, diante de tantos mitos ou ideias equivocadas sobre determinados temas. Em alguns casos, eles se recusarão a conversar sobre o assunto, mas é necessário ser possível oferecer, ainda que básicas, algumas orientações de autocuidado e de cuidado com os outros.

Estabelecer acordos

Tudo o que é percebido como regra ou obrigação pode gerar certa rejeição, principalmente porque, nessa fase, o desafio à autoridade faz parte da construção da identidade.

No entanto, é importante que haja limites e consequências, como em qualquer outra fase da vida. Nesse momento o ideal é fazer acordos e, claro, cumpri-los. Por exemplo, você deve informar aos jovens que, se não estudarem, não poderão sair com os amigos no fim de semana.

As regras a serem respeitadas devem ser estabelecidas de forma clara e assertiva, não com base na imposição. As consequências (ou castigos) devem ser proporcionais ao comportamento realizado: algo menor ou sem importância não terá efeito, e algo excessivo, abusivo e contraproducente também, porque será percebido como injusto.

Ao estabelecer acordos, também é necessário informar que eles são totalmente responsáveis pelo seu cumprimento. Devemos evitar infantilizá-los, mostrando que eles têm poder e capacidade suficientes para cuidar de certos assuntos.

Passar algum tempo com os adolescentes para evitar conflitos

Às vezes, por serem “mais velhos” e independentes, presume-se que os planos familiares sejam enfadonhos ou que eles queiram fazer tudo sozinhos. É importante encontrar um equilíbrio para que os adolescentes tenham seu momento de privacidade, mas também é necessário compartilhar com eles seus interesses ou fazer alguma atividade juntos, como assistir a um filme, ouvir uma música ou sair para passear.

Esses momentos podem funcionar como uma porta de entrada para que os adolescentes revelem suas inquietações e angústias, mas também nos permitem conhecê-los e ajudam a prevenir e detectar a tempo quando algo não está bem.

Pai conversando com seu filho para impedi-lo de se tornar um dos adolescentes problemáticos.

Entender seu universo emocional

A adolescência pode ser um momento em que as oscilações emocionais ficam à flor da pele: de boas a ruins em questão de segundos. De estar tranquilo com uma amiga a nunca mais querer vê-la de uma hora para outra.

Existem coisas que são uma questão “de vida ou morte” e tudo isso tem a ver não só com mudanças físicas e psicológicas, mas também com a própria fase. Devemos aceitar que é um momento vivido com grande intensidade emocional e com dificuldades para administrar as emoções, então temos que tentar ser um apoio no meio de tudo isso.

Valorizar mais e julgar menos

“A juventude de hoje está perdida” ou “O dia todo nesse celular”. Essas são algumas das frases que acompanham a vivência do que é ser adolescente. No entanto, pouco paramos para pensar no impacto que elas têm na autoestima dos jovens e no efeito oposto que geram: quanto mais “maus” eles forem aos nossos olhos, menos vão querer ficar perto de nós.

Adultos também não agiriam da mesma maneira se confrontados com esses comentários negativos? Devemos também valorizar suas realizações, suas conquistas, seus sonhos e promover suas aspirações. Em um momento tão crucial para a identidade, a autoestima também merece apoio.

Qual é o papel dos adultos no conflito?

O ambiente familiar do adolescente também deve ser incluído como um fator a ser considerado antes de rotular os jovens como adolescentes problemáticos. Embora isso não se aplique a todos os casos, muitas vezes o meio ambiente pode ser um fator de risco em vez de proteção.

Da mesma forma, não se deve esquecer que, em muitos casos, a adolescência também coincide com a crise de vida dos progenitores, por isso também é possível que essas “duas forças” se choquem. Antes de julgar, é importante se perguntar o que corresponde a coisas típicas da adolescência e quais aspectos são próprios.

Por exemplo, realmente vamos discutir porque o adolescente usa roupas que não combinam? É importante que os adultos relativizem “o incômodo” causado por determinado comportamento. É necessário saber ceder em certos territórios.

Quando pedir ajuda a um profissional

Como vimos, existem comportamentos que podem ser esperados na adolescência. No entanto, existem situações que merecem atenção especial, porque podem estar causando sofrimento ao adolescente e à sua família, ou porque há uma deterioração significativa em seus relacionamentos e seu funcionamento diário, pelo fato de haver certos riscos ou perigos associados, entre outros fatores.

Ou seja, nem todos as condutas são preocupantes, pois talvez respondam mais a comportamentos isolados ou específicos. Será conveniente buscar um profissional quando houver atos criminosos, lesões corporais contra si mesmo, agressões e violência contra outras pessoas ou animais, quando houver recusa constante de alimentação, comportamentos sexuais de risco, entre outros.

Claro, se o profissional pede para atender o adolescente, devemos comunicar essa decisão ao nosso filho, falar com honestidade sobre a nossa preocupação e nunca enganá-lo.

Em muitos casos, isso exigirá um trabalho conjunto entre diferentes atores, ou seja, não apenas a família, mas talvez também a escola ou o grupo de amigos. A intervenção deverá levar em consideração a idade, o tipo de comportamento e o estado geral do adolescente em questão.

Pai e filho discutindo.

As medidas envolverão seguramente todos os agentes e serão orientadas, por exemplo, para o estabelecimento de limites e mudanças na dinâmica familiar, e para uma melhor gestão das emoções ou resolução de conflitos no caso dos adolescentes.

Quando se trata de adolescentes problemáticos…

Abordar essa fase da vida usando o rótulo adolescentes problemáticos não é o melhor primeiro passo. Os adultos têm que ampliar seu olhar e compreender que, por trás de uma conduta disruptiva, há uma mensagem, algo que os adolescentes desejam expressar e fazer, por meio dessa forma. A partir desse ponto, de um lugar de maior compreensão e menos reativo, será mais fácil criar empatia e se conectar para entender o que o adolescente quer nos dizer e como podemos ajudá-lo.

Os adolescentes não são e não devem ser assim: nós temos que procurar acompanhá-los da melhor maneira possível, aceitando suas nuances e com exercendo menos pressão. O mundo que eles enfrentam não é necessariamente o mesmo que aquele pelo qual seus referentes adultos passaram.

Por fim, devemos ter em mente que é melhor falar de adolescências, uma vez que não é apenas uma, nem é vivida da mesma forma em todos os contextos. Outros fatores como a sociedade em que se vive, a classe social, o gênero e a etnia aos quais se pertence, entre outros fatores, irão influenciar seu entendimento.

It might interest you...
A crise de identidade na adolescência
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
A crise de identidade na adolescência

A crise de identidade na adolescência faz parte da transição entre a infância e a maturidade. Devido às alterações, o jovem se vê afetado psicologi...



  • Dishion, T.; McMahon, R. (1998). Parental monitoring and the prevention of child and adolescent problem behavior: a conceptual and empirical formulation. Clinical child and family psychology review (New York, NY), vol. 1, pp. 61-75. https://link.springer.com/article/10.1023/A:1021800432380
  • Fuentes, María C., & García, Fernando, & Gracia, Enrique, & Alarcón, Antonio. (2015). Los estilos parentales de socialización y el ajuste psicológico. Un estudio con adolescentes españoles. Revista de Psicodidáctica, 20(1),117-138.[fecha de Consulta 7 de Junio de 2021]. ISSN: 1136-1034. https://www.redalyc.org/pdf/175/17532968007.pdf
  • Rabadán Rubio, José Antonio, & Giménez Gualdo, Ana María. (2012). DETECCIÓN E INTERVENCIÓN EN EL AULA DE LOS TRASTORNOS DE CONDUCTA. Educación XX1, 15(2),185-212.[fecha de Consulta 7 de Junio de 2021]. ISSN: 1139-613X. Disponible en: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=70624504006