Adolescentes superdotados

22 de setembro de 2019
Os adolescentes superdotados geram todo tipo de reação ao seu redor. Por um lado, há admiração, inveja e surpresa. No entanto, pouco a pouco em sua escola e nos ambientes sociais que frequenta, pode haver muita pressão sobre eles, além da rejeição.

Os adolescentes superdotados têm características especiais que os tornam excepcionais em talentos e habilidades intelectuais. Essa inteligência superior tem impacto em seu desenvolvimento emocional e social.

A adolescência não é fácil para ninguém, principalmente para os superdotados. Às vezes, suas angústias e dificuldades são maiores que as dos outros. Eles se sentem diferentes, são tratados como diferentes e geram expectativas muito altas nos outros. Geralmente, vivem sob muita pressão e suas reações podem afetar sua vida.

Quando uma criança ou adolescente é considerado superdotado?

Para algumas correntes de pensamento, é o QI que define se uma criança é superdotada. Esses teóricos consideram que, se esse coeficiente exceder os 130 pontos, há um caso de superdotação intelectual.

As novas teorias sobre a inteligência e o conceito de inteligências múltiplas levaram ao surgimento de várias posições a esse respeito. Embora o QI seja um indicador útil, não é uma amostra fiel de tudo que a inteligência compreende.

As concepções mais modernas caracterizam pessoas superdotadas como pessoas com “altas capacidades intelectuais”. É um conceito muito mais amplo e inclusivo, que é definido como a existência de um potencial excepcional a ser desenvolvido.

A partir dessa ideia, os indicadores que definem crianças e adolescentes superdotados vão além do QI. Também incluem criatividade, estilo de aprendizagem, desenvolvimento evolutivo e outras características que constituem a pessoa. 

Trata-se de crianças precoces no processo de aprendizagem e na interação com o seu entorno. Elas têm uma memória extraordinária, facilidade para se concentrar e desenvolvem a linguagem muito cedo.

Quando uma criança ou adolescente é considerado superdotado?

Como adolescentes superdotados vivem

Estas são algumas características marcantes desses jovens:

  • Geralmente, essa qualidade se manifesta desde a primeira infância. Pais e professores percebem que a criança tem altas habilidades desde os primeiros estágios do crescimento.
  • Muitas vezes, os superdotados se sentem isolados e incompreendidos pelos outros. Seus pais tendem a se preocupar com essas situações. Assim, vão em busca de escolas adequadas e aconselhamento profissional para cumprir o seu papel da melhor forma possível.
  • Quando a adolescência chega, a vida se torna mais complicada. Os adolescentes superdotados são, acima de tudo, adolescentes. Dessa forma, oscilam entre a necessidade de ser como os outros e as demandas de sua natureza especial.
  • Essas crianças especialmente dotadas se tornam precocemente reflexivas e têm suas próprias opiniões sobre valores sociais e morais. Elas sabem muito e é natural que manifestem isso. Mas esse aspecto as torna diferentes e pode gerar rejeição.
  • Como acontece com todos nessa fase da vida, os adolescentes superdotados tentam se afirmar como pessoas.
  • Os adolescentes superdotados se preocupam com sua aparência física e tentam, de todas as formas, se tornarem parecidas com os outros. Eles precisam fazer parte de grupos com outros adolescentes e isso não é fácil, pois têm consciência de que são diferentes e os outros os rejeitam. Assim, sua vida pode se tornar infeliz.

Possíveis reações de adolescentes superdotados

A adolescência causa insegurança em adolescentes superdotados. Há momentos em que eles sentem que pertencem ao mundo dos adultos e preferem passar mais tempo com pessoas mais velhas. Em outros, a típica ansiedade adolescente os invade e eles querem permanecer nesse mundo jovem, embora tenham dificuldade em fazer amigos.

As concepções mais modernas caracterizam as pessoas superdotadas como pessoas com ‘altas capacidades intelectuais’.

Às vezes, esses jovens passam um bom tempo navegando entre um ou outro mundo. Então, eles podem ser definidos por um dos dois. Nesse momento, as reações dos adolescentes superdotados geralmente podem ser de dois tipos:

Rebeldia

Há adolescentes superdotados que se rebelam contra tudo, o que também acontece com adolescentes normais. É a maneira que têm de mostrar ao mundo que eles são iguais aos outros. Entretanto, a rebeldia pode ir muito longe, chegando ao ponto de quererem abandonar os estudos.

É uma reação que se repete com frequência e que pode ser arriscada. Em sua ânsia de se rebelar contra a autoridade e desafiar as expectativas dos pais, esses adolescentes podem se tornar usuários de drogas ou álcool.

Rebeldia

Isolamento

No outro extremo estão os adolescentes superdotados que se isolam. Eles se dedicam exclusivamente aos estudos e ficam sempre trancados com os livros ou com o computador. Não têm vida social ativa, não recebem amigos e não os visitam.

Portanto, esse comportamento também é preocupante. A adolescência é um momento da vida especialmente importante para aprender a viver em sociedade.

Os pais são a fonte de apoio do adolescente, e o diálogo e a atenção são fundamentais. Dessa forma, compartilhar atividades com seus filhos é o primeiro passo. Contudo, se a situação estiver se apresentando como um problema, é aconselhável procurar por profissionais que possam orientar o caminho a ser seguido.

  • Barragán, M. C. (2009). Identificación del alumnado con altas capacidades intelectuales. Revista Digital Innovación y Experiencias Educativas25, 1-15.
  • Gálvez, J. M. (2000). Alumnos precoces, superdotados y de altas capacidades. Ministerio de Educación.
  • Sánchez, C. (2006). Principales modelos de superdotación y talentos. Universidad de Murcia, Departamento de Métodos de Investigación y Diagnóstico en Educación, España.
  • Sastre-Riba, S. (2008). Niños con altas capacidades y su funcionamiento cognitivo diferencial. Rev Neurol, 41(Supl 1), S11-6. http://www.carei.es/archivos_materiales/AACC.pdf
  • Tourón, J. & Reyero, M. (2001). La identificación de alumnos de alta capacidad. Bordón, 54 (2), 311-338.