Como agir quando meu filho me desafia?

· 5 de março de 2017

Talvez você tenha se sentido mal em alguma oportunidade quando seu filho toma uma atitude contraria ao que você acaba de dizer, e é provável que sinta que ele está desafiando sua autoridade. São muitas as crianças que lutam contra a autoridade e que tem problemas para seguir os limites ou as regras. Parece que querem desrespeitar os demais, sendo do contra constantemente ou querendo impor sua vontade.

Quando seu filho desafia você pode ser difícil de identificar. Se seu filho à princípio parece que está seguindo as regras, mas depois faz outra coisa diferente, você pode sentir que é uma forma de desafio. Quando um adulto se sente frustrado diante das contestações ou atuações das crianças, em certas ocasiões não se sente seguro da maneira como deve responder.

Porque uma criança desafia

Frequentemente, no mundo adulto, consideramos que a razão pela qual as crianças desafiam é por querer fazer as coisas à sua maneira e nada mais, porém a personalidade pode ter um papel importante. Existem pessoas que odeiam as regras ou a autoridade; também pode ser que exista a ansiedade, transtornos ou outras condições que podem contribuir para que uma criança desafie os adultos.

Em alguns casos é possível que nunca se determine por que uma criança se comporta de uma  determinada forma. Os adultos passam muito tempo tratando de identificar os fatores desencadeantes frente a atitude desafiante de uma criança. Podem existir múltiplos fatores como um limite ou norma com a que não estejam de acordo, sentir ciúmes, estar incomodados, ter algum problema emocional… todos estes podem contribuir para que  tenha um comportamento desafiante.

connected-1327191_640

É preciso identificar os fatores desencadeantes para educar e apoiar a seu filho, para que dessa forma possa mudar seu comportamento. Como pai ou mãe é seu dever preparar a seus filhos para a vida no mundo real. Se você tem um filho que lhe desafia constantemente, deve educá-lo para que ele possa ter uma atitude positiva diante da vida, sem que sinta que está indo contra ele, mas sim, que tem o controle de sua vida sem necessidade de ter que se negar a cumprir as normas.

Como agir quando meu filho me desafia

Se você sente que seu filho lhe desafia, tome nota destes conselhos para atuar sem perder a paciência, lembre-se que seu filho quer mostrar sua identidade, mas você será sempre o melhor exemplo a seguir, e a quem ele respeitará dependendo do tipo de reação que você tenha frente às situações difíceis.

Não caia na conversa das “desculpas”

Quando existir um problema com seu filho, mantenha-se focada no tema e no comportamento de seu filho, assim como nas consequências que possam haver. Por exemplo, se seu filho lhe disse que não pensa em fazer suas tarefas da escola porque se esqueceu de anotar, você pode dizer que seu professor lhe dará uma nota má e que se não fizer suas tarefas existirão consequências negativas. Porque é também sua responsabilidade, já que ele poderia pedir a tarefa a algum amigo caso você tivesse sugerido isso. No fim a criança será quem vai decidir fazer as coisas bem ou mal, com as consequências positivas ou negativas, o que acarretará uma coisa ou outra. 

Tenha cuidado com as chantagens emocionais

É fácil ficar confusa emocionalmente diante do desafio de seu filho. É uma sensação chata que lhe dá raiva e isso pode levar você a atuar de uma forma errada. Desvie a atenção do tema que ocupa e não personalize o que seu filho diz ou faz. Pense que ele precisa de você para repensar sobre sua conduta desafiante e que necessita de sua orientação para poder aprender a ser uma pessoa de sucesso no futuro.

model-1216916_640

Ensine seu filho a pensar

As crianças devem aprender a pensar, porém, no caminho desafiam a autoridade. Não gastam tempo suficiente para pensar em suas ações e através das consequências potenciar que pode ocorrer com base no seu comportamento. É preciso que você os ensine a pensar sobre suas decisões e sobre as consequências que podem existir. Uma boa maneira é criando uma lista de prós e contras e depois tomar a decisão sobre qual é o melhor caminho a seguir.

Nunca é cedo demais para começar a ensinar uma criança a avaliar as situações. Assim que se ela disser uma frase do tipo “não vou estudar para a prova”, ao invés de se chatear, é melhor que você faça perguntas do tipo: “o que pode acontecer se você escolhe não estudar?” Se ela te diz que não acontecerá nada, trate de manter a calma e faça outras perguntas importantes, como por exemplo: “você pode ter uma nota baixa ou inclusive não passar de ano? O que pode acontecer se não passar de ano por não ter se esforçado?” As perguntas não tem como objetivo a interrogação, mas sim, ensinar aos filhos a pensar antes de reagir.