Alergia ao sol em crianças

29 Maio, 2020
O pigmento da pele é menos desenvolvido em bebês e crianças. Portanto, é necessário levar em consideração alguns casos de alergia ao sol em crianças e conhecer em que consiste essa patologia.
 

A pele das crianças é muito mais delicada que a dos adultos, uma vez que a camada córnea da pele – a camada mais externa da epiderme – é mais fina e, por isso, sua função de barrar o sol é menos eficaz. Consequentemente, os raios de sol são absorvidos mais rapidamente e atingem camadas mais profundas. Portanto, não surpreende que haja cada vez mais casos de alergia ao sol em crianças.

De fato, a pele das crianças produz melanócitos, células produtoras de melanina, mas elas não estão totalmente desenvolvidas. Desse modo, a pele delas tem menos proteção natural contra o sol.

Nesse sentido, os bebês com pele clara, ruivos ou com sardas são mais propensos a sofrer queimaduras solares ou alergias ao sol, uma vez que a pele produz menos melanina.

Além disso, com a exposição da pele ao sol, reações alérgicas costumam aparecer. Essas reações causam vermelhidão, erupção cutânea, coceira ou bolhas na pele. Todas essas consequências são muito desagradáveis e podem aparecer alguns minutos antes ou depois da exposição inicial da pele ao sol.

 

Alergia ao sol em crianças: em que consiste

Alergia ao sol em crianças

A alergia ao sol em crianças é uma reação à luz ultravioleta que aparece logo após a exposição à luz solar. Para evitar esse tipo de reação, é necessário levar em consideração algumas precauções e dicas. Obviamente, se você observar alguma resposta alérgica ao sol em crianças, procure um especialista imediatamente.

Além disso, você deve saber que os locais mais comuns em que esse problema aparece incluem a área do pescoço, a parte de trás das mãos, a superfície externa dos braços e a parte inferior das pernas.

No entanto, as alergias ao sol ocorrem apenas em certas pessoas sensíveis e, em alguns casos, podem ser desencadeadas apenas por breves momentos de exposição ao sol. Vamos ver então quais são as alergias ao sol mais comuns em crianças.

 

Alergias solares mais comuns em crianças

Essas são algumas das alergias ao sol que a pele das crianças pode sofrer:

1. Fotossensibilidade

Se o seu filho apresentar uma reação severa a queimaduras solares, inchaço ou coceira intensa após exposição limitada à luz solar, pode ser que ele tenha fotossensibilidade. Como o nome indica, essa reação consiste em alta sensibilidade à luz natural.

Essa condição também pode ser detectada se a criança apresentar erupções cutâneas ou cicatrizes em uma área do corpo que foi exposta ao sol. De qualquer forma, recomenda-se uma consulta com o especialista o mais rápido possível.

2. Erupção polimorfa à luz

A erupção polimorfa à luz geralmente ocorre um ou dois dias após exposição solar intensa. Pode gerar desde pequenos pontos vermelhos até outros pontos cheios de líquidos ou eczemas, ou, ainda, causar ferimentos. As áreas comumente envolvidas incluem o rosto, o pescoço, os braços e as mãos que tenham sido expostas.

Nas crianças, geralmente começa como manchas secas no rosto com pequenos pontos vermelhos e provoca também coceira intensa. As lesões geralmente desaparecem espontaneamente em algumas semanas se a exposição ao sol for suspensa.

 

Os bebês com pele clara, ruivos ou com sardas são mais propensos a sofrer queimaduras solares ou alergia ao sol.

3. Urticária solar

A urticária solar é caracterizada por coceira e vermelhidão, geralmente depois de aproximadamente 30 minutos ou menos de exposição ao sol. Após várias horas, a pele volta ao normal.

4. Fotodermatite

Alergia ao sol em crianças

A fotodermatite ocorre quando a luz ultravioleta reage com certas substâncias químicas na pele. Essas substâncias químicas podem ser provenientes de alimentos comuns como cenoura, salsa e aipo.

Além disso, a erupção cutânea geralmente aparece 24 horas depois da exposição e pode levar semanas ou meses para cicatrizar completamente. É possível que apareça como uma erupção com coceira, mas às vezes ocorre até mesmo na forma de bolhas.

 

Dicas para proteger seu filho do sol

Aqui está uma lista com algumas dicas para proteger seu filho do sol. Tome nota e coloque-as em prática!

Por fim, lembre-se de que uma atitude sensata em relação à quantidade de sol durante a exposição da pele e o uso de produtos de proteção solar podem evitar muitos casos de alergia ao sol em crianças. Não hesite em tomar as precauções necessárias e avaliar os sintomas que a criança pode apresentar.