Alterações anatomofisiológicas na gestante

28 de agosto de 2019
São muitas as alterações anatomofisiológicas na gestante. Saiba mais sobre elas e por que ocorrem neste artigo.

As alterações anatomofisiológicas na gestante se devem às novas exigências e necessidades do seu corpo e do feto. Essas mudanças afetam todos os órgãos e sistemas do organismo, e nem todas as mulheres as vivenciam da mesma forma. Por isso, neste artigo, vamos apresentar todas essas mudanças.

Alterações anatomofisiológicas na gestante

Aparelho reprodutor

O útero é o órgão do aparelho reprodutor que mais sofre mudanças. Aumenta de tamanho, atingindo uma capacidade de aproximadamente 5 litros e 1.100 gramas de peso no final da gravidez.

Na mulher que não está grávida, o útero fica dentro da pélvis. Durante a gravidez, no entanto, ele se torna um órgão abdominal e, à medida que aumenta de tamanho, é possível sentir o fundo dele através do abdômen.

O crescimento uterino é um dos parâmetros mais utilizados para controlar a evolução da gestação. Este crescimento ocorre devido à ação dos hormônios estrogênio e progesterona, e à distensão causada pelo crescimento fetal a partir do interior.

Além disso, o fluxo sanguíneo para o útero aumenta à medida que a gravidez avança, a fim de perfundir adequadamente a placenta e, por consequência, o feto.

Alterações anatomofisiológicas

Outras mudanças do aparelho reprodutor

No colo do útero, a secreção das glândulas cervicais aumenta, dando origem ao tampão mucoso, que servirá de defesa contra a entrada de microrganismos na vagina.

A sua vascularização também aumenta e há edema, amolecimento (sinal de Hegar) e adquire uma cor levemente azulada.

Na região vaginal e vulvar, a vascularização também aumenta, o que faz com que os tecidos fiquem levemente edematosos e cianóticos (sinal de Chadwick).

A vagina se torna mais elástica, preparando-se para o parto, e há um aumento na secreção do corrimento vaginal esbranquiçado e espesso. O pH ácido do corrimento vaginal protege contra muitas infecções, mas é um meio de cultura para fungos. Isso faz com que infecções fúngicas (candidíase) sejam frequentes durante a gravidez.

Até 7 semanas de gestação, aproximadamente, um dos ovários contém o corpo lúteo, que mantém a produção hormonal permitindo que a gestação progrida até que a placenta seja a principal produtora de hormônios.

As mamas aumentam de tamanho, a pigmentação da aréola e do mamilo aumenta, e pequenas elevações aparecem no mamilo (tubérculos de Montgomery), que são glândulas sebáceas hipertrofiadas. Além disso, a rede venosa de Haller aparece e, a partir do 4º mês de gestação , é possível que a primeira secreção de leite apareça.

Dentre as alterações anatomofisiológicas na gestante, o aparelho reprodutor é um dos que mais são modificados.

Pele

As mudanças hormonais são a causa da maioria das alterações cutâneas. Durante a gravidez, podem aparecer:

  • Hiperpigmentação na linha alba do abdômen, nos mamilos, nas aréolas ou na vulva.
  • Manchas no rosto (cloasma gravídico).
  • Podem aparecer vasinhos no rosto, no pescoço, nos membros ou no peito.
  • Estrias nas mamas, no abdômen ou nos glúteos.
  • Aumento da atividade das glândulas sudoríparas e sebáceas.

Alterações metabólicas

Em termos metabólicos, o corpo da gestante também experimenta mudanças:

  • Aumento de peso. Principalmente por causa do feto e dos anexos, do aumento do volume sanguíneo e do líquido intersticial, do crescimento do útero e dos seios e dos novos depósitos de gordura.
  • Metabolismo dos carboidratos. A produção de insulina aumenta e, ao mesmo tempo, há uma resistência dos tecidos ao seu efeito. O uso periférico da glicose aumenta, e a produção de glicose no fígado diminui.
  • Metabolismo das gorduras. Durante o segundo trimestre, tanto a síntese quanto a absorção de colesterol e triglicérides aumentam, assim como o acúmulo de gordura nos tecidos.
  • Metabolismo das proteínas. O crescimento dos tecidos fetais provoca uma grande demanda de proteínas.
  • Metabolismo da água. A retenção hídrica durante a gestação é fisiológica, retendo até 7 litros de água distribuídos entre mãe, feto e anexos.

Aparelho respiratório

O estrogênio aumentado durante a gravidez causa hiperemia da mucosa nasal, causando episódios de rinite, congestão nasal ou epistaxe (hemorragias nasais).

A caixa torácica também muda na gravidez. O diafragma sobe, e a largura do tórax aumenta. Essas mudanças se devem ao aumento do tamanho do útero e ao relaxamento dos ligamentos intercostais devido aos hormônios.

hiperemia da mucosa nasal

Também ocorrem alterações na função pulmonar:

  • A capacidade residual funcional e total diminui.
  • A capacidade inspiratória e o volume corrente aumentam.
  • A frequência respiratória aumenta ligeiramente, principalmente no terceiro trimestre.

Alterações anatomofisiológicas no sistema digestivo da gestante

É comum mulheres grávidas sentirem náuseas e sofrerem vômitos. Isso se deve principalmente à presença e ação do β-hCG e da progesterona (hormônios que atuam durante a gravidez).

A boca também sofre modificações durante a gravidez pois, devido à ação dos hormônios, o pH salivar diminui, o que pode alterar a flora bacteriana. Se a higiene oral adequada não for realizada, pode levar ao aparecimento de cáries.

Portanto, o estrogênio aumenta a vascularização, o que pode causar sangramento e inflamação das gengivas.

O útero, à medida que aumenta de tamanho, desloca os órgãos abdominais, o que faz com que a pressão intra-abdominal aumente. A progesterona relaxa o trato gastrointestinal, de modo que o trânsito intestinal se torna mais lento. Isso pode causar:

  • Pirose (azia ou queimação).
  • Constipação.
  • Digestão lenta e pesada.
  • Hérnia de hiato.

A ação da progesterona também afeta a vesícula biliar, o que provoca um esvaziamento mais lento, aumentando a espessura da bile. Essas alterações favorecem a litíase (aparecimento de cálculos ou “pedras”) na vesícula.

Aparelho urinário

Na gravidez, os rins aumentam de tamanho com o aumento da vascularização, do volume intersticial e dos espaços mortos. A pelve renal e o ureter também ficam dilatados.

Essas alterações são mais marcantes no rim direito (por causa da rotação do útero) e podem ser vistas a partir do primeiro trimestre da gravidez. Além disso, elas causam uma estase urinária que pode levar a infecções ou litíase no rim.

O útero aumenta a pressão intravesical, o que, somado ao aumento da produção de urina, leva a um aumento da micção diária.

Alterações anatomofisiológicas no sistema endócrino da gestante

Durante a gravidez, há mudanças na secreção de diferentes hormônios, assim como a liberação de novos hormônios. Estes são alguns dos hormônios que influenciam durante a gravidez:

Gonadotrofina coriônica humana (hCG)

É um hormônio produzido pela placenta, e o β-hCG é a subunidade que mais afeta a gravidez. Seus níveis são muito altos durante o primeiro trimestre, mas diminuem até permanecerem estáveis durante o restante da gravidez.

Este hormônio influencia o crescimento fetal, mantém o corpo lúteo até que a placenta seja capaz de produzir esteroides suficientes e estimula os testículos fetais a produzirem testosterona.

É o hormônio detectado nos testes de gravidez, tanto de sangue quanto de urina.

Gonadotrofina coriônica humana

Lactogênio placentário (LP)

Também é um hormônio placentário. Suas funções são aumentar a lipólise, aumentar a resistência à insulina, diminuir a gliconeogênese e induzir a proliferação do tecido mamário.

Estrogênio e progesterona

Também produzidos pela placenta. Eles intervêm na maioria das mudanças que ocorrem durante a gravidez.

Hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH)

É um hormônio hipotalâmico que atua no crescimento da placenta, e seus níveis aumentam durante a gravidez.

Prolactina

É um hormônio hipofisário. Seus níveis aumentam à medida que a gravidez avança a fim de se preparar para a amamentação.

Hormônio tireotrófico (TSH)

É produzido na glândula tireoide. Seus níveis diminuem ligeiramente no primeiro trimestre com o aumento do HCG (eles têm uma estrutura semelhante). Posteriormente, seus níveis voltam ao normal.

Aparelho cardiovascular

O volume de sangue aumenta na gestante mais de 1.500 – 1.700 ml. Este aumento no volume não é regular, pois o volume plasmático no sangue aumenta mais que o celular, o que leva a hemodiluição e anemia fisiológica.

Este aumento no volume sanguíneo tem diferentes funções durante a gravidez:

  • Protege contra a perda de sangue que a mãe sofrerá durante o parto.
  • Satisfaz as novas exigências metabólicas.
  • Protege contra os efeitos prejudiciais do retorno venoso prejudicado durante a gravidez.

O número de leucócitos aumenta, e as plaquetas podem diminuir ligeiramente. Os fatores de coagulação aumentam, e a atividade fibrinolítica diminui, o que, juntamente com a estase do sangue produzida pelo útero no retorno venoso, aumenta o risco de tromboembolismo.

No nível anatômico, o diafragma sobe e desloca o coração para a frente e para a esquerda. O débito cardíaco (DC) aumenta, assim como a frequência cardíaca, que chega até 15 a 20 batimentos por minuto.

Por outro lado, os valores da pressão arterial não mudam durante a gravidez e podem, em alguns casos, até mesmo diminuir.

Outras alterações anatomofisiológicas na gestante

Ossos

A gestante tem a absorção de cálcio e fósforo aumentada durante a gravidez, além de mobilizar o que está contido nos seus ossos para permitir o desenvolvimento adequado do feto. Porém, após o parto, a densidade óssea retorna ao normal. Já foi demonstrado que a gravidez não é um fator de risco para a osteoporose no futuro.

Sistema músculo esquelético

A coluna vertebral acentua a lordose para se adaptar ao ganho de peso. Raízes nervosas vertebrais podem ser comprimidas ou distendidas. Essas alterações podem causar lombalgia ou neuralgia.

Outras alterações anatomofisiológicas

Sistema imunológico

Durante a gravidez, certas funções imunológicas são suprimidas para permitir que um “corpo estranho” (o embrião) se aloje no corpo.

Sexualidade

As modificações descritas anteriormente podem influenciar a sexualidade. O aumento da vascularização da região genital aumenta a sensibilidade, o que pode aumentar a satisfação ou, pelo contrário, até mesmo incomodar algumas mulheres.

Nas gestações de curso normal, as contrações geradas no útero após o orgasmo não desencadeiam o parto, pois são de baixa intensidade.

Sobre as alterações anatomofisiológicas na gestante, lembre-se…

Durante a sua gravidez, não hesite em consultar a sua parteira ou o seu ginecologista sobre quaisquer dúvidas que possam surgir a respeito das alterações que o seu corpo apresentar.

  • Espinilla Sanz, B., Tomé Blanco, E., Sadornil Vicario, M., Albillos Alonso, L. (2016). Anatomía y fisiología del embarazo. Manual de obstetricia para matronas. 2nd ed. Valladolid: DIFÁCIL; 2016. 53-64.