As crianças precisam do seu amor para vencer os medos

29 Julho, 2018
O amor que o seu filho recebe na infância lhe permite estabelecer o suporte emocional principal para realizar seu desenvolvimento e configurar sua personalidade.

É importante expressar o carinho que sentimos e demonstrar ao nosso filho que ele é incondicional. Assim, somos capaz de ajudá-lo a se curar, superar metas e estar seguros em todos os momentos.

Há muitas maneiras de dar amor. Qualquer um pode dizer que os cuidados que temos com as crianças representam afeto; mas muitas vezes isso se concentra acima de tudo em uma obrigação. Portanto, uma criança que não é claramente tratada com amor, de alguma maneira se sente menos protegida e, consequentemente, mais insegura.

As primeiras metas que são alcançadas na infância podem parecer fáceis. Aprender a se sentar, dizer as primeiras palavras ou começar a andar. Mas para os pequeninos são um desafio. Para que essas metas sejam cumpridas com mais segurança, é importante que sejam estimuladas por meio do afeto e dos ímpetos carinhosos da mamãe e do papai.

Por que o amor ajuda a vencer os medos?

Aquele que já sentiu o amor reconhece as mudanças que esse sentimento proporciona. Sabe as capacidades que desenvolvemos quando se trata de expressar tal sentimento a uma pessoa. Quanto a isso, particularmente, podemos falar que não só se sente seguro quem é amado, como também quem ama.

Saber que alguém te ama é um sentimento que deve estar sempre presente. Para os nossos filhos, é uma garantia podem contar conosco para vencer seus medos. É recomendável lhes dizer com amor que podem contar conosco e também demonstrar a todo momento, pois a linguagem do amor é compreensível para todos os seres humanos em qualquer etapa de suas vidas.

seu amor

É por amor que as mamães criam adultos saudáveis e corretos para o mundo. Mas é também por amor que essas pessoas crescem fortes, seguras e capazes de superar os principais desafios da vida. Algumas vezes somos pouco compreensivos com as crianças, podemos exigir delas mais do que podem dar. Mas, para elas, as coisas mais simples podem ser complicadas.

Amor e estímulo

É por nossos filhos que o estímulo que lhes damos como pais deve estar cheio de ternura, palavras afetuosas e gestos solidários. Não é ruim deixar os pequenos tentar por conta própria ou querer ajudá-los a serem mais fortes. Mas ser mais exigente não significa ser menos amoroso.

Sentir medo de dormir sozinhos, temer o escuro e não se animar a realizar alguma atividade é algo normal nas crianças. Isso se dá pela falta de conhecimento e de experiência. Por esse motivo, embora seja desejável serem fortes, sempre é preferível tentar estimulá-los de maneira carinhosa.

Sejamos afetuosos para que aos seus temores não se some o sentimento de ser rejeitados por seus pais. Vamos pensar em um momento em que não sabemos como resolver algum problema e que a única pessoa que temos nos rejeita ou ameaça; é triste a sensação de não poder contar com quem é mais próximo a você.

O amor dos pais dá apoio emocional à criança

É possível que, sem saber, tenhamos criado um filho emocionalmente saudável. Isso acontece porque fizemos por amor. Nesse caso, é normal que não tenhamos uma pauta de como agir, nem possamos dar um conselho; porém é importante garantir que os filhos saibam disso.

seu amor

Um filho que cresceu rodeado por amor chega à idade adulta sabendo que seus pais o ajudaram a crescer assim. Ele não terá aqueles medos que os outros têm e continuará conectado emocionalmente à sua família. Nunca será um fardo poder atender à pessoa que nos deu apoio emocional desde que nascemos.

Muitas vezes as fraquezas de nossa idade adulta são um reflexo das deficiências emocionais da infância. Não é um fato que todos os nossos problemas da idade adulta sejam uma consequência de uma criação errada. Mas é possível que nossas decisões equivocadas sejam um resíduo emocional de certa carência.

As palavras, os gestos e as ações que envolvem amor ajudam as crianças a enfrentar seus desafios – pequenos para nós, mas imensos perante seus olhos e sua pouca experiência. Se acreditarmos que as atenções como alimentá-los, lavar suas roupas ou dar presentes são suficientes, talvez a criança nunca o valorize como faria se tivesse dado afeto; isso é válido para qualquer criança, seja nosso filho ou não.

As crianças confiam em seus pais e nas formas que eles têm de ajudá-las. Por isso, é necessário que estejamos comprometidos a construir as bases emocionais das crianças desde seus primeiros dias. O principal nesses casos é estarmos conscientes de que o amor que lhes damos em seus primeiros anos as fortalecerá por toda a vida.

  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos